Send to Kindle


Resumo

      Nestes tempos de discursos sobre diversidade e inclusão, choveram medidas legais para incluir crianças com deficiência nas escolas. Imagino que alguns burocratas de secretarias de educação mandaram fazer carimbos para ficar mais fácil: “Inclua-se!”. O pepino fica para professoras e professores, coordenadoras e coordenadores pedagógicos, diretores e diretoras. Os burocratas do ensino, de maneira geral, entendem inclusão como enfiar dentro de salas de aula pessoas com deficiências, não importa quais sejam. Mas, neste meu breve comentário, passarei longe dessa questão mais específica da deficiência, porque, antes dela, já tínhamos um problema seríssimo de exclusão que pouca gente algum dia quis considerar.

         Colocarei uma situação: de uns anos para cá, todos os que cursam a educação básica, passam 12 anos em escolas, para aprender os conteúdos de disciplinas como a Matemática, o Português, a Geografia, a História, a Química, etc. Os alunos passam esses 12 anos dentro de salas de aula, em carteiras, geralmente individuais e com um espaço de movimentação de mais ou menos meio metro quadrado. Precisam ficar sentados para diminuir sua mobilidade. As salas são retangulares e as carteiras dispostas simetricamente em dois sentidos (nestes tempos de Deleuze parece que estou falando de Foucault). A regra manda que os alunos permaneçam quatro horas por dia nessa imobilidade (por enquanto, até que se consolide a educação de tempo integral). No Brasil temos 200 dias letivos por ano. Fazendo as contas temos um total de 9600 horas de permanência nessa situação ao longo da vida escolar, dos seis anos até os 17 anos mais ou menos. Bons anos, anos de extrema plasticidade, de infância e juventude, anos que a natureza destinou à formação da imaginação, do pensamento concreto e do pensamento virtual, do desenvolvimento das habilidades corporais, da sexualidade, dos projetos de vida, dos rituais de inclusão social, etc. Boa parte desses anos confinados em seus cubículos, para aprender as disciplinas escolares. Aprendem? As avaliações dizem que não. Cada um de nós, fazendo seu inventário de aprendizagens, também diz que não, salvo as exceções.

         Talvez eu já pudesse parar por aqui meu comentário sobre a falácia da inclusão escolar. Nestes tempos de discursos sobre a diversidade, a estrutura escolar, incluindo sua arquitetura, é para formar iguais, é para eliminar as diferenças. Todos sentados e imóveis parecem iguais. Todos em silêncio parecem iguais. Os diferentes são aqueles poucos que escapam a esse sistema, não por sua própria vontade, geralmente, mas por providências de famílias que lhes providenciam outras formas de se preparar para a vida e, um dia, dirigir as vidas dos outros para que elas sejam todas iguais.

         Todos iguais, todos excluídos, exceto as exceções, que não são por acaso.

(continua no próximo capítulo) 

24/out/2016)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.