A Percepção Sobre Relações de Gênero em Alunos de 3° e 4° Séries a Partir de Gravuras Contidas em Livros Didáticos

Por: Flávia Barbosa da Silva Dutra.

112 páginas. 2003

Send to Kindle


Resumo

A criança aprende através do convívio com outras pessoas. Esse convívio influencia na construção do corpo masculino e feminino e conseqüentemente nas relações de gênero. Desta forma, o tomar-se homem e o tornar-se mulher se fazem num processo continuado, dinâmico, portanto, não dado e acabado no momento do nascimento, mas construído através de práticas masculinizantes e feminizantes, segundo as concepções de cada sociedade. Assim, o comportamento e o discurso de crianças e adultos refletirão esses aspectos. Pensando nas relações de gênero e nos livros didáticos das crianças o presente estudo foi elaborado com o objetivo geral de analisar o discurso dos alunos de 38 e 48 séries matriculados em duas escolas na Baixada Fluminense, acerca das relações de gênero a partir de gravuras contidas em seus livros didáticos. Os objetivos específicos tiveram o propósito de identificar a percepção dos alunos de 3& e 48 séries em relação à discriminação de sexo para as atividades físicas de acordo com as gravuras contidas nos livros didáticos; e identificar conceitos e valores embutidos nas respostas dos alunos investigados diante das relações de gênero contidas nas gravuras que contemplam a família, a escola e a sociedade. A pergunta que norteou a pesquisa foi: qual a percepção sobre relações de gênero em alunos de 38 e 48 séries de duas escolas a partir de gravuras contidas em livros didáticos? A metodologia foi de natureza qualitativa, com dimensão interpretativa de Homem. A amostra foi composta de 20 crianças de ambos os sexos, freqüentando regularmente o ensino fundamental do Colégio Santa Maria e do Instituto de Educação, ambos localizados em São João de Meriti - Baixada Fluminense - RJ. O instrumento foi uma entrevista contendo questões e gravuras referentes ao objetivo proposto e cujas respostas reportaram se à Análise do Discurso. Os resultados apontaram que no entender das crianças os esportes e as brincadeiras podem ter a participação de meninos e meninas, mas elas afirmam que existem brincadeiras próprias a cada um dos sexos, como casinha e futebol, por exemplo. Os respondentes, ao mesmo tempo que aceitam a prática destas atividades por ambos os sexos, fazem restrições a alguma delas por medo ou vergonha de sofrer preconceitos. Quanto à ajuda nas tarefas do lar foi possível constatar que, na opinião dos investigados, todos devem ajudar a mãe, a maior responsável pelo lar, e quanto a esta ajuda, para as crianças são destinadas atividades simples e aos pais, atividades de força. Em relação ao desempenho das profissões segundo o sexo, o discurso nos esclareceu que homens e mulheres podem trabalhar fora, mas existem profissões mais adequadas às mulheres, como professora, secretária e babá, entre outras. Para os homens as profissões que se ajustaram mais, por exigir cuidado e força, foram as de segurança e pedreiro. Os resultados permitem inferir que a família, a escola e a sociedade, são de fundamental importância na construção sociocultural de cada ser, predeterminando o que é próprio ou adequado a um sexo ou outro.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=2279&listaDetalhes%5B%5D=2279&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.