A Ginástica Laboral no Brasil Entre os Anos de 2006 e 2016: Uma Scoping Review

Por: Lílian Vieira Magalhães, Mônica Angelim Gomes de Lima, Robson da Fonseca Neves e Simone Pereira Aureliano Araújo.

Revista Brasileira de Medicina do Trabalho - v.16 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO: O crescimento dos agravos relacionados ao trabalho vem preocupando pesquisadores ao redor do mundo. Isso porque a intensificação do trabalho e as relações trabalhador-ambiente de trabalho-adoecimento, entre outras, lideram o debate quando o assunto é saúde e trabalho. Nesse cenário, a ginástica laboral (GL) é uma alternativa na prevenção dos adoecimentos relacionados ao trabalho.
OBJETIVO: Descrever e sintetizar as formas pelas quais a literatura brasileira tem abordado a GL.
MÉTODOS: Uma revisão panorâmica (scooping review) foi realizada a partir de buscas nas principais bases de artigos científicos disponíveis no país, por meio dos descritores "ginástica laboral", "labor gymnastics", "ginástica do trabalho", "exercícios laborais" e "cinesioterapia laboral". Foram incluídos estudos empíricos que tratavam do contexto brasileiro e que foram publicados nos últimos 10 anos.
RESULTADOS:
 Nos 44 artigos analisados foi evidenciado que diversas metodologias têm sido aplicadas à GL, majoritariamente as quantitativas. Os estudos têm sido conduzidos principalmente por educadores físicos e fisioterapeutas. A GL é executada tanto em empresas privadas quanto em órgãos públicos, com trabalhadores das mais variadas funções. Seis categorias associadas à GL emergiram: manejo da dor; estilo de vida; componentes relacionados à saúde mental; componentes do movimento humano; qualidade de vida; e indicadores antropométricos e de sinais vitais.
CONCLUSÃO: A GL vem sendo investigada a partir de metodologias e formas de aplicação diversas. Estudos qualitativos e multimétodos, que são escassos, certamente garantiriam maior alcance e potencial à GL.

Referências

1.Estanque E. Estudos do trabalho. Rede Estud Trab. 2009;5(31):1-19.
2. Brasil. Ministério da Previdência Social. Anuário Estatístico da Previdência Social. Brasília: Ministério da Previdência Social; 2011. p. 70-472.
3. Loisel P, Côté P. The work disability paradigm and its public health implications. In: Loisel P, Anema JR, eds. Handbook of Work Disability: prevention and management. Nova York: Springer; 2013. p. 59-67.
4. Pronk NP, Bender EG, Katz AS. Health, function, and performance benefits of workplace strength training programs. ACSMs Health Fit J [Internet]. 2016 [acesso em 2017 jan.];20(5):69-71. Disponível em: .DOI: 10.1249/FIT.0000000000000235
5. Polito E. Ginástica laboral: teoria e prática. Rio de Janeiro: Sprint; 2010.
6. Carvalho CMC, Moreno CRC. Efeitos de um programa de ginástica laboral na saúde de mineradores. Cad Saúde Colet. 2007;15(1):117-30.
7. Carneiro IP, Carneiro Neto JA, Andrade EA, Nogueira ANC, Câmara
TMS, Nogueira MM, et al. Programa de cinesioterapia laboral para trabalhadores administrativos da empresa Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos. Rev Fisioter S Fun. 2012;1(1):10-15.
8. Silva JB. A ginástica laboral como promoção de saúde [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: São Paulo; 2007.
9. Lima V. Ginástica laboral: atividade física no ambiente de trabalho. São Paulo: Phorte; 2008.
10. Freitas FCT, Swerts OSD, Robazzi MLCC. A ginástica laboral como
objeto de estudo. Fisioter Bras. 2009;10(5):364-70.
11. Machado Junior JES, Seger FC, Teixeira CS, Pereira ÉF, Merino EAD. Queixas musculoesqueléticas e a prática de ginástica laboral de colaboradores de instituição financeira. Produção. 2012;22(4):831-8.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132012005000022
12. Arksey H, O’Malley L. Scoping Studies: Towards a Methodological
Framework. Int J Social Res Methodol. 2005;8(1):19-32. https://doi.
org/10.1080/1364557032000119616
13. Mays N, Roberts E, Popay J. Synthesising research evidence. In: Fulop
N, Allen P, Clarke A, Black N, editors. Studying the organisation and delivery of health services: research methods. London: Routledge; 2011. p. 119.
14. Garrard J. Health sciences literature review made easy. Massachusetts: Jones & Bartlett; 2016.
15. Silva RSB, Martins CO, Rosenstiel L, Ferreira CNF, Silva AS. Influência de informações de saúde no estilo de vida de participantes de ginástica laboral. Rev Bras Promo Saúde. 2014;27(3):406-12. DOI:
10.5020/18061230.2014.p406
16. Rossato LC, Duca GFD, Farias SF, Nahas MV. Prática da ginástica laboral por trabalhadores das indústrias do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Bras Educ Física Esporte. 2013;27(1):15-23. http://dx.doi.
org/10.1590/S1807-55092013000100003
17. Guimarães ASC, Santos RL. Níveis de consciência de trabalhadores da construção civil sobre a influência da ginástica laboral na sua saúde. RBPS. 2009;22(1):3-8. DOI: 10.5020/18061230.2009.p3
18. Maciel MG. Avaliação da eficácia da ginástica laboral. Cinergis. 2006;7:113-22.
19. Freitas KPN, Barros SS, Ângelo RCO, Uchôa EPBL. Lombalgia ocupacional e a postura sentada: efeitos da cinesioterapia laboral. Rev Dor. 2011;12(4):308-13. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-00132011000400005
20. Hreczuck DV, Ulbricht L. Prescrição de um programa de ginástica laboral para o trabalho frente ao computador: uma abordagem ergonômica. Rev Uniandrade. 2013;12(2):112-24. DOI: 10.18024/1519-5694/revuniandrade.v12n2p112-124
21. Andrade PP, Veiga HMS. Avaliação dos Trabalhadores acerca de um Programa de Qualidade de Vida no Trabalho: Validação de Escala e Análise Qualitativa. Psicol Ciênc Prof. 2012;32(2):304-19.
http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000200004
22. Conceição FR, Assumpção CO, Lira VF, Asano RY, Calaça N, Bartholomeu Neto J. Fatores positivos e negativos para implantação de programa de ginástica laboral em Gurupi-TO. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc. 2012;6(35):472-7.
23. Brito ECO, Martins CO. Percepções dos participantes de programa de ginástica laboral sobre flexibilidade e fatores relacionados a um estilo de vida saudável. Rev Bras Promo Saúde. 2012;25(4):445-54. http://dx.doi.org/10.5020/2547
24. Grande AJ, Loch MR, Guarido EA, Costa JBY, Grande GC, Reichert FF. Comportamentos relacionados à saúde entre participantes e não participantes da ginástica laboral. Rev Bras Cineantropom  esempenho Hum. 2011;13(2):131-7. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n2p131
25. Marques HS, Liberali R. Indicadores subjetivos de saúde e qualidade
de vida em trabalhadores submetidos a programa de ginástica
laboral. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc. 2011;5(28):335-46.
26. Candotti CT, Silva MR, Noll M, Lucchese CR. Efeito da ginástica laboral sobre a motivação para a prática regular de atividade física. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(2):485-97.
27. Maia MF, Miranda Neto JT, Vasconcelos-Raposo JJ, Bezerra AJ. A saúde ocupacional nas bibliotecas universitárias de grande porte.Motricidade. 2006;2(4):260-9.
28. Soares RG, Assunção AA, Lima FPA. A baixa adesão ao programa de ginástica laboral: buscando elementos do trabalho para entender o problema. Rev Bras Saúde Ocup. 2006;31(114):149-60. http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572006000200013
29. Santos AB, Hartmann CO. O estilo de vida e a prática de atividade
física dos funcionários da Reitoria-UFAL participantes do programa
de ginástica laboral. Fiep Bulletin [Internet]. 2011 [citado em 2017
jan.]. Disponível em: fiepbulletin/article/view/263/473>.
30. Tirloni AS, Moro ARP. Interferência do vestuário no desempenho, na amplitude de movimento e no conforto na ginástica laboral. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010;12(6):443-50. DOI: 10.5007/1980-0037.2010v12n6p443
31. Souza FKN, Ziviani F. A qualidade de Vida no Trabalho Correlacionada à Prática da Ginástica Laboral. E-civitas. 2010;3(1):1-27.
32. Lima LN, Soares LA. A ginástica laboral na visão de colaboradores de uma instituição de ensino superior no interior de MG. EFDeportes. com. 2010;15(147):1-3.
33. Santos AF, Oda JY, Nunes APM, Gonçalves L, Garnés FLS. Benefícios da ginástica laboral na prevenção dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Arq Ciênc Saúde Unipar. 2007;11(2):99-113. https://doi.org/10.25110/arqsaude.v11i2.2007.1520
34. Mozzini CB, Polese JC, Beltrame MR. Prevalência de sintomas
osteomusculares em trabalhadores de uma empresa de embalagens
metálicas de Passo Fundo-RS. Rev Bras Prom Saúde. 2008;21(2):92-7.
DOI: 10.5020/18061230.2008.p92
35. Souza VL, Cocate PG, Cruz LA, Soares LA, Matos DG. Ginástica laboral: melhora no estilo de vida e na flexibilidade de funcionários de uma indústria moveleira. EFDeportes.com. [Internet]. 2009 [citado em 2017 jan.]. Disponível em: com/efd134/ginastica-laboral-funcionarios-de-uma-industriamoveleira.htm>.
36. Sípoli MFV. A prática educativa da atividade motora na indústria. Uniandrade. 2011;12(2):133-46.
37. Costa AF, Dias GA, Vale RGS, Silva VFS, Nunes WJ. A contribuição
de um programa de ginástica laboral para a aderência ao
exercício físico fora da jornada de trabalho. Fitness Perform J.
2006;5(5):325-32.
38. Candotti CT, Stroschein R, Noll M. Efeitos da ginástica laboral na
dor nas costas e nos hábitos posturais adotados no ambiente de
trabalho. Rev Bras Ciência Esporte. 2011;33(3):699-714. http://dx.doi.
org/10.1590/S0101-32892011000300012
39. Ferracini GN, Valente FM. Presença de sintomas musculoesqueléticos
e efeitos da ginástica laboral em funcionários do setor administrativo
de um hospital público. Rev Dor. 2010;11(3):233-6.
40. Lima VA, Aquilas AL, Ferreira Junior M. Efeitos de um programa
de exercícios físicos no local de trabalho sobre a percepção de
dor musculoesquelética em trabalhadores de escritório. Rev Bras
Med Trab. 2009;7:11-7.
41. Paiva Neto A, Barbosa CGR, Abdala DW, Silva Junior AJ, Mendes
MS. Perfil da flexibilidade em trabalhadores participantes de
um programa de ginástica laboral de uma empresa metalúrgica
de Guaxupé/MG. Fit Perf J. 2009;8(4):279-85. DOI: 10.3900/
fpj.8.4.279.p
Neves RF, et al.
Rev Bras Med Trab. 2018;16(1):82-96
96
42. Guimarães MAT. A influência de um programa de ginástica laboral
sobre a diminuição da intensidade da dor corporal. Rev Bras Prescr
Fisiol Exerc. 2008;2(7):69-80.
43. Resende MCF, Tedeschi CM, Bethônico FP, Martins TTM. Efeitos
da ginástica laboral em funcionários de teleatendimento. Acta
Fisiatr. 2007;14(1):25-31.
44. Grande AJ, Silva V, Manzatto L, Rocha TBX, Martins GC, Vilela Junior
GB. Determinantes da qualidade de vida no trabalho: Ensaio clínico
controlado e randomizado por clusters. Rev Bras Med Esporte.
2013;19(5):371-5. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922013000500015
45. Grande AJ, Silva V, Manzatto L, Rocha TBX, Martins GC, Vilela
Junior GB. Comparação de intervenções de promoção à saúde do
trabalhador: Ensaio clínico controlado randomizado por cluster.
Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2013;15(1):27-37. http://
dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2013v15n1p27
46. Freitas-Swerts FCT, Robazzi MLCC. Efeitos da ginástica laboral
compensatória na redução do estresse ocupacional e dor
osteomuscular. Rev Lat Am Enferm. 2014;22(4):629-36. DOI:
10.1590/0104-1169.3222.2461
47. Grande AJ, Silva V, Parra SA. Efetividade da ginástica laboral na
aptidão física: estudo randomizado não controlado. Einstein.
2014;12(1):55-60. DOI: 10.1590/S1679-45082014AO2956
48. Pereira CDA, López RFA, Lima VA. Efeitos de um programa de
ginástica laboral sobre os níveis de fadiga em trabalhadores
de confecção. Efdeportes.com [Internet]. 2009 [citado em 2017
jan.];14(133). Disponível em: programa-de-ginastica-laboral.htm>.
49. Silveira MG, Silva RP, Reis VM, Novaes JS. Efeitos da ginástica laboral
nas variáveis morfológicas, funcionais, estilo de vida e absenteísmo
dos trabalhadores da indústria farmacêutica de Montes Claros/
MG. Fit Perf J. 2007;6(5):295-301. DOI: 10.3900/fpj.6.5.295.p
50. Martins PFO, Zicolau EAZ, Cury-Boaventura MF. Stretch breaks in
the work setting improve flexibility and grip strength and reduce
musculoskeletal complaints. Motriz. 2015;21(3):263-73. http://dx.doi.
org/10.1590/S1980-65742015000300007
51. Mezzomo SP, Cardozo PL, Katzer JI, Santos DL, Corazza ST. A
influência da ginástica laboral na coordenação motora global e
no tempo de reação de condutores de autocarro. Motricidade.
2014;10(4):27-34. https://doi.org/10.6063/motricidade.10(4).2896
52. Queiroga MR, Cabral LL, Silva CG, Ferreira AS, Cavazzotto TG. Workplace
physical exercices, obesity anthropometric indexes, blood pressure and
static muscle strength. Acta Scientiarum Health Sciences. 2014;36(1):65-
71. http//dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v36i1.14982
53. Sakamoto VR, Donatto FF, Navarro AC. A Influência da ginástica
laboral e da qualidade alimentar empresarial na Sintomatologia
do quadro de dor em funcionários do setor administrativo. Rev
Bras Nutr Esportiva. 2011;5(25):62-9.
54. Lafetá JC, Pereira TR, Silveira MG, Durães GM, Maia MFM. Repercussões imediatas da ginástica laboral preparatória na atividade eletromiográfica do músculo deltoide anterior. Motricidade. 2012;8(Suppl. 2):323-30.
55. Martins GC, Barreto SMG. Vivências de ginástica laboral e melhoria
da qualidade de vida do trabalhador: resultados apresentados por
funcionários administrativos do instituto de física da Universidade
de São Paulo (Campus São Carlos). Motriz. 2007;13(3):214-24.
56. Conn VS, Hafdahl AR, Cooper PS, Brown LM, Lusk SL. MetaAnalysis of Workplace Physical Activity Interventions. Am
J Prev Med. 2009;37(4):330-9. http://dx.doi.org/10.1016/j.
amepre.2009.06.008
57. Lima MAG, Andrade AGM, Bulção CMA, Mota EMCL, Magalhães
FB, Carvalho RCP, et al. Programa de reabilitação de
trabalhadores com LER/DORT do Cesat/Bahia: ativador de
mudanças na Saúde do Trabalhador Cesat/Bahia. Rev Bras
Saúde Ocup. 2010;35(121):112-21. http://dx.doi.org/10.1590/
S0303-76572010000100012
58. Robroek SJW, Van De Vathorst S, Hilhorst MT, Burdorf A. Moral
issues in workplace health promotion. Int Arch Occup Environ
Health. 2012;85(3):327-31. DOI: 10.1007/s00420-011-0675-y
59. Neves F, Nunes O, Magalhães L. As interações entre os atores no
retorno ao trabalho após afastamento por transtorno mental: uma
metaetnografia. Cad Saúde Pública. 2015;31(11):2275-90. http://
dx.doi.org/10.1590/0102-311X00029215
60. Silva JA , Ribeiro-Filho NP. A dor como um problema
psicofísico. Rev Dor. 2011;12(2):138-51. http://dx.doi.org/10.1590/
S1806-00132011000200011
61. World Health Organization. A glossary of terms for community health care and services forolder persons. Genebra: WHO Centre for Health Development, Ageing and Health Technical Report; 2004.
62. Organização Mundial da Saúde. Relatório sobre a saúde no mundo 2001. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Genebra:
OMS; 2001.
63. Dalgalarrondo P. Do sintoma à síndrome. In: Dalgalarrondo P,
editor. Psicopatologia e sintomatologia dos transtornos mentais.
Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000. p. 181-5.
64. Rosin BL. The progression of cardiovascular risk to cardiovascular disease. Rev Cardiovasc Med. 2007;8(Suppl 4):S3-8.
65. Chester JG, Rudolph JL. Vital signs in older patients: age-related changes. J Am Med Dir Assoc. 2011;12(5):337-43. DOI: 10.1016/j.jamda.2010.04.009
66. Silva Neto M, Simões R, Grangeiro Neto JA, Cardone CP. Avaliação isocinética da força muscular em atletas profissionais de futebol feminino. Rev Bras Med Esporte. 2010;16(1):33-5. http://dx.doi.
org/10.1590/S1517-86922010000100006
67. Wells KF, Dillon EK. The sit and reach: a test of back and leg flexibility. Res Quart Exercise Sport. 1952;23:115-8. https://doi.org/10.1080/10 671188.1952.10761965
68. Toldrá RC, De Marque CB, Brunello MIB. Desafios para a inclusão no mercado de trabalho de pessoas com deficiência intelectual:
experiências em construção. Rev Ter Ocup Univ São Paulo.
2010;21(2):158-65. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149. v21i2p158-165
69. Shore LM, Randel AE, Chung BG, Dean MA, Ehrhart KH, Singh G. Inclusion and diversity in work groups: A review and model for future research. J Management.  011;37(4):1262-89. DOI:10.1177/0149206310385943

Endereço: http://www.rbmt.org.br/details/297/pt-BR/a-ginastica-laboral-no-brasil-entre-os-anos-de-2006-e-2016--uma-scoping-review

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.