A Influência da Dança na Qualidade de Vida dos Idosos: Uma Revisão Sistemática

Por: Bruno de Freitas Camilo e Nadja Rocha Lima.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.7 - n.3 - 2019

Send to Kindle


Resumo


Objetivo: Revisar sistematicamente a literatura a fim de identificar estudos que avaliaram a influência da dança na qualidade de vida em indivíduos com idade ≥60 anos. Métodos: Trata-se de um estudo bibliográfico, qualitativo, realizado a partir do levantamento de artigos publicados até 06 de setembro de 2018 nas bases de dados Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), PsicINFO, Scientific Eletronic Library Online (SciELO), Scopus e SPORTDiscus. A seleção dos artigos foi realizada a partir da utilização de descritores (DeCS), operadores Booleanos e filtros. Para as bases BVS e SciELO, utilizou-se a combinação dos descritores “dança” AND “qualidade de vida” AND “idoso”. Nas bases PsicINFO, Scopus e SPORTDiscus foi utilizada a combinação dos termos “dance” AND “quality of life” AND “elderly”. Resultados: Foram incluídos cinco estudos, publicados entre 2009 e 2017. A idade dos participantes variou entre 60 e 89 anos. Observou-se predominância no uso de instrumentos de avaliação da qualidade de vida do Grupo WHOQOL. Em relação ao tipo de dança, dois estudos utilizaram a dança sênior e nos demais estudos, outros tipos de dança de salão foram usados como forma de intervenção. Conclusão: Constatou-se que a dança, independentemente do estilo, contribui significativamente para a melhoria da qualidade de vida dos idosos nos aspectos físicos, psicológicos, fisiológicos, relações sociais e meio ambiente.

Referências

Camarano AA, Kanso S, Fernandes D. Envelhecimento populacional, perda da capacidade laborativa e políticas públicas brasileiras entre 1992 e 2011. Rio de Janeiro: IPEA; 2013.

Organização Pan-Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília, DF: OPAS; 2005.

Vilela AB, Carvalho PAL, Araújo RT. Envelhecimento bem sucedido: representação de idosos. Rev Saúde.com 2016;2(2):101-14.

Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso - Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Uchôa, EPBL. Idosos com osteoartrose e seus cuidadores familiares: um estudo sobre o perfil populacional e a qualidade de vida. [Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica]. Recife (PE): Universidade Católica de Pernambuco, 2016.

Mari FR, Alves GG, Aerts DRGC, Camara S. O processo de envelhecimento e a saúde: o que pensam as pessoas de meia-idade sobre o tema. Rev Bras Geriatr Gerontol 2016;19(1):35-44.

Meneguci J, Garcia CA, Sasaki JE, Virtuoso Júnior JS. Atividade física e comportamento sedentário: fatores comportamentais associados à saúde de idosos. Arq Cien Esp 2016;4(1):27-28.

World Health Organization. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): development and general psychometric properties. Soc Sci Med. 1998;46(12):1569–1585.

Santos AMM, Virtuoso Júnior JS. Fatores associados à baixa qualidade de vida em mulheres idosas residentes no município de Jequié – BA. Arq Cien Esp 2015;3(1):11-15.

Freitas VG, Melo CC, Leopoldino A, Boletini TL, Noce F. (2018). Influência do nível de atividade física e da mobilidade sobre o estresse emocional em idosos comunitários. Rev Psicol Deport. 2018; 27(Supl 1):75-81.

Ribeiro CG, Ferretti F, Sá CA. Qualidade de vida em função do nível de atividade física em idosos urbanos e rurais. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(3):330-339.

Garcia LP. Revisão sistemática da literatura e integridade na pesquisa. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(1):7–8.

Oliveira LC, Pivoto EA, Vianna PCP. Análise dos resultados de qualidade de vida em idosos praticantes de dança sênior através do SF-36. Acta Fisiatr. 2009;16(3):101–104.

Gouvêa JAG, Antunes MD, Bortolozzi F, Marques AG, Bertolini SMMG. Impact of senior dance on emotional and motor parameters and quality of life of the elderly. Rev Rene. 2017;18(1):51.

Silva GB, Buriti MA. Influência da dança no aspecto biopsicossocial do idoso. Rev Kairós. 2012;15(1):177–192.

Serrano-Guzmán M, Valenza-Peña CM, Serrano-Guzmán C, Aguilar-Ferrándiz E, Olmedo-Alguacil M, Villaverde-Gutiérrez C. Efectos de un programa de danzaterapia en la composición corporal y calidad de vida de mujeres mayores españolas con sobrepeso. Nutr Hosp. 2016;33(6):1330-1335.

Castro JC, Bastos FAC, Cruz THP, Giani TS, Ferreira MA, Dantas EHM. Níveis de qualidade de vida em idosas ativas praticantes de dança, musculação e meditação. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2009; 12(2):255-265.

Ervatti L, Borges GM, Jardim AP, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. p 156.

Power M, Quinn K, Schmidt S, WHOQOL-OLD Group. Development of the WHOQOL-Old Module. Qual Life Res. 2005;14(10):2197–214.

World Health Organization. WHOQOL – Annotated Bibliography. Department of Mental Health. WHO, 1998. p 1-39.

Silva AFG, Berbel AM. O benefício da dança sênior em relação ao equilíbrio e às atividades de vida diárias no idoso. ABCS Health Sci. 2015;40(1):16-21.

Benetti FA. A dança sênior como recurso terapêutico para idosos. ABCS Health Sci. 2015;40(1):4-5.

Venancio RCP, Carmo EG, Paula LV, Schwartz GM, Costa JLR. Efeitos da prática de dança sênior nos aspectos funcionais de adultos e idosos. Cad Bras Ter Ocup. 2018;26(3):668–79.

Silva RL, Santos CC, Prazeres LR. Dança sênior: uma alternativa para melhorar a qualidade de vida dos idosos. Rev Kines (St Maria, Online). 2018;36(2):73-82.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Genéve: WHO; 2010.

Gil PR, Streit IA, Contreira AR, Naman M, Mazo GZ. Hábitos de lazer e atividade física durante o curso de vida em idosos praticantes de dança. Rev Kairós. 2015;18(2):227–245.

Delabary MS, Komeroski IG, Schuch FB, Haas AN. Dança e flexibilidade: interferências na qualidade de vida de adultos. Rev Bras Qual Vida. 2016;8(1):16–27.

Varregoso I, Machado R, Barroso M. A dança como contributo para a qualidade de vida de idosos institucionalizados e não institucionalizados. Rev UIIPS. 2016;4(2):254-272.

Bennett CG, Hackney ME. Effects of line dancing on physical function and perceived limitation in older adults with self-reported mobility limitations. Disabil Rehabil. 2018;40(11):1259–65.

Rodrigues EV, Guimarães ATB, Gallo LH, Melo Filho J, Pintarelli VL, Gomes ARS. Supervised dance intervention based on video game choreography increases quadriceps cross sectional area and peak of torque in community dwelling older women. Motriz: Rev Educ Fis. 2018;24(2): e101868.

Machacova K, Vankova H, Volicer L, Veleta P, Holmerova1 I. Dance as prevention of late life functional decline among nursing home residents. J Appl Gerontol. 2015;36(12):1453-1470.

Melo CC, Costa VT, Boletini TL, Freitas VG, Costa IT, Arreguy AV, et al. A Influência do tempo de prática de dança de salão nos níveis de depressão de idosos. J Sport Psycol. 2017;27(4):67–73.

Marquez DX, Bustamante EE, Aguiñaga S, Hernandez R. BAILAMOS: development, pilot testing, and future directions of a latin dance program for older latinos. Health Educ Behav. 2014;42(5):604–610.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/3531/0

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.