A Tensão Como Regra: Regulações em Torno da Profissão de Jogador de Futebol

Por: Radamés Rogério.

Mosaico - v.9 - n.14 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O presente artigo consiste num recorte da tese de doutorado de minha autoria defendida em 2014 junto ao departamento de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará intitulada “No “segundo tempo da vida”: o jogador de futebol e a passagem para a pós-carreira” (2014). A questão a qual gostaríamos de nos deter nesse momento é a seguinte: o futebol é uma atividade que participa do processo civilizador de nossa sociedade ao propiciar excitação prazerosa e controlada ao público em geral, à massa, mas para cumprir esse papel, os participantes principais da atividade, os jogadores, devem ser submetidos a uma rigorosa disciplina e devem ter atitude exemplar no contexto dessa ordem disciplinar. Quais as consequências para os jogadores? Como este campo profissional é afetado por esta ambiguidade do processo civilizador? Para refletir sobre as questões propostas, iremos dialogar com a teoria do processo civilizador em Norbert Elias (1993 e 1995b) e da produção do “corpo dócil” em Michel Foucault (1979 e 1987).

Referências

BEJARANO, Viviane C. e PILATTI, Luiz A. As emoções na perspectiva de Norbert Elias: da evolução biológica e socialização à influência da psicanálise na psicogênese e sociogenias elisianas In: GEBARA, Ademir e WOUTERS, Cas. O controle das emoções. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2009, p. 215-233. DAMATTA, Roberto. Antropologia do óbvio. Revista USP. Dossiê Futebol. Junho, julho, agosto, nº. 22, 1994. ______. A bola corre mais que os homens: duas copas, treze crônicas e três ensaios sobre futebol. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. DAMO, Arlei Sander. Do dom à profissão. A formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: Aderaldo & Rothschild Ed., ANPOCS, 2007. DUNNING, Eric. Prefacio. In: ELIAS, Norbert e DUNNING, Eric. Deporte y ócio en el proceso de la civilización. México: Fondo de Cultura Económica, 1995a, p. 9-29. ELIAS, Norbert e DUNNING, Eric. Deporte y ócio en el proceso de la civilización. México: Fondo de Cultura Económica, 1995b, p. 31-81. ______. O processo civilizador: formação do estado e civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993, v2. ______. Sobre os seres humanos e suas emoções: um ensaio sob a perspectiva da sociologia dos processos. In: GEBARA, Ademir e WOUTERS, Cas. O controle das emoções. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2009, p. 19-46. FLORENZANO, José Paulo. Afonsinho e Edmundo: a rebeldia no futebol brasileiro. São Paulo: Musa editora, 1998. FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979. _________. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987. FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. Porto Alegre: L&PM, 2011. GASTALDO, Édison. Esporte, violência e civilização: uma entrevista com Eric Dunning. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 14, n. 30, p. 223-231, jul./dez. 2008. GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Ed. UNESP, 1991. GIULIANOTTI, Richard. Sociologia do futebol: dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alendria, 2010. LEITE LOPES, José Sérgio. Esporte, emoção e conflito social. Mana–Estudos de Antropologia Social, p. 141-63, 1995. 194 A tensão como regra: regulações em torno da profissão de jogador de futebol Revista Mosaico – Volume 9 – Número 14 – 2018 ROGÉRIO, Radamés de M. No “segundo tempo da vida”: o jogador de futebol e a passagem para a pós-carreira. 2014. Doutorado em Sociologia. Departamento de Sociologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014. TOLEDO, Luiz Henrique de. Futebol e Teoria Social: Aspectos da Produção Científica Brasileira (1982-2002). BIB, São Paulo, n° 52, 2° semestre de 2001, pp. 133-165

Endereço: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/mosaico/article/view/74025

Ver Arquivo (PDF)

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.