A Vivência de Práticas Físicas/motoras/esportivas de Homens e Mulheres Para Propor o Construto Orientação Esportiva

Por: Elisa Pinheiro Ferrari, Fernando Luiz Cardoso, , Thiago Emannuel Medeiros e Walan Robert da Silva.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.34 - n.3 - 2020

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste trabalho teórico-empírico foi investigar o histórico de vida das práticas físicas/ motoras/ esportivas de 407 graduandos de Ed. Física de uma universidade pública (211 homens e 196 mulheres) para tentar averiguar um traço de orientação para a prática de diferentes modalidades esportivas. Esse estudo foi realizado a partir de dados empíricos sobre a experiência prévia dos seus participantes para identificar um possível traço latente comum aos sujeitos desta pesquisa em suas preferências esportivas. Na análise dos dados utilizou-se recursos da estatística descritiva e inferencial por meio de testes t de student, qui quadrado, análise de regressão linear (backward) e análise fatorial exploratória. Os resultados mostraram que homens quanto as mulheres gostam tanto de atividades físicas cíclicas como complexas. No entanto, os homens demonstraram gostar mais de atividades físicas complexas. A diferença em relação ao perfil motor/esportivo entre os sexos caracteriza-se pela preferência dos homens por esportes coletivos de embate, enquanto as mulheres, por atividades físicas coletivas ligadas
ao ritmo. Diante dos resultados observados foi possível identificar um traço predominante para homens e mulheres, embasando a proposta de um novo constructo sobre a orientação esportiva composto por duas dimensões, embatividade e ritmicidade. Este novo constructo exige a proposição de um instrumento de medida que possa medir e predizer a orientação esportiva nas Ciências do Movimento.

Referências

1. Malina RM.Talent Identification and Selection in Sport. Rio de Janeiro: [editora desconhecida]; 2000.
2. Filin PV, Volkov VM. Selecção de Talentos no Desporto. Londrina: Midiograf; 1998.
3. Estriga MLD. Orientação Desportiva: em crianças e jovens nas modalidades de Andebol, basquetebol e voleibol [Dissertação]. Porto: Universidade do Porto; 2000.
4. Pasquali L. Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Rev Psiquiatr. 1998;25:206-213.
5. Trochim WMK. Research Methods Knowledge Base. Sydney: Conjoint.ly; 2006.
6. Gill DL, Deeter TE. Development of the sport orientation questionnaire. Res Q Exerc Sport. 1988;3:191-202.
7. Naylor JC, Briggs GE. Effects of task complexity and task organization on the relative efficiency of part and whole training methods. J Exp Psychol. 1963;65:217-224.
8. Cardoso FL. O conceito de orientação sexual na encruzilhada entre sexo, gênero e motricidade. Interam J Psychol. 2008;42:69-79.
9. Cardoso FL, Sacomori C. Identidade de gênero/sexo de atletas e sedentários. Rev Bras Ciênc Esporte. 2012;34:925-941.
10. Mendes M, Melo V, Mares V, Silva C, Moreira P, Santos Júnior W, et al. Percepção e prática de atividade física regular entre usuários de serviço de atenção primária à saúde. Rev APS. 2013;16:151-7.
11. Pieron M. Estilo de vida, prática de atividades físicas e esportivas, qualidade de vida. Fit Perform J. 2004;3:10-17.
12. Cardoso FL, Silveira RA, Zequinão MA, Martins C, Souza CA. Auto-percepção corporal e preferências motoras de praticantes de dança. Movimento. 2009;16:97-112.
13. Gallahue DL, Ozmun JC. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte; 2001.
14. Pellegrini AD, Smith PK. Physical activity play: The nature and function of a neglected aspect of play. Child Dev. 1998;69:577-98.
15. Moura NL, Grillo DE, Merida M, Campanelli JR, Merida F. A influência motivacional da música em mulheres praticantes de ginástica de academia. Rev Mackenzie de Educ Fís e Esp. 2009;6:103-118.
16. Instituto De La Mujer. III Plan de Igualdad de Oportunidades entre Mujeres y Hombres de España (1997-2000). Madrid: Instituto de la Mujer; 1997.
17. Wrangham R, Peterson D. O Macho Demoníaco: as origens da agressividade humana. Rio de Janeiro: Objetiva; 1998.
18. Silva CAD, Halperni FBSC, Silva LAD. Meninas bem-comportadas, boas alunas; meninos inteligentes, indisciplinados. Cad Pesq. 1999;107:207-225.
19. Cardoso FL, Marinho A, Pimentel GGA. Questões de gênero em universitários praticantes de esportes de aventura. Rev Educ Fis UEM. 2013;24(4):597-608.

Endereço: https://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/175252

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.