Análise da Percepção da Qualidade de Vida em Praticantes de Musculação de Um Projeto Social

Por: Camila Cristina Fonseca Bicalho, e Michelle Lopes Gonçalves.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.7 - n.3 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar a percepção da qualidade de vida (QV) dos praticantes de musculação na academia de um projeto social. Participaram 74 sujeitos (63 do sexo feminino), distribuídos em dois grupos de 37 participantes: (1)grupo da musculação (GM) e o (2)grupo da musculação associado com outro exercício físico (GMEF). Foi utilizada a versão abreviada do WHOQOL para avaliar a qualidade de vida e questionário demográfico para caracterização da amostra. Os procedimentos estatísticos foram calculados pelo pacote SPSS® versão 21.0. Quanto à percepção geral de saúde em ambos os grupos, o resultado obtido foi uma boa percepção de QV. O GMEF alcançou maiores valores médios de QV em todos os domínios quando comparado ao GM, com diferença significativa para domínio social (p=0,027) e domínio psicológico (p=0,004). Intragrupo (GMEF e GM), o domínio social (74,94) apresentou-se estatisticamente maior seguido dos domínios físico (73,24) e psicológico (61,94). Conclui-se que a prática na musculação é capaz de contribuir na qualidade de vida nos domínios social, físico e psicológico. O estudo é ressalta a relevância das políticas públicas relacionadas ao incentivo da prática de exercício físico e melhora da qualidade de vida da população mineira.

Referências

World Health Organization. Global strategy on diet, physical activity and health, 2004. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2018.

Almeida-Brasil CC, Silveira MR, Silva KR, Lima MG, Faria CDCM, Cardoso C.L, et al. Qualidade de vida e características associadas: aplicação do WHOQOL-BREF no contexto da Atenção Primária à Saúde. Rev Ciênc Saúde Colet. 2017;22(5):1705-16.

Nahas, MV. A Era do Estilo de Vida. In: NAHAS, M.V. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 2001; Londrina: Midiograf:5-21.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco para doenças crônicas por inquérito telefônico2013. Brasília, DF: Ministério da Saúde. 2014.

Brasil. Ministério do Esporte. Di-esporte: Diagnóstico Nacional do Esporte: Caderno I. Brasília. 2015.

Liz CM, Andrade A. Análise qualitativa dos motivos de adesão e desistência da musculação em academias. Rev Bras Ciênc Esporte. 2016;38(3):267-74.

Brasil. Instituto de Pesquisas Econômicas Administrativas e Contábeis de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 22 de maio 2018.

Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: Brasília (DF): Senado Federal; 1988.

Singer H. O bairro-escola: tecnologias sociais para territórios educativos. Em Singer H (Org.). Territórios Educativos. Experiências em diálogo com o bairro-escola. São Paulo: Moderna, 2015. p 13-14.

Ribeiro MSS, Ribeiro CV. Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE): elementos para avaliação de projetos sociais em Juazeiro, Bahia, Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 2015; 19(53); 337-48.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 2000.

Póvoa TIR, Jardim PCBV, Sousa ALL, Jardim TDSV, Souza WKSB, Jardim LSV. Treinamento Aeróbico e resistido, qualidade de vida e capacidade funcional de hipertensas. Rev Bras Med Esporte. 2014;20(1):36-40.

Roma MFB, Busse AL, Betoni RA, Melo ACD, Kong J, Santarem JM, Jacob Filho W. Efeitos das atividades físicas resistidas e aeróbia em idosos em relação à aptidão física e à funcionalidade: ensaio clínico prospectivo. Inst Israelita Ensino Pesq Albert Einstein. 2013;11(2):153-7.

Fleck M, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. J Public Health. 2000;34(2):178-83.

Queiroz CO, Munaro HLR. Efeitos do treinamento resistido sobre a força muscular e a autopercepção de saúde em idosas. Rev Bras Geriat Geront. 2012;15(3):547-53.

Pucci GCMF, Rech CR, Fermino RC, Reis RS. Associação entre atividade física e qualidade de vida em adultos. Rev Saúde Públic. 2012;46(1):166-79.

Hallal PC. Atividade física e saúde no Brasil: pesquisa, vigilância e políticas. Cad Saúde Públic. 2014;30(12):1-3.

The Whoqol Group. The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). In: Orley, J.; Kuyken, W. (Eds.) Quality of life assessment: international perspectives. Heidelbreg: Springer Verlag:41-60. 1994.

Pedroso B, Pilatti LA, Gutierrez GL, Picinin CT. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-bref através do Microsoft Excel. Rev Bras Qualid Vida. 2010;2(1):31-36.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil. Disponível em: . Acesso em: 22 de maio de 2018.

Caputo EL, Costa MZ. Influência do exercício físico na qualidade de vida de mulheres pós-menopáusicas com osteoporose. Rev Bras Reumat. 2014;54(6):467-73.

Machado DGS, Silva VS, Nascimento Neto LI, Farias Junior LF, Fonteles AI, Silva SKA, Medeiros RMN. Exercício físico em academia, qualidade de vida e satisfação com a saúde. Rev Bras Qualid Vida. 2015;7(4):269-78.

Sherbourne CD, Meredith LS, Rogers W, Ware JE. Social support and stressful life events: age differences in their effects on health related quality of life among chronically ill. Quality Life Research. 1992;1(4):235-46.

Jakobsson U, Hallberg IR, Westergren A. Overall and health related quality of life among the oldest old in pain. Quality Life Research. 2004;13(1):125-36.

Souza LK, Hutz CL. Relacionamentos pessoais e sociais: amizade em adultos. Psicologia em estudo (online) 2008;13(2):257-265

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/3744

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.