Análise Eletromiográfica de Três Exercícios de Core do Mat Pilates e Suas Implicações Para a Dor Lombar Crônica Inespecífica

Por: Ivye Leite dos Reis Pereira.

84 páginas. 2014 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Devido a grande prevalência de lombalgia não-especifica, esse estudo buscou conhecer melhor sobre o uso do método Pilates no tratamento desta doença. Os objetivos foram descrever e comparar o padrão eletromiográfico da musculatura do core durante exercícios intermediários do Mat Pilates em pessoas saudáveis e com lombalgia não-específica, bem como relatar as diferenças entre os exercícios e a sequência de progressão de cada exercício para fins terapêuticos. A amostra foi composta por 32 pessoas (13 com lombalgia crônica não-específica e 19 saudáveis) com idade entre 18-45 anos e sem contato prévio com o Pilates. Os músculos multífido, oblíquo externo, oblíquo interno e reto abdominal foram avaliados eletromiograficamente e exercícios clássicos do repertório foram escolhidos (Single leg stretch, Criss-cross e Dead bug). Utilizou-se um eletromiógrafo de superfície de 8-canais, wireless, sincronizado com a variação angular de quadril e os dados coletados em 2 kHz. Analisamos (a) Root mean square (RMS) normalizado pela contração voluntaria máxima, (b) pico do envoltório normalizado pela contração voluntaria máxima; (c) tempo do pico de ativação e (d) co-contração entre a musculatura flexora e extensora (reto abdominal / oblíquo externo / oblíquo interno X multífido). Foram realizadas ANOVAs para medidas repetidas para comparar os exercícios entre si quanto as variáveis RMS e pico de ativação. E, ANOVAs 2 fatores para se comparar os grupos e exercícios para as variáveis tempo de pico de ativação e co-contração. Como resultados, obtivemos que o exercício criss-cross apresentou maiores valores de RMS para os flexores de tronco - reto abdominal, oblíquo externo e interno - quando comparado com os outros exercícios. Os maiores picos de ativação foram dos músculos oblíquo interno e externo no exercício Criss-cross, seguidos do Single leg stretch e do Dead bug, os quais se apresentaram mais similares entre si. O tempo do pico de ativação do reto abdominal e oblíquo externo mostraram-se mais adiantados para o Dead bug e Single leg stretch, enquanto que para o Criss-cross, foram mais atrasados em ambos os grupos. Tanto controles quanto lombálgicos apresentaram maiores índices de cocontração no exercício Dead bug e Single leg stretch, sendo que o Criss-cross apresenta o menor índice deles, com exceção da razão entre obliquo externo e multífido nos controles. Os grupos estudados foram semelhantes entre si em todos os exercícios em relação à co-contração, mas o tempo de pico do reto abdominal e do oblíquo externo dos lombálgicos apresentaram-se mais adiantados que os controles. Podemos concluir que os exercícios foram diferentes quanto a seu padrão de recrutamento do core mesmo tendo a mesma classificação dentro do método - intermediários- e que em termos de progressão clínica para o tratamento de lombalgia crônica, deveríamos iniciar com os exercícios menos desafiadores (Dead bug, Single leg stretch) e somente então evoluir para exercícios mais complexos que demandem de maior estabilização lombo-pélvica (Criss-cross). O método Pilates permitiu a ativação da musculatura estabilizadora lombo-pélvica mesmo em uma primeira sessão, tanto com indivíduos saudáveis quanto lombálgicos, podendo ser portanto indicado nos casos de reabilitação de indivíduos com lombalgia crônica não específica desde que com progressão adequada.

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5170/tde-27022015-102351/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.