Alguns Elementos Que Demarcam a Maratona de São Paulo em Suas Primeiras Edições(1995-1999)

Por: e Manoel José Fonseca Rocha.

Revista Hydra - v.3 - n.5 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Desde 1980 as provas de maratona se materializam no Estado de São Paulo. No entanto, as provas de corrida que surgiram no Estado, tiveram algumas edições e depois foram extintas, pois não conseguiam se manter. Isso ocorreu, por exemplo, com a Maratona Cidade de São Paulo criada em 1982 e a I Maratona Sul América, com sua gênese em 1984. Desse modo, já houveram outras maratonas na cidade, no entanto, com poucas edições e sem periodicidade anual antes do surgimento da Maratona de São Paulo. Essa mantém uma periodicidade anual desde 1995, somando 24 edições (até 2018), fato que não ocorria na cidade. A partir disso, temse o objetivo de identificar e caracterizar alguns elementos que demarcam a criação da Maratona de São Paulo e as suas primeiras edições (1995-1999). Para tal, realizouse uma pesquisa qualitativa de caráter bibliográfico e documental. Constituída por fontes de dados primários e secundários, coletados através de documentos, bibliografias e outros meios de divulgação. Nesse conjunto de procedimentos adotamos como fontes jornais, revistas e um conjunto de referenciais teóricos que fundamentam a discussão desejada.

Referências

“AGENDA: Atletismo”. São Paulo. Folha de São Paulo, 18 de maio de 1999. p. 10.

ALTOÉ DE MOURA, Cintia. et al. “Características associadas aos corredores da maratona do Rio de Janeiro”. Fitness & Performance Journal, v. 9, n. 1, p. 106-112, 2010.

ALVES, Edgar. “‘Soro’ será a arma de brasileiro na maratona SP”. Folha de São Paulo, 7 de outubro de 1995, p. 4.

AMARAL, Luis Henrique. “Prefeitura deu à Globo direito de transmitir a maratona por 5 anos”. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 de outubro de 1995. Disponível em:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/10/14/cotidiano/20.html. Acesso em: 27 ago. 2018.

AMARAL, Luis Henrique. “Procurador pede inquérito contra Maluf”. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 de janeiro de 1996. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/1/19/cotidiano/37.html. Acesso em: 27 ago. 2017.

AMARAL, Luis Henrique. “SBT passaria maratona de graça”. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 de outubro de 1995. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/10/11/cotidiano/29.html. Acesso em: 27 ago. 2018.

AMARAL, Luis Henrique. “Prefeitura mantém maratona de SP”. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 de maio de 1996, p. 7.

ARAÚJO, Nelton. “A primeira Maratona Internacional de São Paulo”. Contra-Relógio, n. 240, p. 66-68, set. 2013. “ATLETISMO Mayal queixa-se da organização: brasileira vence e critica maratona”. Folha de São Paulo, 10 de junho de 1996, p. 4. “ATLETISMO Paulo Sérgio da Silva, 28, foi encaminhado ao HC. Mineiro parra mal durante Maratona de SP e morre”. Folha de São Paulo, 6 de abril de 1998, Esporte, p.7.

“ATLETISMO Percurso paulistano é considerado fácil por competidores. São Paulo faz hoje a maratona dos ‘esquecidos’ pela Olimpíada”. Folha de São Paulo, 9 de junho de 1996, p. 9.

“ATLETISMO: Corredor morreu em maratona. Organizador assume despesas com atleta”. Folha de São Paulo, terça-feira, 7 de abril de 1998, p. 17.

BRASIL. Constituição da república federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm#art217ii. Acesso em: 15 set. 2018.

BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo Cultural: orientações básicas. 3. ed. Brasília: Ministério do Turismo, 2010. 96 p.

BRITO, Daniel. “Túneis atormentam corredores”. Folha de São Paulo, 17 de junho de 2012, Esporte, p. D11. “CONFUSÕES complicam vida do torcedor”. Folha de São Paulo, 6 de abril de 1998, p. 5.

CRUZ, Heloisa de Faria; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. “Na oficina do historiador: conversar sobre história e imprensa”. Projeto História, São Paulo, n. 35, p. 253-270, dez. 2007.

DALLARI, Martha Maria. Corrida de rua: um fenômeno sociocultural contemporâneo. 2009. 130 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FAVERO, Paulo. Corrida de rua cresce cada vez mais no País e atrai legião de fãs: Mercado das provas movimenta cada vez mais participantes nos finais de semana em diversas cidades do Brasil. O Estado de São Paulo, maio 2017. Disponível em: http://esportes.estadao.com.br/noticias/geral,corrida-de-rua-cresce-cada-vez-maisno-pais-e-atrai-legiao-de-fas,70001815545. Acesso em: 2 set. 2018

GASPAR, Malu. “Prefeitura diz que pediu apenas limpeza das ruas, mendigos afirmam que tinham prazo para sair: mendigos são retirados para maratona”. Folha de São Paulo, São Paulo, 6 de junho de 1996, p. 6.

GENTILE, Rogério. “Maluf é proibido de usar trevo vermelho”. Folha de São Paulo, São Paulo, 6 de junho de 1996. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/6/06/cotidiano/29.html. Acesso em: 13 abr. 2017.

GRATÃO, Otávio Augusto; ROCHA, Claudio Miranda. “Dimensões da motivação para correr e para participar de eventos de corrida”. Revista brasileira de Ciência e Movimento, v. 24, n. 3, p. 90-102, 2016.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2006. 251 p.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1992.

LEISTER FILHO, Adalberto; SAKATE, Marcelo. “Nova Maratona de São Paulo promete surpresa”. Folha de São Paulo, 11 de maio de 2003, p. 4.

LOPES, Duda. “Brooks aposta na Centauro para vender no Brasil”. Máquina do Esporte, São Paulo, edição 828, p. 1-2, ago. 2017.

MCARDLE, William D.; KATCH, Frank I.; KATCH, Victor L. Fisiologia do exercício: nutrição, energia e desempenho humano. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

MAIORAL, Rafael Franzoni. Identificação e avaliação dos atributos que influenciam a decisão de participação em eventos de corrida pedestre no Brasil. 2014. 328 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Administração). Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-graduação em Administração, Florianópolis, 2014.

“MARATONA invade as ruas de São Paulo esta manhã: sete mil concorrentes largam na prova, que tem percurso de 42.195 m”. Folha de São Paulo, 8 de outubro de 1995, p. 7.

“MARATONA Prova deve atrais menos participantes”. Folha de São Paulo, 8 de junho de 1996, p. 10.

“MARATONA: São Paulo”. Folha de São Paulo, Esporte, 4 de outubro de 1995, p. 2.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 297 p.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.10. ed. São Paulo: Hucitec, 2007. 406 p.

NÉSTOLI, Luiz Carlos Mantovani; AGUIAR, André Luiz Trigo de. Boletim técnico 43. Cobrança de eventos legislação, razões e critérios. São Paulo: Companhia de Engenharia de Tráfego, 2008.

NOGUEIRA, Artur. “Agenda. ATLETISMO”. Folha de São Paulo, 25 de fevereiro de 1998. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk25029809.htm. Acesso em: 13 set. 2018.

NUNES, Camila da Cunha. Território e esporte: o processo de territorialização das corridas de rua no Brasil. 2017. 411 f., il. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional), Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2017.

OLIVEIRA, Nelma Gusmão de. Jogo espetáculo, jogo negócio. In: JENNINGS, Andrew. et al. Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas?. São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2014. p. 25-32.

OLIVEIRA, Saulo Neves. Lazer sério e envelhecimento: loucos por corrida. 2010. 102 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

PARADIZO, Fernando. “Marcadores de ritmo para o bem ou para o mal”. Contrarelógio, ano 20, n. 229, p. 66-70, out. 2012.

PERCURSO da maratona inclui principais obras. Folha de São Paulo, 7 de outubro de 1995, p. 3.

PINHEIRO, José Patrício Cunha. A história da Maratona de Porto Alegre e sua contribuição para a popularização das corridas de rua na cidade. 2012. 48 f. Monografia (Bacharel em Educação Física). Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

PINTO, Lucinda. “Brasileiros fazem a festa na maratona. Só um sul-africano ‘furou’o domínio dos atletas nacionais no pódio paulista”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 9 de outubro 1995.

PRADO, Flávia de Almeida. Marcadores de Ritmo Corpore – História. [20--]. Disponível em: http://www.corpore.org.br/cws_exibeconteudogeral.asp?TPC=NOT&IDC=78. Acesso em: 20 set. 2018.

PROSS, Henri. Medienforschung. Darmstadt, C. Habel, 1972.

RICHARDSON, Roberto Jarry; PERES, José Augusto de Souza. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. rev. e amp. São Paulo: Atlas, 2014. 334 p.

ROJO, Jeferson Roberto. et al. “Corrida de rua: reflexões sobre o “universo” da modalidade”. Revista Corpoconsciência, v. 21, n. 3, p. 82-96, 2017a.

ROJO, Jeferson Roberto. et al. “Transformações no modelo de corridas de rua no Brasil: um estudo na Prova Rústica Tiradentes”. Revista brasileira de Ciência e Movimento, v. 25, n. 1, p. 19-28, 2017b.

ROLNIK, Raquel. Megaeventos: direito à moradia em cidades à venda. In: JENNINGS, Andrew. et al. Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas? São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2014. p. 65-70.

SALGADO, José Vítor Vieira; CHACON-MIKAHIL, Mara Patrícia Traina. “Corrida de rua: análise do crescimento do número de Provas e de praticantes”. Revista Conexões, v. 4, n. 1, p. 90-99, 2006.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1999. 308 p.

SÃO PAULO. Decreto n. 37.298 - de 27 de janeiro de 1998. Regulamenta a Lei n. 12.504, de 16 de outubro de 1997, que institui a “Maratona de São Paulo”, e dá outras providências. Disponível em: http://documentacao.camara.sp.gov.br/iah/fulltext/decretos/D37298.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

SÃO PAULO. Projeto de Lei 01 – PL 01 – 0376/1996. Disponível em: http://documentacao.camara.sp.gov.br/iah/fulltext/projeto/PL0376-1996.pdf. Acesso em: 13 set. 2018.

SCHIVARTCHE, Fabio. “Percurso total tem 36 placas de Maluf: propaganda contém trevo vetado”. Folha de São Paulo, São Paulo, Cotidiano, 8 de junho de 1996. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/6/08/cotidiano/28.html. Acesso em: 15 set. 2018.

SHIPWAY, Richard; HOLLOWAY, Immy. “Health and the running body: notes from na ethnography”. International Review for the Sociology of Sports, v. 51, n. 1, p. 78-96, 2016.

SPINASSÉ, Andrei. Secretário defende existência de uma grande e forte maratona de São Paulo. 2017b. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2017.

SPINASSÉ, Andrei. Secretário: ‘É inadmissível haver sete corridas em um fim de semana em SP’. 2017. Disponível em: http://www.esportividade.com.br/secretario-einadmissivel-haver-sete-corridas-em-um-fim-de-semana-em-sp/. Acesso em: 10 set. 2018.

SYMANSKI, Rosa. “Brasileira é primeira na maratona”. Jornal do Brasil, 24 de maio de 1999, Esportes, p. 5.

TAGLIAFERRI, Mauro; KRASELIS, Sérgio. Folha de São Paulo, São Paulo, 9 de outubro de 1995, p. 8.

TURATO, Egberto Ribeiro. “Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetivos de pesquisa”. Revista de Saúde Pública, v. 39, n. 3, p. 507-514, 2005.

VAINER, Carlos Bernardo. Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do planejamento estratégico urbano. In: ARANTES, Otília; VAINER, Carlos Bernardo; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 75 -103.

VAINER, Carlos Bernardo; OLIVEIRA, Fabrício Leal de; LIMA JÚNIOR, Pedro Novais. Notas metodológicas sobre a análise de grandes projetos urbanos. In: OLIVEIRA, Fabrício Leal de; CARDOSO, Adauto Lúcio; COSTA, Heloisa Soares de Moura; VAINER, Carlos Bernardo (org.). Grandes projetos metropolitanos: Rio de Janeiro e Belo

Horizonte. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012. p. 11-23.

YESCOM. Regulamento. 2018. Disponível em: http://www.yescom.com.br/2019/maratonadesaopaulo/regulamento. Acesso em: 13 set. 2018.

Endereço: https://doi.org/10.34024/hydra.2018.v3.9080

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.