Análise de Teste Aeróbico em árbitros de Basquetebol e Tempo de Recuperação de Frequência Cardíaca

Por: Alejandro Vaquera, Cassiano Teixeira, Flávia Renata de Almeida, Pablo Morales Barbian e Ramiro Marques Inchauspe.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.22 - 2020

Send to Kindle


.Resumo

O estudo analisou o condicionamento físico e o tempo de recuperação da frequência cardíaca máxima de 12 árbitros internacionais utilizando-se o teste de 20 metros com beep para avaliar o condicionamento cardiorrespiratório, com a frequência para controlar o tempo de recuperação do pós-teste cardíaco máximo. A maioria dos árbitros obteve uma recuperação de frequência cardíaca superior a 50% em 3 minutos, foram aqueles que atingiram os níveis de bom a excelente na tabela de VO2 máximo. Mesmo com alguns fatores influenciando seu desempenho físico, a maioria dos árbitros conseguiu completar o teste aeróbico e obteve uma boa recuperação da frequência cardíaca, os outros que não conseguiram atingir a meta de teste tiveram a recuperação da FC em 3 minutos muito abaixo do esperado, Destacando, assim, a associação do VO2 máximo entre bom e excelente com a recuperação da frequência cardíaca.

Referências

Simonsick EM. Fitness and cognition: Encouraging findings and methodological considerations for future work. J Am Geriatr Soc 2003; 51(4):570-1.

Barnes DE, Yaffe K, Satariano WA, Tager IB. A longitudinal study of cardiorespiratory fitness and cognitive function in healthy older adults. J Am Geriatr Soc 2003;51(4):459-65.

Pescatello I, Linda S, editors. ACSM’s guidelines for exercise testing and prescription, 10th Ed. Philadelphia: Lea & Febiger; 2003.

Borg, G. Escalas de Borg para a dor e o esforço percebido, 1st ed. São Paulo: Manole; 2000.

Añez CR, Hino A. Manual prático para a aplicação do teste de Vai-e-Vem (20m) de Léger; 2013. [homepage on the internet cited on 2019 May 20. Available at https://gpaq.com.br/wp-content/uploads/2013/11/Manual-L%C3%A9ger-Modificado-v2.pdf]

Powers SK, Howley ED. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e no desempenho. São Paulo: Manole; 2000.

Wilmore JH, Costill DL. Fisiologia do esporte e do exercício. São Paulo: Manole; 2001.

Catai AM, Chacon-Mikahil MP, Martinelli FS, Forti VA, Silva E, Golfetti R, et al. Effects of aerobic exercise training on heart rate variability duringwakefulness and sleep and cardiorespiratory responses of young andmiddle-aged healthy men. Braz J Med Biol Res 2002;35(6):741-52.

International Federation of Basketball. Operations manual for national member federations; 2017. [homepage on the internet cited on 2019 May 21. Available at http://www.fiba.basketball/en/Module/c9dad82f-01af-45e0-bb85-ee4cf50235b4/9cf4fb76-856a-4d04-85e7-1f777ce065a3]

Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem, Métodos, avaliação e utilização, 5th ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Zhu S, Heo M, Plankey M, Faith MS, Allison DB. Associations of body mass index and anthropometric indicators of fat mass and fat free mass with all-cause mortality among women in the first and second National Health and Nutrition Examination Surveys follow-up studies. Ann Epidemiol 2003;13(4):286-93.

Duarte M, Duarte CR. Validade do teste aeróbico de corrida de vai-e-vem e 20 metros. Rev Bras Cienc Mov 2001;9(3):7-14.

Buchheit M, Papelier Y, Laursen PB, Ahmaidi S. Noninvasive assessment of cardiac parasympathetic function: postexercise heart rate recovery or heart rate variability? Am J Physiol Heart Circ Physiol 2007;293(1):H8-10.

Coote JH. Recovery of heart rate following intense dynamic exercise. Exp Physiol 2010;95(3):431-440.

Borresen J, Lambert, MI. Autonomic control of heart rate during and after exercise: measurements and implications for monitoring training status. Sports Med 2008;38(8):633-646.

Kiviniemi AM, Hautala AJ, Kinnunen H, Tulppo MP. Endurance training guided individually by daily heart rate variability measurements. European J Appl Physiol 2007;101(6):743-751.

Ando S, Kokubu M, Yamada Y, Kimura M. Does cerebral oxygenation affect cognitive function during exercise? Eur J Appl Physiol 2011;111(9):1973-1982.

Merege Filho CAA, Alves CRR, Sepúlveda CA, Costa AS, Lancha Junior AH, Gualano B. Influência do exercício físico na cognição: uma atualização sobre mecanismos fisiológicos. Rev Bras Med Esporte 2014;20(3):237-241.

Cotman CW, Engesser C. Exercise enhances and protects brain function. Exerc Sport Sci Ver 2002;30(2):75-79.

Antunes HKM, Santos RF, Cassilhas R, Santos RVT, Bueno OFA, Mello MT. Exercício físico e função cognitiva: uma revisão. Rev Bras Med Esporte 2006;12(2):108-114.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2020v22e67015

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.