A Participação em Esporte na Infância e o Nível de Atividade Física na Adolescência

Por: Raymundo Pires Júnior.

2015 31/08/2015

Send to Kindle


Resumo

Atualmente as pesquisas tem se preocupado em promover atitudes que afastem os indivíduos das doenças crônicas não transmissíveis, mediante níveis mais elevados de atividade física, dado o grande número de ocorrências dessas doenças e em todas as idades. Hábitos adquiridos em idades precoces podem favorecer positiva ou negativamente esse quadro. O esporte, patrimônio cultural da humanidade, tem sido utilizado nas políticas públicas no enfrentamento de hábitos sedentários em idades jovens. Entretanto, sabe-se que o nível de abandono dessa prática entre a infância e adolescência é considerável. A identificação de fatores que possam contribuir para maior participação é fator preponderante nas ações que promovam níveis satisfatórios de atividade física. Desse modo, o objetivo do presente estudo foi analisar a influência ao longo do tempo na participação em esporte na infância e o nível de atividade física na adolescência. Para tanto, 587 adolescentes do 3º ano do Ensino Médio da rede pública de Londrina, Paraná, fizeram parte da amostra. O teste Qui-quadrado e a Regressão de Poisson foram utilizados para análise das associações entre a participação no esporte na infância, com níveis suficientes de atividade física, IMC e percepção de saúde na adolescência. Verificou-se através dos resultados que jovens que participaram de esporte na infância, tiveram maior prevalência de prática de atividade física que seus pares sem prática de esporte na juventude (RP 1,48 [C95%=1,11-1,97]). Associação positiva ocorreu também no IMC, mostrando que adolescentes que estiveram envolvidos com a prática esportiva na infância, apresentam RP 1,19 (IC95%=1,05-1,35) maior de terem peso normal ou baixo peso. O nível de atividade física na adolescência foi associado com a percepção de saúde boa ou ótima (RP=1,78; IC95%=1,19-2,70) e com o gênero masculino (RP=1,84; IC95%=1,33-2,54). Já as moças apresentaram a RP de 0,80 (IC95%=0,70-0,91) no IMC, uma vez que a proporção de eutróficas ou com baixo peso foi maior que entre o gênero masculino. Por outro lado, a RP 1,17 (IC95%=1,06-1-30) maior na percepção de saúde boa ou ótima foi a favor dos rapazes. E ainda, os jovens eutróficos ou com baixo peso, apresentaram RP 1,12 (IC95%=1,01-1,24) maior na percepção de saúde boa ou ótima. Esta mesma percepção de saúde tem RP 1,18 (IC95%=1,08-1,30) superior entre os estudantes que atingem a recomendação de atividade física na adolescência. Conclui-se desse modo que a participação em esporte na infância promoveu níveis satisfatórios de atividade física na adolescência, assim como melhores indicadores de peso corporal na amostra analisada.

Endereço: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000201783

Comentários


:-)





© 1996-2017 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.