Análise da Influência do Tempo de Prática de Diferentes Exercícios Físicos nas Variáveis Saúde e Qualidade de Vida

Por: Claudio Joaquim Borba Pinheiro e Isabelle da Silva Passos.

Revista Brasileira de Qualidade de Vida - v.8 - n.2 - 2016

Send to Kindle


Resumo

OBJETIVO: Comparar e correlacionar o tempo de prática (TP), o nível de atividade física (AF), índice de massa corporal (IMC) e qualidade de vida (QV) de mulheres idosas que praticavam diferentes modalidades de exercícios. MÉTODOS: A amostra foi composta de 48 idosas que praticavam exercícios: hidroginástica (n=15; 69,4±5,4 anos); ginástica aeróbica (n=15; 64,6±7,9 anos) e treinamento resistido (TR) (n=18; 64,1±7,6 anos). Realizou-se avaliações antropométricas e aplicação dos questionários International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) para o nível de AF e SF- 36 para a QV. A ANOVA one-way ou Kruskal-Wallis, além da matriz de correlação de Pearson foram usadas para análise estatística. RESULTADOS: Para IMC, nível de AF e QV não houve diferença (p<0,05) entre os grupos. Para TP, os grupos hidroginástica e ginástica foram diferentes (p<0,05) em relação ao TR. Houve correlação estatística para TP vs. frequência de caminhar/semana (r=0,55; p=0,03) e TP vs. frequência de atividade vigorosa/semana (r=0,57; p=0,03) no grupo hidroginástica, onde esta última correlação também ocorreu no grupo de ginástica (r=0,62; p=0,03). CONCLUSÃO: Os grupos hidroginástica e ginástica tiveram mais TP comparado ao TR, porém para IMC e QV nenhuma correlação ou diferença (p<0,05) foi evidenciada. Embora, haja associações com o nível de AF, não é possível afirmar que o TP de exercício determinou os melhores resultados ou associações para IMC e para QV

Endereço: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbqv/article/view/3831

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.