A Educação Ambiental Popular: Contribuições em Práticas Sociais

Por: Tiago Zanquêta de Souza.

Motricidades - v.2 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão em torno da educação ambiental popular, a partir de uma perspectiva histórica e crítica, como uma corrente teórica que pode orientar diferentes práticas sociais, escolares ou não, à elaboração de uma práxis educativa que prime pela libertação de mulheres e homens, pela construção de sua emancipação e, acima de tudo, pela transformação da realidade injusta, opressora e excludente tão presente na cotidianidade do povo latino-americano. Para isso, parto de um breve estudo em torno da origem da educação ambiental popular, a fim de evidenciar as convergências históricas entre a educação ambiental e a educação popular, para em seguida, refletir em torno da macrotendência da educação ambiental crítica.

Referências

ARAUJO-OLIVERA, S. S. Exterioridade: o outro como critério. In. OLIVEIRA, M. W.; SOUSA, F. R. (Org.). Processos educativos em práticas sociais: pesquisas em educação. São Carlos: EDUFSCar, 2014. p. 47-112.

BARBOSA, M. T. Educação ambiental popular: a experiência do centro de vivência agroecológica – CEVAE/TAQUARIL. 151 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que é, o que não é. Petrópolis: Vozes, 2012.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. 49. ed. São Paulo: Brasiliense, 2007.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Os diferentes matizes da educação ambiental no Brasil: 1997-2007. Brasília: MMA, 2008.

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2008.

CARVALHO, I. C. M. Qual educação ambiental?  Elementos para um debate sobre educação ambiental popular e extensão rural. Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v. 2, n. 2, p. 43-51, abr./jun. 2001.

CARVALHO, I. C. M. As transformações na cultura e o debate ecológico: desafios políticos para a educação ambiental. In: NOAL, F. O.; REIGOTA, M.; BARCELOS, V. H. L. (Orgs.). Tendências da educação ambiental brasileira. 2. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000. p. 115-128.

CASTELLS, M. O poder da identidade. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CORAGGIO, J. L. Educação para a participação e a democratização. In: GARCIA, P. B.; LA MAZA, G.; PALMA, D.; MEJIA, M. R.; CORAGGIO, J. L.; VARGAS, J. O. O pêndulo das ideologias: a educação popular e o desafio da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. p. 89-104.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

DUSSEL, E. D. 20 teses de política. Buenos Aires: CLACSO; São Paulo: Expressão Popular, 2007.

FIORI, E. M. Conscientização e Educação. In: BRASIL. Ministério da Saúde. II Caderno de educação popular em saúde. Brasil: Ministério da Saúde, 2014. p. 55-72.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

GADOTTI, M. Pedagogia da terra. São Paulo: Petrópolis, 2000.

GARCIA, P. B. Apresentação. In: In: GARCIA, P. B.; LA MAZA, G.; PALMA, D.; MEJIA, M. R.; CORAGGIO, J. L.; VARGAS, J. O. O pêndulo das ideologias: a educação popular e o desafio da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. p. 7-8.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas: Papirus, 1995.

LAYRARGUES, P. P. A resolução de problemas locais deve ser um tema-gerador ou a atividade-fim da educação ambiental? In: REIGOTA, M. (Org.). Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. p. 131-148.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, p. 23-40, jan.-mar. 2014.

LEFF, E. Political Ecology: a Latin American Perspective1. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 35, p. 29-64, dez. 2015.

LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e educação ambiental: controvérsias e caminhos do caso brasileiro. Sinais Sociais, v. 9, n. 26, p. 13-38, set.-dez. 2014.

MAIA, K.; GRAJEW, O. Desigualdade no Brasil, onde você está? Folha de São Paulo, p. A3, 06 dez. 2017.

MELO, J. F. Extensão popular. 2. ed. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014.

ONU. Organização das Nações Unidas. Panorama da biodiversidade global: uma avaliação intemediária do progresso rumo à implementação do Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020. Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica, 2014. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/04/PNUMA_Panorama-Biodiversidade-Global-4.pdf >. Acesso em: 01 mar. 2018.

OXFAM. Oxfam Brasil. Documento informativo da Oxfam 210, 18 jan. 2016. Disponível em: < https://goo.gl/hML9bY >. Acesso em: 01 mar. 2018.

PELICIONI, M. C. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Bases políticas, conceituais, filosóficas e ideológicas da Educação Ambiental. In: PELICIONI, M. C. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. (Orgs). Educação ambiental e sustentabilidade. Barueri: Manole, 2005. p. 3-12.

PERALTA, J. E.; RUIZ, J. R. Educação popular ambiental. Para uma pedagogia da apropriação do ambiente. In: LEFF, E. (Coord.). A complexidade ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2010. p. 241-281.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

RUIZ, J. R. La sustentabilidad y su interpelación a la educación popular. Decisio, n. 3, p.36-39, 2002. Disponível em: < http://cdn.designa.mx/CREFAL/revistas-decisio/decisio3_saber10.pdf >. Acesso em: 01 mar. 2018.

RUIZ, J. R. La educación popular y la dimensión ambiental del desarrollo. Documento de discusión, Asamblea del Consejo de Educación de Adultos de América Latina. Santiago de Chile: CEAAL, 1994.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 317-322, maio/ago. 2005.

VIEZZER, M.; OVALLES, O. Manual latino-americano de educação ambiental. São Paulo: Gaia, 1995.

Endereço: http://www.motricidades.org/journal/index.php/journal/article/view/2594-6463.2018.v2.n1.p60-70

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.