Análise Biomecânica do Salto em Profundidade no Solo e na água

Por: Caroline Ruschel.

2014 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

O princípio do treinamento pliométrico é potencializar a utilização do ciclo de alongamento-encurtamento (CAE). Devido à alta intensidade desse tipo de treinamento e o risco potencial de lesões associado, existe atualmente a proposta de realizá-lo em ambiente aquático, tendo em vista a redução das cargas proporcionada pela ação do empuxo. Entretanto, pouco se sabe sobre as características biomecânicas dos exercícios pliométricos na água, e acredita-se que as condições do meio poderiam dificultar a transição imediata entre a fase excêntrica e a fase concêntrica, pré-requisito fundamental para o funcionamento adequado do CAE. Este estudo teve como objetivo analisar e comparar as características biomecânicas do salto em profundidade (SP) realizado no solo e na água, com imersão ao nível da cintura. Participaram da pesquisa 22 atletas do sexo masculino (19,1±3,7 anos, 73,6,±9,1 kg de massa corporal e 1,83±0,08 m de estatura). Foram analisadas variáveis da componente vertical da força de reação do solo (força máxima e impulso nas subfases excêntrica e concêntrica e força máxima na aterrissagem), cinemáticas (tempo de contato, tempo da subfase excêntrica, tempo da subfase concêntrica, tempo de vôo e deslocamento angular da articulação do joelho) e eletromiográficas (pico de ativação, integral e média da atividade eletromiográfica – EMG – dos músculos Gastrocnemius Medialis – GM, Biceps Femoris – BF, e Rectus Femoris – RF) durante o SP partindo de 0,4 m. Foram utilizadas duas plataformas de força, um sistema de eletromiografia e um equipamento sincronizador de sinais. A comparação entre os ambientes foi realizada através de testes para amostras dependentes (p<0,05). Conforme esperado, devido à ação de força de empuxo e da resistência, houve aumento significativo na duração de todas as fases do salto (excêntrica, concêntrica e voo), e diminuição da força de reação vertical (excêntrica, concêntrica e de aterrissagem) no ambiente aquático. Não foram encontradas diferenças para o impulso na subfase concêntrica, para os ângulos do joelho no contato após a queda e o voo, e para a flexão máxima e amplitude de movimento durante o contato e a aterrissagem. Em geral, a pré-ativação durante a queda e o voo foi influenciada pelo ambiente, sendo que menores valores foram encontrados para o GM e para o BF na água. A atividade EMG do GM e do RF foi significativamente maior na subfase excêntrica e na aterrissagem no solo, enquanto que na subfase concêntrica, os valores foram maiores na água. A combinação de menores valores de força máxima e impulso, maiores tempo de contato e atividade EMG reduzida durante a subfase excêntrica do SP, pode comprometer o funcionamento adequado do CAE na água. Entretanto, durante a subfase concêntrica, valores de impulso semelhantes entre os ambientes, combinados à maior atividade EMG, evidenciam a sobrecarga oferecida pela resistência da água durante o movimento propulsivo. Com isso em mente, a utilização do ambiente aquático para o treinamento do SP dependerá do objetivo almejado pelos treinadores, considerando-se aspectos como o nível de prática do executante, o volume e a intensidade dos exercícios e as condições disponíveis, tais como a profundidade da piscina.  

Endereço: http://www.tede.udesc.br/

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.