A Eficácia e a Heterocronia das Respostas de Adaptação de Basquetebolistas Submetidos a Diferentes Modelos de ,estruturação da Carga de Treinamento e Competição

Por: Alexandre Moreira.

178 páginas. 2006 28/11/2006

Send to Kindle


Resumo

O presente estudo buscou investigar o efeito de três diferentes modelos de estruturação da carga de treinamento e competição em basquetebolistas. A amostra foi composta por 32 atletas, adultos, do sexo masculino, da divisão principal (A1), que foram divididos em três grupos (Modelos) com média e desvio padrão para idade de: Modelo de cargas seletivas (MS) (N = 9); 25,22+ 3,56 anos; Modelo de cargas concentradas (MCON) (N=10); 23,90+3.90 anos e Modelo ,de cargas complexas (MCX) (N=13); 23,85+3,29 anos. O macrociclo de treinamento foi composto por uma etapa preparatória (EP) e uma etapa de competição (EC), com 6 (seis) semanas para EP nos três Modelos, 18 semanas para EC no MS e MCX e 16 para o MCON. Os testes de controle foram realizados no início da etapa preparatória (T0), ao final da etapa preparatória (T1), ao final da primeira metade da etapa de competição (T2) e ao final da segunda metade da etapa de competição (T3). Os marcadores funcionais externos foram observados a partir dos seguintes testes de controle: salto vertical com contramovimento (SV), salto horizontal saindo parado (SHP), salto horizontal triplo consecutivo lado direito (STCD) e lado esquerdo (STCE), teste T adaptado (C40) e Yo-Yo intermittent endurance test (YO-YO). Utilizou-se da ,ANOVA para medidas repetidas a fim de testar a hipótese de que os três modelos apresentavam a mesma distribuição nos quatro momentos, bem como analisar a hipótese de igualdade nos quatro momentos para cada modelo. O teste post-hoc HSD de Tukey foi utilizado quando necessário. O nível de significância foi estabelecido em 5%. Em caso de violação do pressuposto de esfericidade, a significância foi estabelecida utilizando-se do procedimento de Greenhouse- Geisser. No momento T0 e T3 se aceitou a H0 de que não existiu diferença para nenhum marcador funcional externo (teste de controle) entre os modelos (P > 0.05), no tocante aos valores brutos. Para T1 e T2, diferenças estatisticamente significantes (P < 0.05) somente para C40. O resultado do teste HSD de Tukey mostrou que o MS se diferenciava em T1, tanto do ,MCON quanto do MCX (P < 0.05). Não foi identificada diferença entre MCON e MCX neste instante. Em T2, diferentemente do resultado encontrado para T1, o MCX se diferenciou de MCON e MS (P < 0.05). Quanto ao efeito do tratamento (magnitude de alteração percentual)verificou-se dinâmica diversa entre os modelos estudados, o que parece refletir a distribuição do conteúdo de treinamento para cada etapa. Os resultados demonstram a eficácia de utilização dos três modelos investigados, entretanto, sugerem também, que diferentes respostas de adaptação ,podem ser esperadas, tanto no tipo (positiva e negativa), quanto em magnitude, em função da característica de distribuição das cargas. O MCX parece induzir magnitudes de alteração superiores aos demais modelos, com exceção do STCD, quando comparados os momentos T0 e ,T3.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=2664&listaDetalhes%5B%5D=2664&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.