Alterações no Desempenho Fisico de Corredores de Elite do Atletismo Brasileiro Apos Quatro Semanas de Destrinamento

Por: Clodoaldo Lopes do Carmo.

2010 19/02/2010

Send to Kindle


Resumo

O destreinamento é a perda total ou parcial das adaptações induzidas pelo treinamento em resposta a diminuição ou interrupção dos estímulos de treinamento, caracterizando-se períodos iguais ou inferiores a quatro semanas (destreinamento de curta duração) e períodos superiores (destreinamento de longa duração). O destreinamento de curta duração é utilizado como forma de recuperação entre as temporadas de competições, com objetivo de restabelecer seus sistemas físico, fisiológico, psicológico dentre outros, podendo gerar perda das adaptações positivas do treinamento, sendo necessário estabelecer parâmetros que gerem informações sobre quais variáveis são mais afetadas nesse período e quão importantes elas são para o reinício dos treinamentos. Dessa maneira, esse estudo teve como objetivo avaliar as alterações no desempenho após quatro semanas de destreinamento em dez corredores de elite do atletismo brasileiro, divididos em dois grupos: velocistas (VEL) e fundistas (FUN). Foram realizados testes pré destreinamento (PréD) e pós destreinamento (PósD) para verificar o comportamento de parâmetros cardiorrespiratórios e neuromusculares. A análise intra grupo dos parâmetros cardiorrespiratórios demonstrou quedas significantes apenas para velocidade no momento do consumo máximo de oxigênio (vVO2max) no grupo VEL (-4,2%), e freqüência cardíaca no ponto de compensação respiratório (FCPCR) no grupo FUN (5,01%) no PósD. Para os parâmetros neuromusculares alterações significantes foram encontradas no squat jump (SJ) do grupo FUN (5,13%) e no semi-agachamento (-10,7%) do grupo VEL no PósD. Quando utilizada a análise de variância para os parâmetros cardiorrespiratórios, diferenças significantes foram encontradas apenas no consumo máximo de oxigênio (VO2max) nos momentos PréD e PósD do grupo FUN quando comparado ao PósD do grupo VEL (p < 0,05). Já para os parâmetros neuromusculares, os valores da velocidade média em 40 metros (Vmed), velocidade máxima em 40 metros (Vmax), tempo total de corrida em 40 metros (tempo), SJ, CMJ, semi-agachamento e leg-press 450 do grupo FUN foram inferiores aos encontrados no grupo VEL, apresentando diferenças significantes (p < 0,05) nos dois momentos, PréD e PósD. Os resultados desse estudo demonstram que o destreinamento afeta de maneira diferente velocistas e fundistas, portanto é possível afirmar através desse estudo que quatro semanas de destreinamento acarreta perdas mínimas para o desempenho atlético quando relacionadas às características de cada grupo, e, aos parâmetros mais importantes para cada um deles, ou seja, parâmetros cardiorrespiratórios [ponto de compensação respiratório (PCR), vVO2max e VO2max] para o grupo FUN, e, parâmetros neuromusculares (velocidade, força e altura de saltos) para o grupo VEL, permitindo afirmar que quatro semanas de destreinamento é um período interessante de ser considerado para utilização no período de transição de corredores de elite. 

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000768249&opt=1

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.