A Doce Recordação do Que Eu Não Vivi: a Construção da Identidade Nacional no Futebol (1938-1950)

Por: Harian Pires Braga.

184 páginas. 2015 15/06/2015

Send to Kindle


Resumo

O futebol é um dos espaços sociais primorosos na construção de uma identidade nacional brasileira, ao portar signos que contribuem nas respostas a anseios sociais que transcendem ao próprio esporte. Nesta dissertação, partimos da concepção de que a identidade, assim como a nação, são conceitos em aberto, forjados historicamente, múltiplos e relativos. No Brasil, o futebol, em especial por meio de sua seleção masculina nacional, contribuiu para a construção de determinadas características identititárias, passíveis à aplicação em boa parte do Estado nacional. Nesse exercício de identificação as Copa do Mundo FIFA de 1938 e de 1950 foram notórias; a primeira marcando um sucesso internacional e a segunda, o fracasso do futebol brasileiro sediando o evento. Para analisar a construção de cada um dos dois torneios, fora do Rio de Janeiro, foram analisados os jornais Folha da Manhã e Folha da Noite, entre os meses de março e julho de 1938 e de 1950, períodos de realização dos dois campeonatos mundiais. 

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000954198&opt=1

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.