A Influência de Palmares e Parachute na Coordenação dos Nados

Por: Thiago Telles.

2012 25/01/2012

Send to Kindle


Resumo

A natação é uma modalidade esportiva que, ao longo dos anos, sofreu modificações, atingindo um alto nível de exigência, o que é refletido nas sessões de treinamentos e nas pesquisas sobre a modalidade. Sendo assim, para otimizar o deslocamento nos nadadores pode-se otimizar a força propulsora. Para isso, pode-se utilizar palmares e parachute. Os palmares tem como função promover o aumento artificial da área da mão, desta maneira, aumenta-se a área frontal da mão do sujeito em contato perpendicular com o fluxo d'água, aumentando a propulsão. O parachute atua no aumento do arrasto dos nadadores, assim, estes tem que reorganizar o recrutamento neuromotor para que possam superar esse aumento da resistência externa. Assim sendo, durante o uso dos palmares existe diminuição da frequência e aumento do comprimento de braçadas enquanto com parachute ocorre o oposto, em ambas as variáveis. Contudo, pouco se sabe sobre o comportamento das variáveis coordenativas no uso destes implementos, desta forma, este estudo tem por objetivo verificar a influência de palmares e parachute na coordenação dos nados borboleta e crawl. Participaram do estudo 21 nadadores de nível estadual, estes eram especialistas em nado borboleta e crawl, com experiência no treinamento com palmares e parachute. O protocolo foi composto por 4 tiros de 25 metros: nado sem equipamentos, com palmares, com parachute e com palmares mais parachute. Todos os nadadores foram filmados (60 quadros por segundo e shutter speed de 1/1000) por um trolley que se deslocava paralelamente aos nadadores. Foram mensuradas velocidade média, frequência e comprimento de braçadas, fases de braçada, fases das pernadas, índice de coordenação específico do nado. Os principais resultados apontam que a velocidade de nado de acordo com o tipo de sobrecarga, diminuição com sobrecarga resistiva e mista enquanto aumento na propulsiva. A frequência de braçadas diminuiu com todos os implementos enquanto o comprimento aumentou apenas na condição com utilização de palmares. Nenhuma fase da braçada e da pernada foi modificada em nenhum dos nados. O índice de coordenação no nado borboleta sofreu grandes modificações, de acordo com a condição experimental enquanto para o nado crawl a sobrecarga parece diminuir os intervalos não propulsivos. Concluiu-se que o uso dos implementos deve estar programado tanto na sessão de treino quanto ao longo da temporada, visto que mais estudos são necessários para mapeamento dos efeitos da utilização longitudinal. 

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000849381&opt=1

Ver Arquivo (PDF)

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.