Análise do Perfil Ideal do Treinador de Voleibol das Seleções Brasileiras Juvenis

Por: Dietmar Samulski, e Mariana Lopes.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.12 - n.4 - 2004

Send to Kindle


Resumo

Os objetivos dessa pesquisa foram analisar o perfil do treinador ideal sob a ótica dos atletas da seleção brasileira juvenil de voleibol e comparar esse perfil em relação ao gênero do atleta. Para traçar o perfil do treinador de voleibol de preferência dos atletas, foi aplicada a Escala de Liderança no Desporto (ELD) desenvolvida e baseada no modelo de Chelladurai e Saleh (1978). A amostra foi composta de 30 atletas, sendo 12 do gênero masculino e 18 do gênero feminino. Realizou-se um levantamento estatístico dos fatores de maior e menor preferência de comportamento do treinador sendo que os que apresentaram maior preferência foram: “procure que os atletas obtenham o máximo rendimento” (3,80±0,41) e “preste atenção particular à correção dos erros dos atletas” (3,69±0,54). Foi aplicado um teste de comparação de médias (U-Mann Whitney) entre os gêneros, para todas as situações e para as cinco dimensões avaliadas pelo instrumento (democrática, autocrática, reforço, treino-instrução e suporte social). Não detectou-se diferença estatística significativa (p < 0,05) na comparação das dimensões entre os gêneros. Em todas as análises, o comportamento do treinador avaliado pelos atletas como sendo o mais desejado foi o de treino-instrução e o de menor preferência foi o autocrático. PALAVRAS-CHAVE: Liderança, treinador ideal, voleibol.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.