A Gordura Corporal, Mas Não a Qualidade Muscular, Está Relacionada à Fadiga Percebida em Mulheres Jovens e Ativas e Inativas

Por: Ana Luiza Matias Correia, Filipe Dinato de Lima, Martim Bottaro, Ricardo Moreno Lima, Ritielli de Oliveira Valeriano e Silvia Gonçalves Ricci Neri.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.21 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar a associação da fadiga percebida com a composição corporal e a qualidade muscular (força, espessura e torque específico) em mulheres adultas jovens. Cinquenta e uma mulheres saudáveis ​​(31,98 ± 6,88 anos) foram avaliadas quanto à fadiga percebida, composição corporal, força muscular dos extensores do joelho, espessura muscular e qualidade muscular. A versão curta do Questionário Internacional de Atividade Física foi aplicada para classificar os sujeitos como ativos ou inativos. Para examinar a relação entre fadiga percebida e variáveis ​​dependentes, foi realizada a correlação de Pearson. A fadiga percebida foi significativamente correlacionada (p <0,05) com o peso corporal (r = 0,469), índice de massa corporal (r = 0,369), massa gorda (r = 0,469), porcentagem de gordura corporal (r = 0,369) e pico de torque relativo ( r = -0,378). Além disso, mulheres inativas apresentaram peso (p <0,05) significativamente maior, índice de massa corporal, massa gorda, percentual de gordura corporal e fadiga percebida do que mulheres ativas. A fadiga percebida está relacionada ao peso corporal e massa gorda, mas não à força ou qualidade muscular. Além disso, mulheres fisicamente ativas apresentaram menor fadiga percebida, peso corporal e gordura corporal em comparação com mulheres fisicamente inativas. Esses resultados sugerem que a gordura corporal pode desempenhar um papel na fadiga percebida e a atividade física pode atenuar esse sintoma. e gordura corporal em comparação com mulheres fisicamente inativas. Esses resultados sugerem que a gordura corporal pode desempenhar um papel na fadiga percebida e a atividade física pode atenuar esse sintoma. e gordura corporal em comparação com mulheres fisicamente inativas. Esses resultados sugerem que a gordura corporal pode desempenhar um papel na fadiga percebida e a atividade física pode atenuar esse sintoma.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2019v21e56093

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.