Alterações nas Fibras Musculares e Tecido ósseo de Ratos Submetidos à Aplicação de Hormônio do Crescimento (gh) e Treinamento de Força Muscular

Por: Robson Chacon Castoldi.

2017 15/12/2017

Send to Kindle


Resumo

Resumo: O objetivo do estudo foi observar as alterações nas fibras musculares e tecido ósseo de animais submetidos à aplicação do hormônio do crescimento (GH) e realização de um protocolo de treinamento de força (ST). Foram utilizados 40 animais machos, com 60 dias de idade, da linhagem Wistar, distribuídos em quatro grupos: controle (C), controle e aplicação de GH (GHC), treinamento de força (T) e treinamento de força com a aplicação de GH (GHT). O protocolo de treinamento físico (TF) foi composto por quatro séries de 10 saltos aquáticos, 3x/semana e sobrecarga de 50% do peso corporal, durante quatro semanas. Foi aplicado GH via intraperitoneal na dosagem de 0,2 UI/Kg para os grupos GHC e GHT e solução fisiológica (0,9% de cloreto de sódio) para o C e T. Após quatros semanas de TF, os animais foram eutanasiados e retiradas amostras do músculo Sóleo, além da tíbia e fêmur. No músculo, foram produzidos cortes histológicos com 5µm de espessura e corados com hematoxilina-eosina (HE) e nicotinamida adenina dinucleotídeo tetrazólio redutase (NADH-TR). Já no osso, foram medidos os valores de densidade mineral óssea (DMO), resistência óssea (F-max) e realizados os cortes por microtomografia computadorizada (MCT) e análise por espectroscopia Raman. Foi observado que tanto o GH quanto o TF foram capazes de gerar aumento do diâmetro das fibras musculares (FM) do músculo Sóleo (C:31,81±6,35; GHC:36,88±6,38; T:38,38±6,94; GHT:36,89±7,16). Além disso, quando analisada a tipagem, houve aumento significativo (p<0,05) somente nas FM de contração rápida (C:33,78±7,78; GHC:37,80±6,03; T:38,53±6,94; GHT:37,98±7,65), quando comparado às lentas (C:25,93±6,66; GHC:26,95±8,03; T:26,24±6,90; GHT:27,20±5,77). Já na tíbia, foi observado que todos os grupos experimentais demonstraram aumento na variável DMO (C=0,110±0,005; GHC=0,134±0,05; T=0,127±0,004; GHT=0,133±0,008 g/cm²), no entanto, somente o grupo GHT demonstrou diferença estatisticamente significativa em comparação com o grupo controle (p<0,05). Além disso, não foi verificada diferença estatística para a variável obtida na F-max. Na avaliação da MCT, em todos os grupos ocorreu aumento do número de trabéculas (Tb.N) (C=1,10±0,22; GHC=1,79±0,07; T=1,91±0,04; GHT=1,91±0,09), quando comparados com o grupo C (p<0,05). Quando analisado o fêmur, verificou-se que houve o aumento mais acentuado dos componentes minerais ósseos no grupo T, para todas as variáveis obtidas pelo Raman. Além disso, para os animais submetidos à aplicação de GH, houve redução na variável densidade mineral óssea (DMO) (p<0,05). Por fim, os animais que receberam aplicação de GH, demonstraram maior F-max, porém, sem significância estatística (p>0,05). Conclui-se que, tanto o GH quanto o TF foram capazes de gerar aumento do diâmetro das FM do músculo Sóleo e promover aumento da DMO e Tb.N na tíbia. Porém, não foi verificada diferença significativa para variável F-max. Por fim, no fêmur, os animais que receberam aplicação de GH demonstraram diminuição da DMO e o treinamento de força isolado foi capaz de promover aumento dos compostos de cálcio, fosfato, amido e colágeno do tecido ósseo

Endereço: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331040

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.