A Regulamentação do Futebol Profissional Belo-horizontino: Luta Política e Significados Sociais

Por: Marcus Vinicius Costa Lage e Regina de Paula Medeiros.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.1 - n.1 - 2012

Send to Kindle


Resumo

A transição do status “amador” para o “profissional” atribuído ao jogador de futebol, iniciada em meados de 1920, colaborou para popularizar a prática e o espetáculo deste esporte, que foi considerado durante os primeiros anos do século XX como elemento de distinção social das elites urbanas brasileiras. A regulamentação do futebol profissional brasileiro, e mais precisamente belo-horizontino, promovida pelas principais agremiações esportivas no ano de 1933, é considerado momento central para se problematizar tal transformação, uma vez que a nova orientação ressignificou socialmente a prática e o consumo dessa modalidade esportiva. Nesse artigo discutimos o contexto das políticas sociais do Governo Vargas (1930-1945) estabelecendo relações com o movimento de profissionalização do futebol a partir de documentos textuais pesquisados. Ainda com base nessa pesquisa documental, e também utilizando de entrevistas abertas e em profundidade com atores sociais do “campo futebolístico” belo-horizontino, caracterizamos a oferta e a demanda da prática e do consumo do futebol a partir da consolidação do produto “jogo de futebol”, bem como dos debates e das disputas políticas dos dirigentes dos principais clubes de futebol junto à entidade de gestão desse esporte na capital mineira. Com base nas análises empreendidas, defendemos que o arcabouço institucional trabalhista criado por Vargas estimulou a discussão pelo reconhecimento e regulamentação profissional no país, uma vez que as relações existentes entre clubes, atletas e espectadores já caracterizavam o futebol como uma indústria do entretenimento desde meados dos anos 1920, sendo os jogadores, profissionais de fato, não sendo reconhecidos e regulamentados.

REFERÊNCIAS

Bourdieu, P. (1983) Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero Limitada.

_______. (2008) A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP; Porto Alegre, RS: Zouk.

_______. (1989) O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A.

Barreto, P.; Barreto, L. O. T. (2000) De Palestra e Cruzeiro, uma Trajetória de Glórias. Belo Horizonte: s,n.

Caldas, W. (1990) O Pontapé Inicial: Memória do Futebol Brasileiro (1894-1933). São Paulo: IBRASA.

Couto, E. de F. (2003) Belo Horizonte e o futebol: integração social e identidades coletivas (1897-1927). Dissertação de mestrado em Ciências Sociais. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

D’Araujo, M. C. (2003) Estado, classe trabalhadora e políticas sociais In Jorge Ferreira e Lucília de Almeida Neves Delgado (orgs.) O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, pp. 213-240.

Elias, N. (2001) Estudos sobre a gênese da profissão naval: cavalheiros e tarpaulins. Mana [online]. 7 (1): 89-116.

Elias, N. (1985) Introdução. In Norbert Elias & Eric Dunning (orgs.). A Busca da Excitação. (pp. 39-99). Lisboa: DIFEL, (Coleção Memória e Sociedade)

Gomes, A. de C. (1988) A Invenção do Trabalhismo. São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais; Rio de Janeiro: IUPERJ.

Lopes, J. S. L. (1994) A vitória do futebol que incorporou a pelada. Revista da USP, 22: 65-83.

Melo, M. A. (1999) As sete vidas da agenda pública brasileira. In Elizabeth Melo Rico (org.). Avaliação de políticas sociais: uma questão em debate. (pp. 11-28) São Paulo: Cortez: Instituto de Estudos Especiais.

Melo, V. A. (2007) Dicionário do Esporte no Brasil. Do século XIX ao início do século XX. Campinas, SP: Autores Associados; Rio de Janeiro: Decania do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ.

Perry, V. (1973) Futebol e legislação: nacional e internacional. São Paulo: Edição do Autori.

Ribeiro, R. R. (2007) A Bola Em Meio A Ruas Alinhadas E A Uma Poeira Infernal: Os primeiros anos do futebol em Belo Horizonte (1904-1921). Dissertação de mestrado em História. Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas.

Rodrigues Filho, M. (1964) O Negro no Futebol Brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

Salles, J. G. do C. (2004) Entre a paixão e o interesse – O amadorismo e o profissionalismo no futebol brasileiro. Tese de Doutorado em Educação Física. Universidade Gama Filho, Programa de Pós Graduação em Educação Física.

Santos, J. M. C. M. (2010) Revolução Vascaína: a profissionalização do futebol e a inserção sócio-econômica de negros e portugueses na cidade do Rio de Janeiro (1915-1934). Tese de Doutorado em História Econômica. Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de História, Programa de Pós-Gradução em História Econômica.

Santos, W. G. dos (1979). Cidadania e justiça: a politica social na ordem brasileira. Rio de Janeiro: Campus.

Silva, E. J. da. (2000) Bola na Rede - O Futebol Em São Paulo e no Rio de Janeiro: Do Amadorismo À Profissionalização. Dissertação de mestrado História. UNESP – Assis, São Paulo.

Silva, M. R. da. (2006) Mil e Uma Noites de Futebol. O Brasil moderno de Mário Filho. Belo Horizonte: Editora UFMG

Silveira, B. (2006) Os Donos da Bola. Ou histórias e lendas do futebol em Belo Horizonte. Belo Horizonte: Ed. da Autora.

Souza Neto, G. J. de (2010) A Invenção Do Torcer Em Bello Horizonte: Da Assistência ao Pertencimento Clubístico (1904-1930). Dissertação de Mestrado em Lazer. Universidade Federal de Minas Gerais. Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação.

Toledo, L. H. de (2000) Lógicas no futebol. Dimensões Simbólicas de Um Esporte Nacional. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

Ziller, A (1997) Enciclopédia Atlético de Todos os Tempos. A vida, as lutas, as glórias do Clube Atlético Mineiro, o Campeoníssimo das Gerais. Belo Horizonte: Artes Gráficas Formato.

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/18

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.