Análise das Impressões Plantares de Praticantes de Ballet Clássico

Por: Aline Nogueira Haas, Fellipe Santos Resende, Patrícia de Sá Barros e Rodrigo Paschoal Prado.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Referências
1. Daprati E, Losa M, Haggard P. A dance to the music of time: aesthetically-relevant changes in body posture in performing. PloS One. 2009; 4: 5023.
2. Khan K, et al. Overuse injuries in classical ballet. Sports Med. 1995; 19: 341-357.
3. Coplan JA. Ballet dancer’s turnout and its relationship to self-reported injury. J Orthop Sports PhysTher. 2002; 32: 579-584. 4. Picon AP, Costa PHL, Sousa F, Sacco ICN, Amadio AC. Biomecânica e ballet clássico: uma avaliação de grandezas dinâmicas do sauté em primeira posição e da posição en pointe em sapatilhas de pontas. Motriz. São Paulo. 2002; 16: 53-60. 5. Prati SRA, Prati ARC. Níveis de aptidão física e análise de tendências posturais em bailarinas clássicas. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. 2006; 8: 80-87.
51 Impressões plantares em praticantes de ballet
R. bras. Ci. e Mov 2017;25(3):44-52.
6. Albisetti W, Perugia D, Bartolomeo O, Tagliabue L, Camerucci E, Calori GM. Stress fractures of the base of the metatarsal bones in young trainee ballet dancers. Int Orthop. 2010; 34:51-55.
7. Barcellos C, Imbiriba LA. Alterações posturais e do equilíbrio corporal na primeira posição em ponta do balé clássico. Rev. Paul. Educ. Fís. 2002; 16: 43-52.
8. Field D, Palastanga N, Soames R. Anatomia e movimento humano: estrutura e função. 3. ed. São Paulo: Manole; 2000.
9. Gross J, Fetto J, Rosen E. Exame musculoesquelético. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000.
10. Starkey C, Ryan J. Avaliação de lesões ortopédicas e esportivas. Barueri, São Paulo: Manole; 2001.
11. Magee DJ. Avaliação musculoesquelética. 3. ed. São Paulo: Manole; 2002.
12. Bricot B. Posturologia. 2. ed. São Paulo: Ícone; 2001.
13. Neto BA. Baropodometria, essencial para o diagnóstico. O Coffito. 2002; 1: 16-19.
14. Oliveira AP, Souza DE. Tratamento fisioterapêutico em escoliose através das técnicas de Iso-Stretching e manipulações osteopáticas. Ter. man. 2004; 2: 104-113.
15. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: World Health Organization; 2000. p. 256.
16. Hernandez AJ, Kimura LK; Laraya MHF; Fávaro E. Calculation of Staheli’s plantar arch index and prevalence of flat feet: A study with 100 children aged 5-9 years. Acta Ortop Bras. 2007; 15(2): 68-71.
17. Filoni E, Filho JM, Fukuchi RK, Gondo RM. Comparação entre índices do arco plantar. Rev Educ Fís. 2009; 5: 850-860.
18. Viladot A. 15 Lições De Patologia do Pé. 2. ed. [S.l.]: Revinter Editora; 2003.
19. Marczak J. Análise postural através de baropodometria no ballet clássico. [Dissertação de Especialização]. Maringá: Centro Universitário de Maringá; 2004.
20. Munro BH, Visintainer MA, Page EB. Statistical methods for health care research. Philadelphia: JB Lippincott; 1986.
21. Matus JJ, Pérez DI. Adaptaciones em el apoyo Del pie em niñas que pratican danza. Acta Ortop Mex. 1999; 13: 77-81. 22. Militão LN, Santos AS, Santana LA. Prevalência dos tipos de pés de praticantes de ballet clássico que utilizam sapatilhas de ponta. Fisioter. Bras. 2011; 12: 406-409. 23. Guimarães ACA; Simas JPN. Lesões no ballet clássico. Rev. educ. fis. 2001; 12(2): 89-96. 24. Prati SRA, Prati ARC. Níveis de aptidão física e análise de tendências posturais em bailarinas clássicas. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. 2006; 8: 80-87.
25. Duarte A, Lopes D, Kathen TT, Braz MM. Padrão postural de bailarinas clássicas. Fisioter. Bras. 2009; 10: 419-423. 26. Picon AP, Franchi SS. Análise antropométrica dos pés de praticantes de ballet clássico que utilizam sapatilhas de ponta. Rev. Bras. Mult. 2015; 11: 177-188.
27. Bertelli CC, Henriquez NVD. Avaliação biomecânica a partir da análise postural e distribuição plantar de bailarinas clássicas. [Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação]. Brasília: Centro Universitário de Brasília; 2010. 28. Pequeno ADS. Análise dos arcos plantares de praticantes de dança de salão, folclórica e balé na cidade de Campina Grande-PB. [Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba; 2014.
29. Cunha LG, Rosas RF. Alterações posturais em crianças que praticam ballet clássico entre 8 e 12 anos de idade. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Santa Catarina: Unisul; 2010.
30. Thiesen T, Sumiya A. Equilíbrio e arco plantar no balé clássico. Conscientia e saúde. 2011; 10: 138-142.
31. Amaral AD, Higashiama T, Oliveira CS. Análise baropodométrica estática plantar comparativa entre adultos jovens sedentários e bailarinos. X Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação. Universidade do Vale do Paraíba; 2005.
32. Sousa SWB, Silva ÉQD, Carvalho GSD, Barroso JDC, Camurça MM, Cunha RHD. Caracterização da pressão plantar de praticantes de ballet do Corpo de Dança do Amazonas. EFDeportes.com, Revista Digital [periódico na internet]. 2015; Disponível em http://www.efdeportes.com/efd206/pressao-plantar-de-praticantes-de-ballet .htm [2016 11 mai].
RESENDE et al.
R. bras. Ci. e Mov 2017;25(3):44-52.
52
33. Bertoni IG. A dança e a evolução, o ballet e seu contexto teórico, programação didática. São Paulo: Temz do Brasil; 1992.
34. Clippinger-Robertson K. Principles of dance training. In: Clarkson PM, Skrinar M. Science of dance training. Champaign, IL: Human Kinetics Books; 1988. p. 45-90. 35. Simas JPN, Melo SIL. Padrão postural de bailarinas clássicas. Rev. educ. fis. 2008; 11: 51-57.
36. Lorrenzzetti BNF, Morales PJC. Treinamento de Potência para bailarinas iniciantes em dança clássica: uma análise no movimento de “sauté” em primeira posição. Rev. FUNDARTE. 2014; 1: 42-59.
37. Cooper DR, Schindler PS. Métodos de Pesquisa em Administração. 7. ed. São Paulo: Bookman; 2003.
38. Haas AN, Plaza MR, De Rose EH. Estudo antropométrico comparativo entre meninas espanholas e brasileiras praticantes de dança. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. 2000; 2: 50-57.


O ballet clássico é uma forma de dança tradicional que utiliza a ponta como posição básica, com o pé em posições extremas, predispondo-o diversas alterações morfológicas. O objetivo deste estudo foi analisar as impressões plantares de praticantes de ballet clássico, e correlacionar o tipo de pé com o tempo de prática de ballet e o tempo de uso de sapatilha de ponta. A amostra foi composta por 34 praticantes de ballet de escolas de dança no município de Mineiros e Goiânia em Goiás. As variáveis registradas foram sexo, idade, tempo de prática de ballet e tempo de uso de sapatilha de ponta, medida do Índice de Massa Corporal e avaliação da impressão plantar através da plantigrafia e baropodometria. A média de idade das praticantes foi de 18 anos com valores normativos de índice de massa corporal, 10 anos em média de tempo de prática de ballet, e média de 5 anos do tempo de uso de sapatilhas de ponta. Análise geral das 68 impressões plantares apontou predomínio de pés planos. Quando a análise foi feita individualmente por pés, direito e esquerdo, evidenciou predomínio de pés planos e cavos, respectivamente. Os achados baropodométricos demonstraram maior pressão e área plantar nos pés do lado direito (quadrante anterior) e distribuição de pressão semelhante em ambos os pés. Não foi observada correlação significativa entre os tipos de pés e o tempo de prática de ballet clássico, e o tempo de uso de sapatilha de ponta. Estudos futuros podem contribuir para um consenso sobre os tipos de alterações encontradas nessa modalidade de dança.
 

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/44

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.