Análise Individual das Concentrações da Creatina Quinase em Jogadores de Elite do Futebol Brasileiro

Por: Adriano Lima Alves, , Eduardo Mendonça Pimenta, , João Gustavo Claudino e Rodrigo Figueiredo Morandi.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.21 - n.2 - 2015

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: determinar o perfil individual das concentrações sanguíneas de creatina quinase em jogadores de futebol de elite, bem como, analisar as concentrações de CK em diferentes períodos durante o campeonato brasileiro. Métodos: a CK de repouso de 17 jogadores de futebol foi avaliada antes da competição (pré-temporada) e após as partidas (36 e 46 horas após os jogos) (CK Game) para obter a CK sanguínea individual. O teste de Chi-quadrado foi utilizado para analisar a CK individual durante a temporada. A temporada competitiva foi dividida em três períodos: inicial, intermediário e final. A ANOVA one-way com medidas repetidas seguida pelo teste post hoc Student-Newman-Keuls foi utilizada para comparar a CK individual de cada jogador de futebol em cada período competitivo. O nível de significância adotado foi de p < 0,05. Resultados: a maior frequência da CK individual foi encontrada no segundo quartil (71 observações) e a menor frequência no primeiro (26 observações) e no quarto quartil (40 observações) em comparação com o número esperado de 45,8(x2= 22,21). As concentrações de CK foram menores nos períodos intermediário (média = 66,99%) e final (média = 60,21%) do que no período inicial (média = 89,33%). Conclusão: os jogadores de futebol não apresentaram dano muscular elevado e provavelmente uma adaptação muscular ocorreu na competição, devido à redução observada das concentrações de CK.
 

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-86922016000200097&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.