A Estrutura Administrativa do Negócio Academia na Cidade de Sombrio-sc

Por: Francine Costa de Bom e Letícia Cardoso de Freitas.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.4 - n.2 - 2015

Send to Kindle


Resumo

Pesquisas referentes à gestão administrativa na área da Educação Física não são tão crescentes quanto a estudos relacionados ao exercício físico. O objetivo do presente estudo foi descrever características administrativas que estruturam modelos de negócio academia na cidade de Sombrio/SC. Caracterizando-se como pesquisa exploratória, quantitativa e descritiva. O instrumento de coleta foi um questionário composto com 26 questões objetivas e 02 abertas. A coleta de dados foi realizada junto aos gestores das 07 academias de ginástica na cidade, sendo que a pesquisadora estava in loco durante o preenchimento do questionário. O tratamento dos dados foi realizado por meio de estatística descritiva. O perfil dos administradores de academia se caracterizou em sua maioria do sexo masculino, com média de idade entre 25 a 30 anos, e escolaridade com pós-graduação na área da Educação Física. A não presença de um processo de recrutamento de colaboradores definidos em manual (86%), o desconhecimento do plano de carreira empresarial (71%), a falta de recursos suficientes para a promoção do treinamento em equipe (71%), missão voltada para o fitness (43%) a qual não é apoiada pela literatura, somada aos 29% que não conseguem distinguir seu negócio entre fitness e wellness, não julgar necessário a pesquisa de mercado com a clientela (57%), centralização das funções ao próprio gestor (71%) e ausência de elaboração do plano de negócio de maneira estruturada (71%), pôde-se concluir a partir dos dados levantados que os administradores apresentam uma gestão amadora dos seus empreendimentos.

Referências

Bastos, Flavia da Cunha Et al (2012). Perfil dos gestores de academia fitness no brasil: um estudo exploratório. Recuperado em 15 de abril de 2015 de, http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/14/pdf

Chiavenatto, Idalberto (2009). Administração: teoria, processo e prática. 3ª edição. São Paulo: Pearson Makron Books, 2000.

Chiavenatto, Idalberto (2003). Administração de recursos humanos. 5ª edição. São Paulo: Atlas S.A.

Cref, Conselho regional de Educação Física (2015). Relação de academias cadastradas.

De Bom, Francine Costa (2006). Gestão de academias. Trabalho de conclusão de curso em Educação Física Plena. Universidade do Extremo Sul Catarinense. Criciuma-SC

Leite, Jurandir Araguaia (2000). Academias: estratégias para o sucesso. Rio de Janeiro: Sprint.

Longenecker, Justin G. Moore, Carlos W. Petty, William J. (2004). Administração de Pequenas Empresas. Makron Books.

Nogueira, Écio M (1997). Qualidade total em academias. Rio de Janeiro: Sprint.

Paula, Gil de (1999). Fitness bussiness: administrando com resultados. Rio de Janeiro: Sprint.

Pereira, Giancarlo da Silva Rego (2005). Gestão estratégica, revelando alta performance às empresas. Saraiva.

Pereira, Marynês (2005). Administração sem segredo: sua academia rumo ao sucesso. São Paulo: Phorte.

Pereira, Marynês (1996). Academia: estrutura técnica e administrativa. Sprint.

Saba, Fabio (2006). Liderança e gestão para academias e clubes esportivos. São Paulo: Phorte.

Saba, Fabio. Pimenta, Marco Túlio (2008). Vendas e retenção. São Paulo: Phorte.

Sebrae (2015). Sobrevivência das empresas no Brasil.

Recuperado em 25 de março de 2015 de, http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Sobrevivencia_das_empresas_no_Brasil_2011.pdf

Siacadesc (2015). Convenções coletivas. Recuperado em 30 de abril de 2015 de, http://siacadesc.com.br/convencoes-coletivas/

Verry, Mauro (1997). Sportmarketing. Rio de Janeiro: Sprint, 1997.

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/127

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.