Análise da Correlação Entre o Protocolo Polar Fitness Test® Para Predição de Vo2máx e Ergoespirometria

Por: André de Assis Lauria, Fábio Lera Orsatti, Gustavo Ribeiro da Mota, Jeferson Macedo Vianna, Moacir Marocolo Júnior e Octávio Barbosa Neto.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.18 - n.3 - 2012

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO: A importância da mensuração do consumo máximo de oxigênio ( O2máx)é justificada por sua aceitação internacional como o melhor parâmetro fisiológico para avaliar a capacidade funcional do sistema cardiorrespiratório tanto em atletas como em não atletas que treinam fisicamente com objetivo de obter melhor saúde. 
OBJETIVO: Verificar a concordância entre os protocolos Polar Fitness Test® para a estimativa do  O2máx e o teste de esforço máximo com medida direta de gases. 
MÉTODOS: Dezessete homens ativos (22,5 ± dois anos) participaram. Em repouso, aplicou-se o protocolo PolarFitness Test® e, em seguida, a coleta direta de gases sob o esforço máximo, em esteira, seguindo o protocolo de Bruce. 
RESULTADOS: Houve diferença significativa entre os valores médios dos métodos para estimativa do  O2máx. O protocolo Polar Fitness Test® subestimou o  O2máx, em média 15% (IC95%: 24; –53%) comparado com a medida direta de gases. Os valores obtidos pelo Polar Fitness Test® não tiveram boa correlação com a medida direta em ergoespirômetro (r = 0,1). 
CONCLUSÃO: O protocolo Polar Fitness Test® não é válido para a estimativa do  O2máx em homens jovens ativos fisicamente.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922012000300012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.