Adaptação do Teste Yo-yo de Resistência Intermitente Nível 2 Para Avaliação de árbitros de Futebol de Campo

Por: Mauro Ricetti Paes.

69 páginas. 2017 04/07/2017

Send to Kindle


Resumo

Resumo: Até o momento não existe consenso sobre a especificidade, confiabilidade e a validade dos testes utilizados pela FIFA para avaliação física dos árbitros. Portanto, o objetivo deste estudo foi desenvolver um teste aeróbico específico para árbitros de futebol de campo. A amostra total foi composta por 16 árbitros profissionais vinculados a Federação Paranaense de Futebol. Os 16 árbitros participaram de dois protocolos em campo: teste Yo-Yo de Resistência Intermitente 2 (YYIE2) e uma versão deste teste adaptada (ADYYIE2) - Estudo 2. Do total da amostra 12 árbitros participaram do teste em laboratório (esteira) e do ADYYIE2 (Estudo 1). Em todos estes testes o consumo de oxigênio (VO2) foi mensurado diretamente através de um sistema de análise de gás portátil. O desempenho durante partidas oficiais foi avaliado em oito dos árbitros que participaram dos três protocolos máximos (Estudo 3). A amostra de 16 árbitros profissionais avaliados apresentou as seguintes características: idade média de 28,81±6,45 anos, 7,31±4,30 anos de experiência, altura média de 1,77±0,05m, massa corporal de 71,69±6,64kg e %G de 13,76±2,48%. No estudo 1 foram encontradas diferenças significativas entre os protocolos no tempo até a exaustão (esteira=608,33±83,32s; ADYYIE2=295,70±81,92s; p=0,0001), na distância total percorrida (esteira=2098,61±425,72m; ADYYIE2=1025,83±304,89m; p<0,0001), na vVO2pico (esteira=11,83±0,72km/h; ADYYIE2=13,16±0,91km/h; p=0,0005) e na frequência cardíaca máxima (esteira=188,25±5,15; ADYYIE2=184,25±5,14bpm; p=0,0152). Contudo, o VO2pico mensurado durante os protocolos não foi diferente. No estudo 2 foram observadas diferenças significativas no tempo até a exaustão (YYIE2=237,76±56,47s; ADYYIE2=356,38±111,17s; p=0,0001), na distância total percorrida (YYIE2=748,75±173,74m; ADYYIE2=1141,883±359,67m; p<0,0001), no VO2pico (YYIE2=50,33±5,37; ADYYIE2=51,90±5,66ml/kg/min; p=0,0004) e na vVO2pico (YYIE2=12,31±0,40km/h; ADYYIE2=13,31±0,83km/h; p=0,0001). Porém, não foi observada diferença significativa para a FCmáx entre os protocolos. A distância total média percorrida pelos árbitros durante as partidas foi de 9633,25±757.77km e a quantidade média de corridas de alta intensidade foi 154,13±26,36 (CAI). Os valores de VO2pico obtidos nos testes em campo apresentaram correlações de magnitude "muito grande" com a distância total percorrida durante as partidas. A quantidade de CAI desempenhadas pelos árbitros durante as partidas apresentou correlações de magnitude "muito grande" apenas com os valores de VO2pico obtidos no protocolo máximo ADYYIE2. Conclui-se que o tipo de ação motora apresenta grandes efeitos nos parâmetros fisiológicos mensurados em testes máximos. De acordo com as diferenças observadas na vVO2pico, submeter os árbitros a protocolos, até mesmo intermitentes, que incluam apenas corrida frontal podem subestimar a capacidade aeróbica e, por consequência, modificar significativamente as cargas de treinamento. Palavras-chave: Árbitro. Futebol de campo. Avaliação aeróbica. Treinamento.

Endereço: http://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/51713

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.