A Maratona de Satirius Luiz

Por: Arisson de Souza Ferraz.

Revista da Apef – São Paulo - v.1 - n.1 - 1953

Send to Kindle


Resumo

Milcíades derrotara, espetacularmente, em 490 A.C., a avalanche persa que ameaçava, diretamente, Atenas. A grande mola oriental, ás ordens de Datis e Artafernes, encontrou o seu Waterloo na planície de Matarona, diante de um inimigo muitas vezes inferior em número, mas inflamado por uma causa sagrada e comandado por um grande Capitão. Terminada a peleja com a vitória total das armas gregas, Milcíades escolhe um dos seus bravos, o valoroso voluntário Feidípedes, para ir á Atenas, sem perda de tempo, transmitir a bôa nova do triunfo. Feidípedes parte imediatamente. Corre com os seus pés ágeis. 42.700 metros, a distância que separava a planície de Maratona de Atenas. Chega á cidade de Solon e é informado que toda a população está em prece, suplicando a vitória, no templo da deusa protetora. Corre aos jardins do Partenon. Encontra a multidão em dolorosa espectativa. Dirige-se, naturalmente, a um anlictião ou a uma agoráia e declara: "Vencemos". Dá alguns passos e cae desfalecido. Todos correm a socorrê-lo. Era tarde, porém. O herói morrera. 

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.