Análise Cinemática do Desempenho de Atletas e Paratletas de Natação 

Por: Karini Borges dos Santos.

147 páginas. 2017 31/07/2017

Send to Kindle


Resumo

O desempenho na natação depende da técnica para maximizar a força propulsiva e minimizar a resistência oferecida pela água. A partir de variáveis cinemáticas é possível identificar parâmetros que caracterizam nadadores de alto desempenho em relação a pares de menor desempenho e nadadores paratletas. O objetivo do estudo foi analisar parâmetros cinemáticos do nado em atletas de diferentes níveis de desempenho e paratletas de natação antes e após sustentação de estímulos de alta intensidade de nado. 21 atletas e 21 paratletas (S5-S10) de natação com idade entre 15 e 26 anos participaram de uma sessão experimental composta pelo teste: simulação máxima de 50m de nado crawl; protocolo de repetições de desempenhos máximos de 50m do nado com 10s. de intervalo pelo número de vezes que os nadadores relatassem suportar; e nova simulação de 50m máximos crawl. Os desempenhos de nado foram gravados por um sistema de seis câmeras sincronizadas, 4 localizadas dentro d'água no plano sagital do nadador (GoPro Hero 4) e duas fora d'água, em espaço previamente calibrado. Os seguintes parâmetros de nado foram avaliados: velocidade (Vel), frequência (Fbr), distância média percorrida pelo corpo por ciclo de braçada (Dbr),índice de nado (IN), aspectos dimensionais da braçada submersa (amplitude médio-lateral - AM-Lbr, amplitude antero-posterior - AA-Pbr e amplitude vertical - AVbr), percentual de tempo e velocidade despendida na fase subaquática (Fsub) e em cada uma de suas fases (varredura para baixo - VB, para dentro - VD e para cima - VC), índice de coordenação (IdC) e variação intracíclica da velocidade (VIV). Método utilizado na mensuração cinemática apresentou alta reprodutibilidade inter e intra-avaliador e aceitável acurácia. Nadadores de maior desempenho apresentaram maior Vel, Dbr, IN, AM-Lbr, AVbr, VelVC e VelFsub. Para os nadadores paratletas Vel, Dbr, IN e Fsub correlacionaram com as respectivas classes do sistema de classificação funcional proposto pelo Comitê Paralímpico Internacional. Atletas e paratletas foram assimétricos para AA-Pbr, AM-Lbr, IdC, fases da braçada e VelVB. Ao final do teste Dbr, IN e Vel do nado e em cada fase da braçada (exceto para VC) diminuíram, enquanto Fsub e IdC para braço dominante aumentaram. Disposição de um conjunto de variáveis que distinguem nível de proficiência, relação com classificação funcional (paratletas), simetria bilateral e alterações ocorridas com sustentação do desempenho em elevada intensidade, podem auxiliar técnicos em um melhor entendimento de fatores relacionados ao desempenho para que obtenham novas ideias no treinamento, a fim de aprimorar do desempenho, intervir sobre assimetrias e manter parâmetros mais estáveis na sustentação do desempenho de nado.

Endereço: http://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/52047

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.