A Mídia Esportiva e o Futebol de Mulheres no Brasil: o Que Noticiam Sobre Elas?

Por: Tayane Mockdece Rihan.

2016 22/08/2016

Send to Kindle


Resumo

Esta dissertação busca compreender como são veiculadas as notícias das mulheres futebolistas no ciberespaço, mais especificamente, no webjornalismo (Globoesporte.com). Visa também descrever as maneiras pelas quais o público leitor interpreta os discursos midiáticos e interage entre si e com as reportagens sobre as mulheres no futebol. Partimos de uma perspectiva teórica metodológica pós-estruturalista, presumimos que os discursos midiáticos são construídos de maneira atender interesses generificados na veiculação das notícias de homens e mulheres no futebol. Para atender a esses objetivos utilizamos a etnografia virtual. O período de coleta dos dados ficou compreendido entre Abril e Junho de 2015, na medida em que abarcou importantes campeonatos de mulheres com visibilidade nacional e internacional, como o Campeonato Paulista, os Jogos Pan-Americanos e a Copa do Mundo FIFA. As reportagens publicadas no site Globoesporte.com sobre as mulheres no futebol e selecionadas pelo estudo foram trinta e quatro e os comentários totalizaram seiscentos e doze. O material empírico foi analisado a partir de três temáticas, a saber: Feminilidades em jogo: imagens e discursos (midiáticos) no futebol de mulheres; Impedimentos de gênero: quando será a vez delas? e “Desenvolvimento do futebol feminino”: agendas para as mulheres. Essas temáticas foram atravessadas pela Interpelação. De maneira geral, verificamos que os discursos midiáticos e a maioria dos comentários são performativos, ou seja, são construídos e constituídos socialmente através de atos reiterados na cultura. Essa repetição estabelece normas cristalizadas sobre corpo, sexualidade, feminilidade e identidade de gênero para as jogadoras de futebol presentes nas reportagens, valorizando a beleza física das atletas quando essas atendem determinados traços corporais. Também reforçam a hierarquia de gênero, através da valorização de títulos conquistados por técnicos homens, e opiniões de “especialistas” que mantém o status quo no qual as mulheres ocupam lugares inferiores aos homens, tanto no que concerne às habilidades para o jogo quanto para a ocupação de cargos de gestão esportiva. Apesar de destacar em seu discurso as agendas e projetos a curto prazo que visam o desenvolvimento do futebol de mulheres no Brasil, percebemos que o próprio globoesporte.com traz as notícias delineadas de pré julgamentos e preconceitos e que muitas vezes não fazem jus às conquistas das atletas, invisibilizando e enviesando informações acerca do futebol praticado por mulheres. Também em alguns momentos o Globoesporte.com “erra o alvo”, deixando de corresponder às expectativas dos/as leitores/as, que cobram por mais informações acerca do futebol de mulheres. Concluímos que a desconstrução acerca das mulheres no futebol deve ser feita através das mídias paralelas, bem como através das redes sociais, que se constituem na atualidade importantes ferramentas de disseminação de informações e através das quais, usuários e usuárias possuem mais liberdade de comunicação e expressão. Além disso, pesquisadoras e pesquisadores devem se mobilizar para além do ambiente acadêmico, buscando debater suas pesquisas com a sociedade, sensibilizando um maior número de pessoas à sua volta.

Endereço: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/3126

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.