A Educação Física na Educação de Jovens e Adultos: Um Diagnóstico em Escolas do Sul do Rio Grande do Sul

Por: Edison Duarte Coelho, Mario Renato de Azevedo Júnior e Patricia Machado da Silva.

Arquivos em Movimento - v.14 - n.2 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do estudo foi fazer um diagnóstico sobre as aulas de Educação Física na Educação de Jovens e Adultos no ensino médio na região sul do país, envolvendo questões sobre o professor, o seu trabalho pedagógico e a estrutura física para as aulas. A pesquisa foi desenvolvida em caráter descritivo, utilizando-se de entrevista semiestruturada junto a nove docentes lotados em escolas públicas da região e questionário para a 5ª Coordenadoria Regional de Educação. Foi realizada análise de conteúdo e também o demonstrativo em números absolutos e proporções das variáveis sobre o grupo estudado. Foram elevadas as taxas de reprovação e evasão na EJA. Os esportes coletivos foram os conteúdos mais frequentes e a avaliação se concentrou principalmente na presença e participação nas aulas. Foi observada uma preocupação por parte dos professores em relação à falta de infraestrutura para o desenvolvimento das aulas no período da noite. A escola deve considerar as especificidades do aluno trabalhador da EJA para que isso contribua para sua permanência e para que as aulas tenham mais significado para ele. Dessa forma, poderá reduzir alguns obstáculos desta modalidade de ensino.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições70, 1977.

BETTI, I. C. R. Esporte na escola: mas é só isso, professor? Motriz, Rio Claro, v. 1, n. 1, p. 25-31, jun.1999.

BETTI, M; ZULIANI, L. R. Educação Física Escolar: Uma Proposta de Diretrizes Pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, n. 1, p.73-81, 2002.

BRASIL. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, v.134, n.248, 23 dez. 1996. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos : segundo segmento do ensino fundamental: 5 a a 8ª série : introdução / Secretaria de Educação Fundamental, 2002. 240 p.: il. : v. 3.

BRATIFISCHE, S.A. Avaliação em Educação Física: um desafio. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 14, n. 2, 2003

CARVALHO, R.M. Educação Física Escolar na educação de jovens e Adultos. Curitiba: CRV, 2011.

DARIDO, S. C. Os conteúdos da Educação Física escolar: influências, tendências, dificuldades e possibilidades. Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v.2, n.1 (suplemento), 2001.

________. A educação física na escola e o processo de formação dos não praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 61-80, jan/mar. 2004.

________. Temas transversais e a Educação Física escolar. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Prograd. Caderno de formação: formação de professores didática geral, São Paulo: Cultura Acadêmica, v. 16, p. 76-89, 2012.

FORTES, M.O et al. A educação física escolar na cidade de Pelotas-RS: contexto das aulas e conteúdos. Revista Educação Física/UEM, Paraná, v. 23, n. 1, p. 69-78, 1. trim. 2012.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida proï¬ssional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2000. p. 31-61.

MATTOS, M.G; NEIRA, M.G. Educação Física na adolescência: construindo o conhecimento nas escolas. 6. ed. São Paulo: Phorte, 2013.

MUENCHEN, C.; AULER, D. Abordagem temática: desafios na educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, vol. 7, n.3, 2007.

NAHAS, M.V. Atividade física, saúde e qualidade de vida. Londrina: Midiograf, 2006.

PeNSE. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar:2015/IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. -- Rio de Janeiro: IBGE, 2016. 132 p.

PICH, S.; FONTOURA, M. P. A cultura escolar da educação física na EJA: o paradoxo entre a ruptura com a noção de atividade e a falta da prática corporal. Educación Física y Ciencia, v. 15, n. 1, 2013.

REIS, J. A. P.; NETO, V.M. “Pensei que tava na aula de Ciências” ou os significados da Educação Física na Educação de Jovens e Adultos. Pensar a Prática, Goiânia, v.17, n.3, p. 636-650, jul/set. 2014.

ROSÁRIO, L. F. R.; DARIDO, S. C. A sistematização dos conteúdos da educação física na escola: a perspectiva dos professores experientes. Motriz, Rio Claro, v.11, n.3, p. 167-178, set/dez. 2005.

SANTOS, S. M. M. Formação continuada numa perspectiva de mudança pessoal e profissional. Sitientibus, Feira de Santana, n.31, p.39-74, jul/dez. 2004.

SOUZA, O.M.J. ; DARIDO, S.C. Dispensas das aulas de educação física: apontando caminhos para minimizar os efeitos da arcaica legislação. Pensar a Prática, Goiás, v. 12, n. 2, ago. 2009.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VARGAS, J. E. N. Educação Física no ensino médio noturno na região sul do Rio Grande do Sul: realidades e possibilidades. 2009. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Escola Superior de Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2009.

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/19229

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.