Análise Cinemática e Cinética do Salto Vertical de Crianças com Síndrome de Down e com Desenvolvimento Típico

Por: Luana Muriel Casarolli.

2011 21/07/2011

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar as características cinemáticas e cinéticas do salto vertical de crianças com síndrome de Down e com desenvolvimento típico com idade entre 6 e 10 anos O estudo teve participação de 12 crianças com síndrome de Down e 12 crianças com desenvolvimento típico. Foram utilizadas para a coleta do salto vertical uma câmera modelo Cassio Exilin EX-FH20 e uma plataforma de força EMGsystem. As taxas de amostragem foram de 210 HZ para a cinemetria e 500HZ para a cinética. Após adaptação da criança ao ambiente laboratorial, foram coletados 3 saltos verticais. Os vídeos foram editados no Software FadeToBlack e para reconstrução bidimensional do salto vertical foi utilizado o Software Skillspector versão 1.5, o software Matlab foi utilizado para calcular e plotar dados referentes às variáveis cinemáticas e cinéticas. Os dados foram filtrados por meio do filtro recursivo do tipo Butterworth de 4º ordem com frequência de corte de 4Hz. Para análise estatística utilizo-se o teste T independente, análise descritiva além do cálculo do coeficiente de variação. Os resultados revelaram que na fase de propulsão do salto vertical, durante o menor valor de força de reação ao solo, as crianças com síndrome de Down apresentaram flexão de quadril e joelho, além de força/peso inferior as crianças com desenvolvimento típico com diferença estatisticamente significativa. Para o pico de propulsão na fase de propulsão, as crianças do grupo SD revelaram insuficiente plantiflexão do tornozelo quando comparadas as crianças do grupo DT e força/peso inferior, ambas com diferença significativa. Na fase de voo as crianças com síndrome de Down apresentaram diferenças inferiores tanto para o tempo de voo quanto para altura, quando comparado às crianças com desenvolvimento típico. Finalmente, durante a fase de aterrissagem, as crianças com síndrome de Down apresentaram grau de flexão de joelho e força peso inferiores quando comparadas as crianças com desenvolvimento típico. As crianças com síndrome de Down apresentaram maior variabilidade nos movimentos realizados principalmente pelo segmento do tronco para a tarefa do salto vertical. Sendo assim constata-se que as crianças com síndrome de Down apresentam formas de movimentos peculiares para o salto vertical, utilizando os segmentos corporais e a força de reação ao solo diferente das crianças com desenvolvimento típico.

Endereço: http://nou-rau.uem.br/nou-rau/document/?code=vtls000191292

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.