Análise das Cargas de Treinamento e Marcadores de Estresse em Atletas de Futsal

Por: Vinicius Flávio Milanez.

2011 26/08/2011

Send to Kindle


Resumo

Os atletas de futsal são submetidos a altas cargas de treinamento (CT) em busca de adaptações fisiológicas para atender as exigências metabólicas das partidas. Entretanto CT excessivas e/ou períodos curtos de recuperação, podem provocar efeitos indesejáveis para os atletas, tal como a queda de desempenho. Analisar a distribuição da intensidade de treinamento, o efeito dose resposta entre CT e marcadores de estresse se faz necessário para melhorar a preparação dos atletas. Assim os objetivos desse estudo são descrever o padrão de distribuição da intensidade de treinamento das sessões, verificar a associação entre os métodos de quantificação de CT baseados na percepção subjetiva de esforço (PSE da sessão) e na freqüência cardíaca (FC) proposto por Lucia et al., (1) (LuciaTRIMP), verificar a influência da potência aeróbia (VO2max) sobre a carga interna de treinamento e avaliar o efeito das CT sobre parâmetros de imunidade da mucosa oral e de sintomas de estresse no futsal. Os resultados mostraram uma distribuição de intensidade 76, 18 e 6% abaixo do limiar ventilatório (LV), entre LV e ponto de compensação respiratório (PCR) e acima do PCR respectivamente, e forte correlação individual (r = 0,81) entre os métodos PSE da sessão vs LuciaTRIMP. O VO2max apresentou forte correlação inversa (r = - 0,78) com a CT. O modelo de regressão de segunda ordem mostrou forte correlação dose resposta (r2 = 0,72 – 0,94) entre CT com a redução dos valores de sIgA e com os conceitos pior que o normal de sintomas de estresse do questionário DALDA. Os resultados do presente estudo acrescentam relevantes informações na literatura no que diz respeito à modalidade de futsal semiprofissional sub 18. O padrão de distribuição da intensidade de treinamento descrita nesse estudo difere dos modelos de distribuição (entre os limiares e polarizado) normalmente descritos para modalidades de endurance, sugerindo a existência de um terceiro modelo de distribuição de treinamento em formato decrescente (> volume na intensidade abaixo do LV, intermediário entre LV e PCR, e < volume acima de PCR); a PSE da sessão parece ser um método adequado para auxiliar os técnicos e preparadores físicos na quantificação das CT; atletas com maiores níveis de VO2max reportam menores valores de carga interna de treinamento para uma similar carga externa; altas cargas de treinamento diminuem significantemente a concentração de sIgA; o DALDA parece ser sensível a alterações na intensidade das CT. 

Endereço: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000168245

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.