A Formação da Lutadora: Estudo Sobre Mulheres Que Praticam Modalidades de Luta

Por: .

112 páginas. 2011 17/03/2011

Send to Kindle


Resumo

Meninas e meninos são educados para agirem de formas opostas em diversos campos. A maioria dos meninos aprende a gostar de atividades agressivas e competitivas, ao passo que elas aprendem a gostar de atividades rítmicas ou relacionadas às tarefas domésticas, atividades estas que pouco se assemelham às lutas. Com o intuito de identificar os sujeitos e as instituições que influenciam a vida das lutadoras, realizaram-se entrevistas com cinco lutadoras que foram campeãs mundiais ao menos uma vez em sua modalidade. A análise dos dados foi por meio da dialética. Na infância, as lutadoras brincavam juntamente com os meninos, mas não deixaram de participar de brincadeiras socialmente classificadas como femininas. Não foram estigmatizadas nas aulas de Educação Física por serem habilidosas, mas o foram fora dessas aulas. Ao ingressarem na modalidade, elas não foram cobradas por resultados. Por serem grandes lutadoras, não tiveram dificuldades em serem aceitas em um ambiente de treino predominantemente masculino; assim, elas disputam o espaço entre eles, embora os homens se esforcem para manter a superioridade masculina. Algumas federações, confederações e organizadores de campeonatos premiam as mulheres de forma inferior em relação aos homens, o que caracteriza discriminação de gênero.

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39134/tde-30052011-084826/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.