A Prevalência de Atividade Física Global Entre Jovens: Uma Revisão Sistemática do Boletim Brasil 2018

Por: Bruno Nunes de Oliveira, Camila Brasileiro de Araújo Silva, Kelly Samara da Silva, Margarete Thais Garro Knebel, Rafael Martins da Costa, e Valter Cordeiro Barbosa Filho.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.20 - n.4 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi resumir dados sobre a prevalência de atividade física global (AF) em crianças e adolescentes no Brasil. Esta revisão sistemática incluiu uma busca eletrônica em 8 bases de dados (PubMed, Scopus, Web of Science, LILACS, SPORTDiscus, BIREME, Scielo e Google Scholar) e uma busca manual nas referências de estudos recuperados. Estudos observacionais que avaliaram a PA global entre crianças e adolescentes brasileiros foram incluídos. Uma abordagem narrativa em relação aos resultados foi adotada. Uma pesquisa de banco de dados inicial atingiu 3276 títulos potencialmente relevantes (2534 títulos após análise duplicada); 92 (62 estudos diferentes) preencheram todos os critérios de inclusão. Os estudos foram realizados entre 2001 e 2015; a maioria dos estudos foi realizada no sul e nordeste do Brasil. Três foram pesquisas nacionais (4,8%), mas nenhum estudo incluiu crianças de 0 a 5 anos. Dezoito instrumentos diferentes para medida de PA foram utilizados; apenas dois estudos usaram PA medida objetivamente. A definição mais utilizada foi ≥ 300 minutos / semana de AF moderada a vigorosa. A proporção geral de jovens que eram fisicamente ativos variou de 6,5% a 92,3%. Quatorze estudos (22,6%) encontraram uma prevalência de ≥ 50%. Três pesquisas nacionais relataram a prevalência de estudantes fisicamente ativos variando de 29,0% a 66,0%. Uma ampla variabilidade de estimativas de PA foi encontrada. Lacunas importantes de pesquisa (por exemplo, estudos com PA medida objetivamente, crianças de até 6 anos de idade e no norte do Brasil) devem ser consideradas para o desenvolvimento de novas pesquisas no Brasil. A definição mais utilizada foi ≥ 300 minutos / semana de AF moderada a vigorosa. A proporção geral de jovens que eram fisicamente ativos variou de 6,5% a 92,3%. Quatorze estudos (22,6%) encontraram uma prevalência de ≥ 50%. Três pesquisas nacionais relataram a prevalência de estudantes fisicamente ativos variando de 29,0% a 66,0%. Uma ampla variabilidade de estimativas de PA foi encontrada. Lacunas importantes de pesquisa (por exemplo, estudos com PA medida objetivamente, crianças de até 6 anos de idade e no norte do Brasil) devem ser consideradas para o desenvolvimento de novas pesquisas no Brasil. A definição mais utilizada foi ≥ 300 minutos / semana de AF moderada a vigorosa. A proporção geral de jovens que eram fisicamente ativos variou de 6,5% a 92,3%. Quatorze estudos (22,6%) encontraram uma prevalência de ≥ 50%. Três pesquisas nacionais relataram a prevalência de estudantes fisicamente ativos variando de 29,0% a 66,0%. Uma ampla variabilidade de estimativas de PA foi encontrada. Lacunas importantes de pesquisa (por exemplo, estudos com PA medida objetivamente, crianças de até 6 anos de idade e no norte do Brasil) devem ser consideradas para o desenvolvimento de novas pesquisas no Brasil. Três pesquisas nacionais relataram a prevalência de estudantes fisicamente ativos variando de 29,0% a 66,0%. Uma ampla variabilidade de estimativas de PA foi encontrada. Lacunas importantes de pesquisa (por exemplo, estudos com PA medida objetivamente, crianças de até 6 anos de idade e no norte do Brasil) devem ser consideradas para o desenvolvimento de novas pesquisas no Brasil. Três pesquisas nacionais relataram a prevalência de estudantes fisicamente ativos variando de 29,0% a 66,0%. Uma ampla variabilidade de estimativas de PA foi encontrada. Lacunas importantes de pesquisa (por exemplo, estudos com PA medida objetivamente, crianças de até 6 anos de idade e no norte do Brasil) devem ser consideradas para o desenvolvimento de novas pesquisas no Brasil.REFERENCES 1. Committee 2018 Physical Activity Guidelines Advisory. 2018 Physical Activity Guidelines Advisory Committee Scientific Report. 2018. 779 p. 2. Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U, et al. Global physical activity levels: Surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet 2012;380(9838):247–57. 3. Malta DC, Andreazzi MAR, Oliveira-Campos M, Andrade SSCA, Sá NNB, Moura L, et al. Trend of the risk and protective factors of chronic diseases in adolescents, National Adolescent School-based Health Survey (PeNSE 2009 e 2012). Rev Bras Epidemiol 2014;17(suppl 1):77–91. 4. The Active Healthy Kids Global Alliance. The Global Matrix 3.0 on Physical Activity for Children and Youth. 2018. Available from: https://www.activehealthykids. org/. Accessed in: 01 May, 2018. 5. Nardo Júnior N, Silva DAS, Ferrari GLM, Petroski EL, Pacheco RL, Martins PC, et al. Results From Brazil’s 2016 Report Card on Physical Activity for Children and Youth. J Phys Act Health 2016;13(Suppl 2r):104–9. 6. Caspersen CJ, Powell KE, Christenson GM. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health-related research. P The Report Card of Brazil 2018: global physical activity Barbosa et al. 382 8. Silva KS, Nahas MV, Hoefelmann LP, Lopes AS, Oliveira ES. Associações entre atividade física, índice de massa corporal e comportamentos sedentários em adolescentes. Rev Bras Epidemiol 2008;11(1):159–68. 9. Silva K, Nahas M, Peres K, Lopes A. Fatores associados à atividade física, comportamento sedentário e participação na Educação Física em estudantes do Ensino Médio em Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública 2009;25(10):2187–200. 10. Loch M. Indicadores de saúde e do estilo de vida de adolescentes escolares residentes em municípios grandes , médios e pequenos de Santa Catarina, Brasil. Rev Bras Ciência Mov 2007;15(3):7–14. 11. Farias Júnior JC, Nahas MV, Barros MVG, Loch MR, Oliveira ES, De Bem MFL, et al. Comportamentos de risco à saúde em adolescentes no Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Rev Panam Salud Pública 2009;25(4):344–52. 12. Rivera IR, da Silva MAM, Silva RTA, Oliveira BAV, Carvalho ACC. Physical inactivity, TV-watching hours and body composition in children and adolescents. Arq Bras Cardio. 2010;95(2):159–65. 13. Silva M, Rivera I, Ferraz M, Pinheiro A, Alves S. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em crianças e adolescentes da rede de ensino da cidade de Maceió. Arq Bras Cardiol 2005;84(5):387–92. 14. Farias Júnior JC. Prevalência e fatores de influência para inatividade física em adolescentes. Rev Bras Ciênc Mov 2006;14(2):57–64. 15. Silva LCB, Tassitano RM, Medeiros HJ, Knackfuss MI, Cunha Júnior AT. Excesso de peso e fatores comportamentais. Motri 2016;12(Suppl. 2):112–23. 16. Bergmann GG, Bergmann MLA, Marques AC, Hallal PC. Prevalence of physical inactivity and associated factors among adolescents from public schools in Uruguaiana, Rio Grande do Sul State, Brazil. Cad Saúde Pública 2013;29(11):2217–29. 17. Pereira TA, Bergmann MLA, Bergmann GG. Fatores associados à baixa aptidão física de adolescentes. Rev Bras Med Esporte 2016;22(3):176–81. 18. Silva RJS, Silva DAS, Oliveira AC. Low physical activity levels and associated factors in Brazilian adolescents from public high schools. J Phys Act Health 2014;11(7):1438–45. 19. Leão AS, Moura Soares NM, Gonçalves ECDA, Silva DAS, Silva RJS, Thomazzi SM. Simultaneous health risk behaviors in adolescents associated with higher economic class in the Northeast of Brazil. Sci World J 2017;2017:1–7. 20. Dumith SC, Santos MN, Teixeira LO, Cazeiro CC, Mazza SEI, Cesar JA. Prática de atividade física entre jovens em município do semiárido no Brasil. Cien Saude Colet 2016;21(4):1083–93. 21. Menezes AS, Duarte MFS. Condições de vida, inatividade física e conduta sedentária de jovens nas áreas urbana e rural. Rev Bras Med Esporte 2015;21(5):338–44. 22. Nascente FMN, Jardim TV, Peixoto MRG, Carneiro CS, Mendonça KL, Póvoa TIR, et al. Sedentary lifestyle and its associated factors among adolescents from public and private schools of a Brazilian state capital. BMC Public Health 2016;16:1177. 23. Quadros TMB, Gordia AP, Silva LR, Silva DAS, Mota J. Inquérito epidemiológico em escolares: determinantes e prevalência de fatores de risco cardiovascular. Cad Saude Publica 2016;32(2): e00181514. 24. Raizel R, Silva VG, Godois AM, Martínez Espinosa M, Dreyer Machado A, Júnior Henrique Duarte S, et al. Comportamentos de risco à saúde de adolescentes e atividades educativas da Estratégia Saúde da Família em Cuiabá, Mato Grosso, 2011. Epidemiol Serv Saúde 2016;25(2): 291-9. 25. Regis MF, Oliveira LMFT, Santos ARM, Leonidio ACR, Diniz PRB, Freitas CMSM. Urban versus rural lifestyle in adolescents: associations between environment, physical activity levels and sedentary behavior. Einstein 2016;14(4):461–7. 26. Cureau FV, Duarte P, Santos DL, Reichert FF. Clustering of risk factors for noncommunicable diseases in Brazilian adolescents: Prevalence and correlates. J Phys Act Health 2014;11(5):942–9. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2018, 20(4):367-387 383 27. Silva KS, Barbosa Filho VC, Del Duca GF, Peres MAA, Mota J, Lopes AS, Nahas MV. Gender differences in the clustering patterns of risk behaviours associated with non-communicable diseases in Brazilian adolescents. Prev Med 2014;65(8):77–81 28. Silva DAS, Silva RJS. Association between physical activity level and consumption of fruit and vegetables among adolescents in northeast Brazil. Rev Paul Pediatr 2015;33(2):167–73. 29. Silva FMA, Smith-Menezes A, Duarte MFS. Consumo de frutas e vegetais associado a outros comportamentos de risco em adolescentes no Nordeste do Brasil. Rev Paul Pediatr 2016;34(3):309–15. 30. Silva DAS, Tremblay MS, Gonçalves ECDA, Silva RJDS. Television time among Brazilian adolescents: Correlated factors are different between boys and girls. Sci World J 2014;2014:794539. 31. Santos SJ, Hardman CM, Barros SSH, Barros MVG. Association between physical activity, participation in Physical Education classes, and social isolation in adolescents. J Pediatr 2015;91(6):543–50. 32. Malta DC, Stopa SR, Santos MAS, Andrade SSCA, Oliveira MM, Prado RR, et al. Fatores de risco e proteção de doenças e agravos não transmissíveis em adolescentes segundo raça/cor: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar. Rev Bras Epidemiol 2017;20(2):247–59. 33. Rezende LFM, Azeredo CM, Canella DS, Claro RM, Castro IRR, Bertazzi LR, et al. Sociodemographic and behavioral factors associated with physical activity in Brazilian adolescents. Rev Paul Pediatr 2014;32(3):241–6. 34. Silva DAS. Relationship between Brazilian adolescents’ physical activity and social and economic indicators of the cities where they live. Percept Mot Skills 2015;120(2):355–66. 35. Santos A, Andaki ACR, Amorim PRS, Mendes EL. Fatores associados ao comportamento sedentário em escolares de 9-12 anos de idade. Motriz: J Phys Ed 2013;19(Suppl. 3):25–34. 36. Ceschini FL, Andrade EL, Figueira Júnior A. Physical activity and associated factors among students attending evening classes. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2015;17(2):205–15. 37. Guilherme FR, Molena-Fernandes CA, Guilherme VR, Fávero MTM, Reis EJB, Rinaldi W. Inatividade física e medidas antropométricas em escolares de Parnavaí, Paraná, Brasil. Rev Paul Pediatr 2015;33(1):50–5. 38. Vieira CENK, Enders BC, Coura AS, Lira ALBC, Medeiros CCM, Mariz LC. Nursing diagnosis of overweight and related factors in adolescents. Investig Educ Enfermería 2015;33(3):509–18. 39. Nascimento-Ferreira MV, Moraes ACF, Rendo-Urteaga T, Oliveira Forkert EC, Collese TS, Cucato GG, et al. Cross-sectional, school-based study of 14–19 year olds showed that raised blood pressure was associated with obesity and abdominal obesity. Acta Paediatr 2017;106(3):489–96. 40. Alves Junior CAS, Gonçalves ECA, Silva DAS. Obesity in adolescents in Southern Brazil: association with sociodemographic factors, lifestyle and maturational stage. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2016;18(5):557–66. 41. Lima TR, Silva DAS. Prevalence of physical activity among adolescents in southern Brazil. J Body Mov Ther 2018;22(1):57–63. 42. Martins PC, Lima TR, Silva DAS. Association between different contexts of physical activity and abdominal obesity and excess weight in adolescents. Motriz: J Phys Ed 2018;23(Suppl.2):1017104. 43. Nunes HEG, Gonçalves ECDA, Vieira JAJ, Silva DAS. Clustering of risk factors for non-communicable diseases among adolescents from southern Brazil. PLoS One 2016;11(7):0159037. 44. Arruda ELM, Lopes A. Gordura corporal, nível de atividade física e hábitos alimentares de adolescentes da região serrana de Santa Catarina, Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2007;9(1):5–11. The Report Card of Brazil 2018: global physical activity Barbosa et al. 384 45. Beck CC, Lopes AS, Giuliano ICB, Borgatto AF. Fatores de risco cardiovascular em adolescentes de município do sul do Brasil: prevalência e associações com variáveis sociodemográficas. Rev Bras Epidemiol 2011;14(1):36–49. 46. Campos W, Stabelini Neto A, Bozza R, Ulbrich AZ, Bertin RL, Mascarenhas LPG, et al. Atividade física, consumo de lipídios e fatores de risco para aterosclerose em adolescentes. Arq Bras Cardiol 2010;94(5):601–7. 47. Dambros DD, Lopes LFD, Santos DL. Barreiras percebidas e hábitos de atividade física de adolescentes escolares de uma cidade do sul do brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2011;13(6):422–8. 48. Souza RP. Os beneficios da prática de atividade física e os riscos do sedentarismo em: crianças e adolescentes, no adulto e no idoso. Cinergis 2010;11(1):52–9. 49. Fermino RC, Rech CR, Hino AAF, Rodriguez Añez CR, Reis RS, RodriguezAñez CR, et al. Atividade física e fatores associados em adolescentes do ensino médio de Curitiba, Brasil. Rev Saúde Pública 2010;44(6):986–95. 50. Lima AV, Fermino RC, Oliveira MP, Rodriguez Añez CR, Reis RS. Distância percebida até as instalações de lazer e sua associação com a prática de atividade física e de exercícios em adolescentes de Curitiba, Paraná, Brasil. Cad Saude Publica 2013;29(8):1507–21. 51. Santos MS, Hino AAF, Reis R, Rodriguez-Añez C. Prevalência de barreiras para a prática de atividade física em adolescentes. Rev Bras Epidemiol 2010;13(1):94–104. 52. Souza CA, Rech CR, Sarabia TT, Añez CRR, Reis RS. Autoeficácia e atividade física em adolescentes de Curitiba, Paraná, Brasil. Cad Saude Publica 2013;29(10):2039–48. 53. Prado CV, Lima AV, Fermino RC, Añez CRR, Reis RS. Apoio social e prática de atividade física em adolescentes da rede pública de ensino: qual a importância da família e dos amigos? Cad Saude Publica 2014;30(4):827–38. 54. Reis RS, Hino AAF, Florindo AA, Anez CRR, Domingues MR. Association between physical activity in parks and perceived environment: a study with adolescents. J Phys Act Health 2009;6(4):503–9. 55. Romanzini M, Reichert FF, Lopes AS, Petroski EL, Farias Júnior JC. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em adolescentes. Cad Saúde Pública 2008;24(11):2573–81. 56. Legnani E, Legnani RFS, Barbosa Filho VC, Gasparotto GS, Campos W, Lopes AS. Fatores de risco à saúde cardiovascular em escolaresda Tríplice Fronteira. Motriz: J Phys Ed 2011;17(4):640–9. 57. Leites GT, Bastos GAN, Bastos JP. Prevalence of insufficient physical activity in adolescents in South Brazil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2013;15(3):286–95. 58. Moraes ACF, Falcão MC. Lifestyle factors and socioeconomic variables associated with abdominal obesity in Brazilian adolescents. Ann Hum Biol 2013;40(1):1–8. 59. Moraes ACF, Fernandes CAM, Elias RGM, Nakashima ATA, Reichert FF, Falcão MC. Prevalência de inatividade física e fatores associados em adolescentes. Rev Assoc Med Bras 2009;55(5):523–8. 60. Pelegrini A, Petroski EL. Inatividade física e sua associação com estado nutricional, insatisfação com a imagem corporal e comportamentos sedentários em adolescentes de escolas públicas. Rev Paul Pediatr 2009;27(4):366–73. 61. Reichert FF, Menezes AMB, Hallal PC, Ekelund U, Wells JCK. Objectively measured physical activity and body composition indices in Brazilian adolescents. Rev Bras Ativ Fis Saude 2012;17(6):573–84. 62. Suñé FR, Dias-da-Costa JS, Olinto MTA, Pattussi MP. Prevalência e fatores associados para sobrepeso e obesidade em escolares de uma cidade no Sul do Brasil. Cad Saude Publica 2007;23(6):1361–71. 63. Bastos JP, Araújo CLP, Hallal PC. Prevalence of insufficient physical activity and associated factors in Brazilian adolescents. J Phys Act Health 2008;5(6):777–94. 64. Silva DAS, Lima LRA, Dellagrana RA, Bacil EDA, Rech CR. Pressão arterial elevada em adolescentes: prevalência e fatores associados. Cien Saude Colet 2013;18(11):3391–400. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2018, 20(4):367-387 385 65. Silva DAS, Tremblay MS, Pelegrini A, Silva JMFL, Petroski EL. Low aerobic fitness in Brazilian adolescents. Rev Bras Med Esporte 2015;21(2):94–8. 66. Barros MVG, Ritti-Dias RM, Barros SSH, Mota J, Andersen LB. Does selfreported physical activity associate with high blood pressure in adolescents when adiposity is adjusted for? J Sports Sci 2013;31(4):387–95. 67. Cavalcanti CBS, Barros MVG, Menêses AL, Santos CM, Azevedo AMP, Gui - marães FJSP. Obesidade Abdominal em Adolescentes: Prevalência e Associação com Atividade Física e Hábitos Alimentares. Arq Bras Cardiol 2010;94(3):371–7. 68. Tenório MCM, Barros MVG, Tassitano RM, Bezerra J, Tenório JM, Hallal PC. Atividade física e comportamento sedentário em adolescentes estudantes do ensino médio. Rev Bras Epidemiol 2010;13(1):105–17. 69. Farias Júnior JC, Lopes AS, Mota J, Hallal PC. Prática de atividade física e fatores associados em adolescentes no Nordeste do Brasil. Rev Saude Publica 2012;46(3):505–15. 70. Farias Junior JC, Reis RS, Hallal PC. Physical activity, psychosocial and perceived environmental factors in adolescents from Northeast Brazil. Cad Saúde Pública 2014;30(5):941–51. 71. De Lucena JMS, Cheng LA, Cavalcante TLM, Silva VA, Farias Júnior JC. Prevalence of excessive screen time and associated factors in adolescents. Rev Paul Pediatr 2015;33(4):407–14. 72. Mendonça G, Farias Júnior JC. Physical activity and social support in ado - lescents: analysis of different types and sources of social support. J Sports Sci 2015;33(18):1942–51. 73. Farias Júnior JC, Barbosa AO, Mendes JKF, Mendonça G. Prevalence of sufficient levels of physical activity in adolescents: comparison between the measure obtained using simplified and detailed questionnaires. Rev Bras Cineantropom Hum 2016;18(4):450–9. 74. Petribú MMV, Tassitano RM, Nascimento WMF, Santos EMC, Cabral PC. Fatores associados ao sobrepeso e à obesidade em estudantes do ensino mé - dio da rede pública estadual do município de Caruaru (PE). Rev Paul Pediatr 2011;29(4):536–45. 75. Tassitano RM, Dumith SC, Chica DAG, Tenório MCM. Agregamento dos quatro principais comportamentos de risco às doenças não transmissíveis entre adolescentes. Rev Bras Epidemiol 2014; 17(2):465–78. 76. Souza CO, Silva RCR, Assis AMO, Fiaccone RL, Pinto EDJ, Moraes LTLP. Associação entre inatividade física e excesso de peso em adolescentes de Salvador, Bahia-Brasil. Rev Bras Epidemiol 2010;13(3):468–75. 77. Carvalho RBN, Nobre RS, Guimarães MR, Teixeira SEXM, Silva ARV. Fatores de risco associados ao desenvolvimento da síndrome metabólica em crianças e adolescentes. Acta Paul Enferm 2016;29(4):439–45. 78. Farias Júnior JC. Associação entre prevalência de inatividade física e indica - dores de condição socioeconômica em adolescentes. Rev Bras Med Esporte 2008;14(2):109–14. 79. Farias Júnior JC, Lopes AS, Mota J, Santos MP, Ribeiro JC, Hallal PC. Percep - tion of the social and built environment and physical activity among Northeastern Brazil adolescents. Prev Med 2011;52(2):114–9. 80. Mendonça G, Florindo AA, Rech CR, Freitas DKS, Farias Júnior JC. Perceived neighborhood environmental characteristics and different types of physical activity among Brazilian adolescents. J Sports Sci 2017;36(9):1068-1075. 81. Rodrigues PRM, Pereira RA, Cunha DB, Sichieri R, Ferreira MG, Vilela AAF, et al. Fatores associados a padrões alimentares em adolescentes: um estudo de base escolar em Cuiabá, Mato Grosso. Rev Bras Epidemiol 2012;15(3):662–74. 82. Abreu MNS, Caiaffa WT. Influencia do entorno familiar e do grupo social no tabagismo entre jovens brasileiros de 15 a 24 anos. Rev Panam Salud Publica 2011;30(1):22–30. 83. Malta DC, Sardinha LMV, Mendes I, Barreto SM, Giatti L, Castro IRR, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção de doenças crônicas não transmissíveis em adolescentes: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), Brasil, 2009. Cien Saude Colet 2010;15(suppl 2):3009–19. The Report Card of Brazil 2018: global physical activity Barbosa et al. 386 84. Hallal PC, Knuth AG, Cruz DKA, Mendes MI, Malta DC. Physical activity practice among Brazilian adolescents. Cien Saude Colet 2010;15(2):3035–42. 85. Andaki ACR, Tinôco ALA, Mendes EL, Júnior RA, Hills AP, Amorim PRS. Anthropometry and physical activity level in the prediction of metabolic syndrome in children. Public Health Nutr 2013;17(10):2287–94. 86. Neto FA, Eto FN, Pereira TSS, Carletti L, Molina MDCB. Active and sedentary behaviours in children aged 7 to 10 years old: The urban and rural contexts, Brazil. BMC Public Health 2014;14:1174. 87. Arruda ELM, Lopes AS. Gordura corporal, nível de atividade física e hábitos alimentares de adolescentes da região serrana de Santa Catarina, Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2007;9(1):05-11. 88. Ceschini FL, Andrade DR, Oliveira LC, Júnior JFA, Matsudo VKR. Prevalence of physical inactivity and associated factors among high school students from state’s public schools. J Pediatr 2009;85(4):301–6. 89. Coelho LG, Cândido APC, Machado-Coelho GLL, Freitas SN. Association between nutritional status, food habits and physical activity level in schoolchildren. J Pediatr 2012;88(5):406–12. 90. Freire RS, Lélis FLO, Fonseca Filho JA, Nepomuceno MO, Silveira MF. Prática regular de atividade física: estudo de base populacional no Norte de Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Med Esporte 2014;20(5):345–9. 91. Meireles AL, Xavier CC, Proietti FA, Caiaffa WT. Influence of individual and socio-environmental factors on self-rated health in adolescents. Rev Bras Epidemiol 2015;18(3):538–51. 92. Nakamura PM, Teixeira IP, Papini CB, Lemos N, Nazario MES, Kokubun E. Physical education in schools, sport activity and total physical activity in adolescents. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2013;15(5):517–27. 93. Peres SV, Latorre MRDO, Slater B, Tanaka LF, Silva MV. prevalência de excesso de peso e seus fatores associados em adolescentes da rede de ensino público de Piracicaba, São paulo. Rev Paul Pediatr 2012;30(1):57–64. 94. Romero A, Slater B, Florindo AA, Latorre MRDO, Cezar C, Silva MV. Determinantes do índice de massa corporal em adolescentes de escolas públicas de Piracicaba, São Paulo. Cien Saude Colet 2010;15(1):141–9. 95. Salvador CCZ, Kitoko PM, Gambardella AMD. Estado nutricional de crianças e adolescentes: fatores associados ao excesso de peso e acúmulo de gordura. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum 2014;24(3):313–9. 96. Santos A, Oliveira L, Farias Júnior J, Silva P, Silva E, Freitas C. Associação entre prática religiosa e comportamentos de risco à saúde em adolescentes de Pernambuco, Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2015;20(3):284–96. 97. Silva DAS, Lima JDO, Silva RJS, Prado RL. Nível de atividade física e comportamento sedentário em escolares. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2009;11(3):299–306. 98. Souza RP. Nível de sedentarismo entre adolescentes do município de Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil. Educ Fís Rev 2011;5(2):1–11. 99. Straatmann VS, Veiga GV. Cardiorespiratory fitness, physical activity, and indicators of adiposity in Brazilian adolescents. Hum Mov 2015;16(2):64–70. 100.Vieira CENK, Mariz LS, Dantas DNA, Menezes DJC, Rêgo MCD, Enders BC. Association between risk factors for hypertension and the Nursing Diagnosis overweight in adolescents. Investig Educ Enfermería 2016;34(2):305–13. 101. Vitta A, Barros DS, Palma R, Vinícius M, Soares F, Helena M, et al. Prevalência e fatores associados à adiposidade central e periférica em estudantes do ensino fundamental brasileiro. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum 2013;23(3):365–71. 102.Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Rev Bras Ciên Mov 2002;10(4):41-50. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2018, 20(4):367-387 387 CORRESPONDING AUTHOR Valter Cordeiro Barbosa Filho Federal Institute of Education, Science and Techonology of Ceará, Boa Viagem Campus. Rod. Pres. Juscelino Kubitschek, Boa Viagem - CE, 63870-000, Brazil E-mail: valtercbf@gmail.com 103.Nascimento-Ferreira M V., Collese TS, Moraes ACF, Rendo-Urteaga T, Moreno LA, Carvalho HB. Validity and reliability of sleep time questionnaires in children and adolescents: A systematic review and meta-analysis. Sleep Med Rev 2016;30(1):85–96. 104.Ramires V, Becker L, Sadovsky A, Zago A, Bielemann R, Guerra P. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física e comportamento sedentário no Brasil: atualização de uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2014;19(5):529–47. 105. Dumith SC. Physical activity in Brazil: A systematic rewiew. Cad Saude Publica 2009;25(Suppl. 3):415–26. 106.Ndahimana D, Kim E-K. Measurement Methods for Physical Activity and Energy Expenditure: a Review. Clin Nutr Res 2017;6(2):68–80. 107. Moraes ACF, Guerra PH, Menezes PR. The worldwide prevalence of insufficient physical activity in adolescents; a systematic review. Nutr Hosp 2013;28(3):575–84. 108.Barufaldi LA, Abreu GDA, Coutinho ESF, Bloch KV. Meta-analysis of the prevalence of physical inactivity among Brazilian adolescents. Cad Saude Publica 2012;28(6):1019–32. 109. Barbosa Filho VC, Campos W, Lopes AS. Epidemiology of physical inactivity, sedentary behaviors, and unhealthy eating habits among Brazilian adolescents. Cien Saude Colet 2014;19(1):173–94.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2018v20n4p367

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.