A Escrita-currículo da Perspectiva Cultural de Educação Física: Entre Aproximações, Diferenciações, Laissez-faire e Fórmula

Por: Pedro Xavier Russo Bonetto.

250 páginas. 2016 27/05/2016

Send to Kindle


Resumo

Apresento como peça central do estudo o currículo cultural de Educação Física, uma proposta alinhada às preocupações do Multiculturalismo Crítico e dos Estudos Culturais com inspirações pós-estruturalistas e que se arranja numa sociedade pós-moderna e póscolonizada. Enquanto artefatos culturais, as danças, lutas, esportes, brincadeiras e ginásticas transmitem certos significados e representações de mundo, sujeitos e sociedade, sendo então, função social da Educação Física nesta perspectiva, a tematização destas práticas corporais de modo que os estudantes possam travar contato com as representações que veiculam, a fim de ampliar, aprofundar e ressignificar seus saberes sobre esta parcela da cultura. Sem pretender finalizar a questão, muito menos estruturar ou gerar modelos para um currículo “artistado”, investigamos o modo como os professores constroem seus currículos a partir do conceito de “escrita-currículo”. Para isso, mapeamos os elementos, componentes, linhas de força e intensidades da escrita curricular registrada por professores parceiros, buscando a relação entre os enunciados pedagógicos sobre procedimentos didáticos (mapeamento, ressignificação, aprofundamento, ampliação, registro e avaliação) e princípios (reconhecimento da cultura corporal da comunidade, justiça curricular, evitar o daltonismo cultural, descolonizar o currículo e ancoragem social dos conhecimentos). Como forma de produção de dados, empregamos o Diário de Bordo Digital, o Grupo de Discussão e recolhemos relatos de experiência. A forma de análise baseou-se na teoria pós-estruturalista deleuze-guattariana, a partir da geofilosofia e do roubo de conceitos. De modo geral, a quantidade de elementos que se aproximaram nas escritas curriculares dos professores parceiros foi maior do que os elementos que se diferenciaram, a ponto de suspeitarmos de que a escrita curricular estivesse se tornando uma fórmula. Entendemos que, se isso está acontecendo, pode ser por desatenção aos agenciamentos maquínicos uma vez que estes são os grandes responsáveis pelas diferenciações. Sobre o papel do professor na elaboração da “escrita-currículo”, percebemos que ele não é um mero aplicador de um conjunto de enunciados aos quais se submete e replica, pois, atua dentro dos agenciamentos, como mais uma, dentre outras forças lá atuantes. No tocante as linhas de força, vimos que a “escritacurrículo” não pode ser constituída apenas de linhas de fuga, muito menos, somente por linhas duras. Ela é produzida no entrecruzar de infinitas linhas, algumas molares (duras), tais como: as leis educacionais, as regras e normas do regimento escolar, o Projeto Político Pedagógico, a concepção cultural e seus procedimentos didáticos; outras moleculares (flexíveis): a cultura dos alunos, seus desejos, atitudes, falas, as disposições espaciais, temporais e os princípios pedagógicos; e por fim, por linhas de fuga, que por tão efêmeras não se territorializam em enunciados pedagógicos, passam pela “escrita-currículo” como acontecimentos e agenciamentos inesperados, desrruptivos e criadores.

Endereço: http://www.gpef.fe.usp.br/

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.