A Influência da Ocupação Profissional na Flexibilidade Global e nas Amplitudes Angulares dos Membros Inferiores e da Lombar

Por: Adriana Sellmer, Aline Aiako Kimura, Bergson Weber Cabral Queiroz, Denise Pripas, Isabel de Camargo Neves Sacco, Isadora Kieling, Marcel Sera, Renan Malvestio e Sandra Aliberti.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.11 - n.1 - 2009

Send to Kindle


Resumo

O desenvolvimento tecnológico no ambiente de trabalho gerou um aumento no tempo em que os indivíduos permanecem sentados enquanto trabalham em escritórios. Isto pode estar influenciando negativamente capacidades físicas inatas como a flexibilidade da cadeia posterior do corpo, porém poucos são os estudos que avaliaram a influência do trabalho nesta capacidade física. Esta avaliação pode contribuir para intervenção precoce e paralela à atividade ocupacional, prevenindo disfunções musculoesqueléticas. O objetivo foi verificar se a atividade profissional determina alguma modificação na flexibilidade global da cadeia posterior na postura de flexão do tronco e analisar os segmentos corporais contribuidores desta modificação. Participaram do estudo 24 mulheres saudáveis e sedentárias, entre 18 e 55 anos, que trabalhavam em manutenção (n=13) e em escritório (n=11). Foram avaliados o teste do terceiro dedo ao solo (fita métrica) e os ângulos articulares tíbio-társico, do joelho, do quadril, da lombar e a técnica de Chaffin Modificada por meio da fotogrametria (software SAPo) na postura de flexão do tronco. Os grupos foram comparados por meio de teste t (=5%). Mulheres que trabalham em escritório mostraram maiores distâncias do terceiro dedo ao solo (p=0,0518) e técnica de Chaffin Modificada significativamente menor. (p=0,0134), enquanto os ângulos tíbio-tarsico e do quadril mostraram valores marginalmente maiores nestas mulheres (p=0,0609 e p= 0,0713, respectivamente). Mulheres que trabalham predominantemente na posição sentada apresentam menor flexibilidade global da cadeia posterior quando comparadas com as que realizam um trabalho que exige flexão cíclica do tronco. Sugere-se que os ângulos tíbio-tarsico e quadril, em conjunto, são os segmentos corporais que contribuem para esta menor flexibilidade.


 

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2009v11n1p51

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.