A Preguiça Como Explicação da Inatividade Física: Comentários e Reflexões Sobre Discrepâncias Entre as Evidências Científicas e o Discurso Jornalístico

Por: e Paulo Henrique Guerra.

Cadernos de Saúde Pública - v.34 - n.12 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Este ensaio busca apresentar elementos para a reflexão sobre discrepâncias entre as evidências científicas produzidas a respeito dos fatores associados e determinantes da inatividade física e as informações que são passadas pela mídia a respeito desse assunto, mais especificamente em um caso em que a “preguiça” foi utilizada como fator “explicativo” para os elevados níveis de inatividade física na população brasileira. Utilizamos, como exemplos, um artigo científico publicado na Nature e duas reportagens veiculadas em canais de comunicação brasileiros de grande alcance (revista Veja e jornal O Globo), que o repercutiram. Foram observadas importantes incoerências entre o conteúdo do artigo da Nature e os títulos das reportagens analisadas, de forma que essas simplificaram um problema real e complexo (os altos níveis de inatividade física no Brasil), dando a entender que a “preguiça” seria o motivo para o Brasil estar mal posicionado em um ranking internacional de prática de atividade física. Destacamos a necessidade de os meios de comunicação em massa buscarem uma melhor contextualização das informações que repercutem, pois, quando isso não ocorre, o impacto pode ser mais negativo do que positivo, principalmente quando constroem ou reforçam concepções equivocadas. No caso da inatividade física, isto é potencialmente grave no sentido de que pode legitimar a falta de investimentos em ações voltadas ao seu enfrentamento, pois, uma vez que a inatividade física passa a ser interpretada como uma mera questão de “preguiça”, perde-se boa parte do sentido de se investir na modificação de diversos determinantes desse problema de saúde pública. 

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.