A Ingestão de Cafeína Não Melhora o Desempenho de Atletas de Judô

Por: Ademar Avelar, Alexandre Queiroz Sergantin, , Juliana Melo Altimari, Leandro Ricardo Altimari, Lucas Adriano Pereira e Michele Caroline da Costa Trindade.

Motriz - v.16 - n.3 - 2010

Send to Kindle


Resumo


O objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos ergogênicos da ingestão de cafeína, sobre o desempenho motor de atletas de judô feminino. Participaram do estudo 13 atletas do sexo feminino (17,6 ± 1,6 anos, 58,3 ± 11,4 kg, 162 ± 4,1 cm, 22,5 ± 4 kg/m2), vinculadas à Federação Paranaense de Judô, por pelo menos dois anos. O desempenho motor foi avaliado mediante a utilização do Special Judô Fitness Test (SJFT), a partir do qual foi analisado o número de arremessos em cada bloco, número total de arremessos, frequência cardíaca (FC) final e de recuperação e o índice no SJFT. Os sujeitos foram testados em duas condições, após ingestão de cafeína (6 mg.kg-1) ou placebo (dextrose) 60 minutos antes dos testes, em um delineamento duplo-cego, cruzado. O número de arremessos em cada bloco não diferiu entre as condições cafeína (CAF) e placebo (PL) (Bloco A: 4,53 ± 0,51 CAF e 4,46 ± 0,51 PL; Bloco B: 8,3 ± 0,63 CAF e 8,23 ± 0,72 PL; Bloco C: 7,23 ± 0,59 CAF e 7,46 ± 0,77 PL), bem como o número total de arremessos (20,07 ± 1,18 CAF e 20,15 ± 1,67 PL), FC (Final: 190,3 ± 9,63 bpm CAF e 190,69 ± 9,19 bpm PL; Recuperação: 162,07 ± 13,78 bpm CAF e 164,3 ± 9,64 bpm PL) e índice no SJFT (17,59 ± 1,4 CAF e 17,75 ± 1,98 PL). A ingestão de cafeína não melhorou o desempenho durante atividade de alta intensidade e curta duração em lutadores de judô.
 

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/1980-6574.2010v16n3p714

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.