Análise Comparativa do Pico de Força e Controle Motor do Músculo Tibial Anterior Após Cinesioterapia e Estimulação Neuromuscular

Por: Allison Gustavo Braz, Daziane dos Santos Alves, Euller Cunha Figueiredo Machado, Franciane Assis Moraes e Rodrigo Paschoal Prado.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O fortalecimento muscular pode ser realizado por exercícios ativos, ativos resistidos e também, a estimulação elétrica neuromuscular (EENM), são algumas dentre as diversas técnicas terapêuticas utilizadas pelo fisioterapeuta. Objetivo: Analisar se existe diferença entre o fortalecimento muscular ativo somente e com associação de Eletroestimulação Neuromuscular no músculo Tibial Anterior em mulheres sedentárias. Métodos: Participaram 18 voluntárias, selecionadas aleatoriamente, divididas em 3 grupos com a mesma quantidade em cada, sendo que o primeiro grupo foi realizado apenas fortalecimento ativo com carga (Cinesioterapia), o segundo grupo realizou o fortalecimento ativo com carga do músculo tibial anterior associado a estimulação com a corrente FES, e o terceiro grupo, fortalecimento ativo com carga associado a estimulação com a corrente Russa. Para avaliação foram coletados o Pico máximo de força e Controle motor através da célula de carga. Resultados: Com relação ao pico de força, o grupo que obteve um melhor desempenho mantendo a média mais próxima do valor anterior foi o grupo que associou a corrente FES, já no controle motor o grupo que teve menor variação após a terapêutica foi o que associou a corrente Russa, seguida da que associou corrente FES porém, apenas 48 horas depois. Conclusão A partir dos dados encontrados neste estudo, conclui-se que a cinesioterapia isoladamente ou associada a eletroestimulação FES e Russa, em uma única intervenção não apresentou diferenças significativas entre os grupos para o pico de força e controle motor.Referências 1. Pesquisa Nacional De Saúde. Percepção do Estado de Saúde, Estilos de Vida e Doenças Crônicas. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Rio de Janeiro: 2014. ALVES et al. R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):49-59. 58 2. Jardim PCBVJ, et al. Hipertensão arterial e alguns fatores de risco em uma capital brasileira. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. 2007; 88(4) 452-457. 3. World Health Organization: Health and Development Through Physical Activity and Sport. Geneva: WHO; 2003. 4. World Health Organization: Global Recommendations on Physical Activity for Health: WHO; 2010. 5. Mendes R, Souza N, Barata JLT. Actividade Fisica e Saúde. Publica Recomendações para a Prescrição do Exercício. Acta Med Port. 2011; 24(1): 1025-1030. 6. Valim V. Benefícios dos exercícios Físicos na Fibromialgia. Revista Brasileira Reumatologia. 2006; 46(1): 49-55. 7. Agne JE. Eletrotermoterapia, teoria e prática. Santa Maria: Orium; 2005. 8. Lima E, Rodrigues GBO. A Estimulação Russa no Fortalecimento da musculatura abdominal. Arq Bras Cir Dig. 2012; 25(2): 125-128. 9. Lopes PGS. Manual do Equipamento TENS/FES. Indústria de Equipamentos Eletro-Eletronicos Ltda. Disponivel em: www.capefisio.com.br [2015 out 02]. 10.Bohorquez IJR, Souza MN, Pino AV. Influência de parâmetros da estimulação elétrica funcional na contração concêntrica do quadríceps. Revista Brasileira de Engenharia Biomédica. 2013; 29(2): 153-165. 11. Medeiros FVA. Influência de Correntes de Média e Baixa frequência e da dobra cutânea sobre o desconforto sensorial e o pico de torque extensor do joelho. [Dissertação de Mestrado]. Brasília: Universidade de Brasília; 2014. 12. Liebano RE, Alaves LM. Comparação do índice de desconforto sensorial durante a estimulação neuromuscular com correntes excitomotoras de baixa e média frequência em mulheres saudáveis. Rev Bras Med Esporte. 2009; 15(1): 50- 53. 13. Wilmore JH, Costill D, Kenndy LWL. Fisiologia do esporte e do exercício. Barueri: Manole; 2013. 14. Gentil P, Oliveira E, Fontana K, et al. treinamento de forca no lactato sanguíneo e características de cargas em homens treinados recreacionalmente. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2006; 12(6). 15. Pizzato LM, Arakaki JC, Vasconcelos R, et al. Analise da Frequência Mediana do Sinal Eletromiográfico de Indivíduos com Lesão do Ligamento Cruzado Anterior em Exercícios Isométricos de Cadeia Cinética Aberta e Fechada. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2007; 13(1). 16. Souza JA. Postura e disfunção temporomandibular: avaliação fotogramétrica, baropodométrica e eletromiográfica. [Dissertação de Mestrado]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2010. 17. Marchetti PH, Uchida MC. Influência da fadiga Unilateral de membro inferior sobre o salto vertical Bilatral. Rev. Bras Med Esport. 2011; 17(6). 18. Silva L. Atividade eletromiográfica do músculo vasto medial oblíquo após estimulação elétrica neuromuscular. Revista Terapia Manual. 2011; 9(42): 119-125. 19. Lima APT, Ribeiro LA, Coimbra LMC, Santos MRN, Andrade EN. Mecanoterapia e fortalecimento muscular: Um Embasamento Seguro para um tratamento eficaz. Revista Saúde. 2006; 2(2): 143-152. 20.Briel AF, Pinheiro MF, Lopes LG. Influência da corrente russa no ganho de força e trofismo muscular dos flexores do antebraço não dominante. Arq. Ciênc. Saúde Unipar. 2003; 7(3): 205-210. 21.Cuzzolin JS, Ferreira LMN, Cirillo F, Evandro ES, Garcia SLC, Koeke P. Efeitos da estimulação elétrica neuromuscular associada ou não a exercícios de contração muscular voluntária máxima. Fisioterapia Brasil. 2005; 6(3): 186-191. 22. Silqueira TF, Souza CL, Santos BS, Fonseca CSM, Nascimento WM, Junior JGS, Lima LM. Corrente russa isolada e associada à contração voluntária na flacidez. XIII Jornada De Ensino, Pesquisa e Extensão – JEPEX 2013 – UFRPE: Recife; 2013. 23. Silva SRD, Gonçalves M. Análise da fadiga muscular pela amplitude do sinal eletromiográfico. Revista Brasileira Ciência e movimento. 2003; 11(3): 15-20. 24. Soares AV, Pagliosa F, Oliveira GO. Estudo comparativo entre a estimulação elétrica neuromuscular de baixa e média frequência para o incremento da força de preensão em indivíduos sadios não treinados. Fisioter Bras. 2002; 3(6): 45-50. 25. Pernambuco AP, Carvalho NM, Santos H. A eletroestimulação pode ser considerada uma ferramenta válida para desenvolver hipertrofia muscular? Fisioter. Mov. 2013; 26(1): 123-131. 26. Santos GC, Freire EF, Freire RF, Junior ES. Análise Comparativa da Hipertrofia e Fortalecimento do músculo quadríceps a partir do exercício resistido x eletroestimulação (FES). Ciências Biológicas e da Saúde. 2015; 2(3): 21-22. 59 Pico de força e controle motor do músculo tibial anterior R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):49-59. 27. Abdalla RJ, Monteiro DA, Dias L, et al. Comparação entre os resultados obtidos na reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho utilizando dois tipos de enxertos autólogos: tendão patelar versus semitendineo e grácil. Revista Brasileira de Ortopedia. 2009; 44(3).

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/7123/pdf

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.