Análise da Produção do Conhecimento Sobre o Envelhecimento, Velhice e Atividade Física em Teses e Dissertações

Por: Rosecler Vendruscolo.

311 páginas. 2013 30/08/2013

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi revisar a produção do conhecimento brasileira sobre o tema “envelhecimento, velhice e atividade física”, a partir da análise das teses/dissertações do banco de teses da CAPES no período de 1987 a 2011, identificando tendências, lacunas e contribuições. Para sua efetivação, realizamos por uma pesquisa de caráter exploratória e descritiva da produção discente dos Programas Nacionais de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física, Educação, Psicologia, Fisiologia, Antropologia, Sociologia, Epidemiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Nutrição, Medicina, Saúde Coletiva e outras. Desenvolvemos procedimentos metodológicos de natureza quantitativa e qualitativa para a organização e análise dos dados. Iniciamos descrevendo quantitativamente o cenário da produção no tema em termos de período de defesa, nível de formação, distribuição geográfica e institucional, áreas de formação, enfoques teóricos e temas de pesquisa e aspectos metodológicos encontrados nos resumos. O diagnóstico qualitativo dos dados sistematizou as principais contribuições das teses/dissertações, a partir de uma metodologia que considera alguns preceitos da análise de conteúdo de Bardin (2010). Os resultados evidenciam uma tendência ao aumento das teses e dissertações, em número absoluto durante o período; uma concentração em certas regiões e universidades; bem como a incidência maior no nível de mestrado. A diversidade de campos disciplinares imbricados na geração desse conhecimento demonstra o caráter multidisciplinar e a heterogeneidade epistemológica envolvida na temática. Apesar disso, predominam os temas com enfoque na saúde de cunho fisiológico, biomecânico, médico e técnico em detrimento dos temas sociais, psicológicos e educacionais. Sendo assim, a produção tem se apoiado dominantemente no entendimento da necessidade de um estilo de vida ativo na velhice, no qual as diversas formas de práticas de atividade física são fundamentais ao desenvolvimento da saúde “física”, da capacidade funcional e, consequentemente, das condições de vida das pessoas mais velhas. Os possíveis efeitos de tal tendência da produção podem ser desvantajosos, em longo prazo, no âmbito dos estudos sociais, psicológicos e educacionais. Na medida em que os estudos consideram seus achados como subsídios para a melhor implementação de programas de atividade física, assim como para desenvolver estratégias metodológicas e de avaliação mais adequadas ao trabalho com idosos, necessitamos de um maior equilíbrio entre as áreas de pesquisas e, portanto, das condições de fomento e divulgação das mesmas. Esse equilíbrio apenas será possível quando reconhecermos a efetividade do diálogo entre os conhecimentos – resultantes de cada um dos enfoques das dinâmicas das intervenções – o que poderia se reverter nos benefícios tão propalados a estes, seja do ponto de vista físico, psicológico, social e/ ou cultural. 

Endereço: http://dspace.c3sl.ufpr.br:8080/dspace/handle/1884/32754

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.