Análisis de La Práctica Deportiva de Antigos Alunos da Universidade Pablo de Olavide, Sevilla (españa) En Función Del Género

Por: José ángel Díaz-cabrera, Lucía Carmona-álamos e Marta García Tascón.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.6 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste trabalho é descrever a prática de atividade física (AF) e os conselhos universitários de Sevilla, mais concretamente na Universidade Pablo de Olavide, Sevilla, e identificar a relação da prótese deportiva com o sexo. Participantes 2.014 estudiantes, entre 17 y 57 años y una media de edad de 21.03, todos da misma universidad aunque de diferentes titulaciones, salvo los alumnos becados Erasmus. Se utiliza o subescala de  Atividade Física do «Estilo de vida de universitários universitários» modificado para a Universidade Pablo de Olavide (CEVJU-UPO). Los resultados mais destacados filho, que do total de jóvenes encuestados, un 32.62% dos universitários “siempre” realiza  práctica corporalo algún ejercicio durante a menos de 30 minutos tres veces à semana mientras que un 17.18% dos universitários nunca realizaram práticos cabo durante o menos 30 minutos tres veces a la semana. Tambem pode extrair o total da competição, com um valor de 11,57% dos universitários praticados em um período de 10 meses, com multa competitiva nos últimos 6 meses, o que representa 58,54% do seu tempo como “nunca”. As conclusões não podem ser mais do que a universitária, mas também a prática de competições desportivas, desde o Serviço de Emprego da Universidade, até à realização de todos os objectivos e valores. Dos tercios de la población “no siempre” realiza a sua actividade física menos de 30 minutos antes da semana. A prática deportiva do homem é superior ao respeito à mulher.

Alonso, M., Mirón, JA e Sáenz, MC (2004). Estilos de vida relacionados à saúde (EVRS) em universitários. A tu salud, 46, 10-14.

Astudillo-García, CI, & Rojas-Russell, ME (2006). Autoeficácia y disposición al cambio para a realização de atividade física em universitários universitários. Act Colom Psicol, 9 (1), 41-49. Disponible en http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1135-57272011000400009

Instituto Canadense de Pesquisa de Estilo de Vida e Fitness (2009). Níveis de atividade física de canadenses. Canadá: Canadian Fitness & Lifestyle Instituto de Pesquisa de Ottawa.

Carrión Rubio, C. (2006). La mujer universitaria y el consumo de actividad físico-deportiva. Doutorado em Tese. Valência: Universitat de Valencia. http://www.tdx.cat/bitstream/handle/10803/9717/carrion.pdf

Castillo Fernández, I. e Balaguer, I. (1998). Patronos de atividades físicas em crianças e adolescentes. Apunts Educación física y deportes, 54, 22-29. Disponível em http://www.google.es/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwipmraF6JTUAhVFQBoKHdAJBqQQFggmMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.uv.es%2Ficastill%2Fdocumentos%2F1998.CastilloBalaguer98_Apunts. pdf & usg = AFQjCNFP7GXjdSdC12uCoYuy_LLDtHLZdA & cad = rja

Castillo, I., Balaguer, I. e Tomás, I. (1997). Preditores da prática de atividades físicas em crianças e adolescentes. Anales de psicología, 13 (2), 189-200. Disponível em http://www.um.es/analesps/v13/v13_2/10-13-2.pdf

Castillo, I. e Molina-Garcia, J. (2009). Adiposidad corporal y bienestar psicológico: efectos da actividade física em universitarios de Valencia, España. Salud Pública, 26 (4), 334-340.

Castillo Viera, E., e Giménez Fuentes-Guerra, FJ (2011). Hábitos de prática de atividade física do aluno da Universidade de Huelva. Revista Internacional de Medicina e Ciências da Atividade Física y del Deporte, 41, 8-17. Disponível em Http://cdeporte.rediris.es/revista/revista41/artpractica193.htm

Castañeda-Vázquez, C., Zagalaz-Sánchez, ML, Chacón-Borrego, F., Cachón-Zagalaz, J. e Romero-Granados, S. (2014). Características da prática deportiva em função do género. Estudiantes da Faculdade de Ciências da Educação: Universidad de Sevilla. Retos Nuevas tendencias en educación física, deporte y recreación, 25, 63-67. Disponível em http://www.redalyc.org/pdf/3457/345732291013.pdf

Centros de Controle e Prevenção de Doenças (2007). Prevalência de atividade física regular entre adultos - Estados Unidos, 2001 e 2005. Morbidity and Mortality Weekly Report 56, 46, 1209-1212. Disponível em https://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/mm5646a1.htm

Codina, N., & Pestana, JV (2012). Estudio de la relación del entorno psicosocial en la práctica deportiva de la mujer. Rev. Psicol. Deportar, 21 (2), 243-251. Disponível em https://ddd.uab.cat/pub/revpsidep/revpsidep_a2012v21n2/revpsidep_a2012v21n2p243.pdf

Coleman, L., Cox, L. e Roker, D. (2007). Participação de meninas e mulheres jovens em atividade física: influências psicológicas e sociais. Pesquisa em Educação em Saúde, 23 (4), 633-647.

De Figueirêdo, MJ (2005). Hábitos de atividade física e educacional em estudiosos da Enseñanza Técnica do CEFET de Paraíba, Brasil. Doutorado em Tese. Granada: Universidad de Granada.

Dunstan, DW, Barr, ELM, Healy, GN, Salmon, J., Shaw, JE, Balkau, B., ... & Owen, N. (2010). Tempo de visualização de televisão e mortalidade. Circulation, 121 (3), 384-391. DOI: 10.1161 / CIRCULATIONAHA.109.894824

El Ansari, W., & Stock, C. (2016). Explicando a diferença de gênero na autoavaliação da saúde entre estudantes universitários no Egito. Women & health, 56 (7), 731-744.

Espinoza, L., Rodríguez, F., Gálvez, J. e MacMillan, N. (2011). Hábitos de alimentação e atividade física em universitários universitários. Revista chilena de nutrición, 38 (4), 458-465. Disponível em http://dx.doi.org/10.4067/S0717-75182011000400009

Flood, SE, & Hellstedt, JC (1991). Diferenças de gênero na motivação para a participação atlética intercolegial. Journal of Sport Behavior, 14 (3), 159.

García-Ferrando, M., & Llopis-Goig, R. (2001). Ideal democrático e pessoal pessoal: encuesta sobre os hábitos deportivos na Espanha 2010. Madrid: Conselho Superior de Desportos, Centro de Investigaciones Sociológicas.

García Ferrando, M. (2001). Los espanhois e o desporto: práticas e comportamentos na última década do século XX: (encuesta sobre os hábitos deportivos de los españoles, 2000). Madri: CSD (Ed.). Ministério de Educação, Cultura e Desporto, Consejo Superior de Deportes.

García Ferrando, M. (2005). Encuesta sobre hábitos deportivos de los espanhóis. Avance de resultados. Madri: CSD e CIS.

Gil Madrona, P., González Villora, S., Pastor Vicedo, JC e Fernández Bustos, JG (2010). Atividade física e consumo de álcool na saúde: estudio en España. Reflexiones (Sin mes), 147-161. Disponível em http://hdl.handle.net/10669/28364

Gómez, M., Ruiz, F., Garcia, M., Granero, A., & Piéron, M. (2009). Motivaciones aludidas pelos universitarios que praticam as atividades físico-deportivas. Revista Latinoamericana de Psicología, 41 (3), 519-532. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=80511929009

Gould, D., Feltz, D., Chifre, T. e Weiss, M. (1982). Razões para atrito na natação competitiva para jovens. Journal of Sport Behavior, 5 (3), 155-165.

Hamilton, MT, Hamilton, DG e Zderic, TW (2007). Papel do baixo gasto energético e sentado na obesidade, síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e doença cardiovascular. Diabetes, 56 (11), 2655-2667.

Kane, LaVoi e Fink, (2013). Explorando interpretações de atletas do sexo feminino de elite sobre imagens de mídia esportiva: uma janela para a construção da identidade social e “venda de sexo” no esporte feminino. Communication & Sport, 1 (3), 269-298.

Kavussanu, M., & Ring, C. (2016). Pensamento moral e ação no esporte e na vida estudantil: um estudo da moralidade entre colchetes. Ethics & Behavior, 26 (4), 267-276.

King, AC, Goldberg, JH, & Salmon, J. (2010). Correlatos do tempo prolongado de exibição de televisão em adultos dos EUA para informar o desenvolvimento do programa. Am J Prev Med, 38 (1), 17-26. Disponível em https://doi.org/10.1123/jpah.7.5.595

Kruger J, Carlson SA, Buchner D. Quão ativos são os americanos mais velhos? Prev Dis crônico [serial online] 2007 jul [01/05/2017]. Disponível em: http://www.cdc.gov/pcd/issues/2007/jul/06_0094.htm

López, MG, Juan, FR e Montes, MEG (2010). Actividades físicas-deportivas que exigem os universitários. Espiral Cuadernos del profesorado, 3 (5), 1-15. Disponível em http://www.cepcuevasolula.es/espiral.

Lores, AP, Múrcia, JAM, Gutiérrez, M., & Sicilia, A. (2003). A prática física-deportiva na Universidade. Revista de Psicología del Deporte, 12, 39-54.

Lores, AP, & Murcia, JAM (2006). Diferenças para a análise da prática físico-deportiva dos universitários. Cuadernos de psicologia do desporto, 6 (1), 53-67.

Lores, AP, e Moreno Murcia, JA (2008). Atitude dos universitários ante a práctica físicodeportiva: diferencias por géneros. Revista de psicologia do desporto, 17 (1), 7-23. Disponível em http://www.rpd-online.com/article/view/245/245

Martínez-González, MA, Varo, JJ, Santos, JL, De Irala, J., Gibney, M., Kearney, J. e Martínez, JA (2001). Prevalência de atividade física no lazer na União Européia. Medicina e Ciência em Esportes e Exercício, 33 (7), 1142-1146.

Moreno Múrcia, JA, Martínez Galindo, C. e Alonso Villodre, N. (2006). Atitudes para a prática física-deportiva segundo o sexo do praticante. RICYDE Revista Internacional de Ciências do Desporto, 2 (3).

Organização Mundial da Saúde (OMS) (1948). Constituição da Organização Mundial da Saúde [Documento em linha]. Disponible: http: //www.who. int / gb / bd / PDF / bd46 / s-bd46_p2.pdf.

Organização Mundial da Saúde (OMS) (2007). Documento de Trabajo Subsanar as desigualdades em uma geração. Disponível em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/69830/1/WHO_IER_CSDH_08.1_spa.pdf.

Organização Mundial da Saúde (OMS) (2010). Recomendações mundiais sobre a atividade física para a saúde. Disponível em http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_recommendations/es/

Otero, JM (dir.) (2004). Hábitos e atitudes dos andaluces ante el deporte (2002). Consejería de Turismo y Deporte. Junta de Andalucía.

Oviedo, G., Sánchez, J., Castro, R., Calvo, M., Sevilla, JC, Iglesias A., & Guerra, M. (2013). Nivees de atividade física e adolescente: case de caso. Retos Nuevas tendencias en Educación Física, Deporte y Recreación, 23, 43-47.

Owen, N., Healy, GN, Matthews, CE e Dunstan, DW (2010). Muito sentado: a ciência da saúde da população do comportamento sedentário. Exercício e ciências do esporte comentários, 38 (3), 105. DOI: 10.1097 / JES.0b013e3181e373a2

Pérez-García, JA (2012). Motivaciones y fases de cambio de portación ante a atividade física de desporto em estudiosos da Universidade Autónoma de Nuevo León (México). Tese de doutorado. Sevilla, España: Universidad Pablo de Olavide.

Pavón, A., & Moreno, JA (2006). Opinión De los universitarios sobre a EF y el deporte. Revista de Ciências da Atividade Física, UCM, 8 (8), 25-34.

Prieto Rodríguez, A. (2003). Modelo de promoção da saúde, com ênfase em atividade física, para uma comunidade estudantil universitária. Revista de Salud Pública, 5 (3), 284-300. Disponível em http://pesquisa.bvsalud.org/enfermeria/resource/pt/lil-361283

Ramos, P., Rivera, F., Moreno, C., Jiménez-Iglesias, A. (2012). Análises de base da actividade física e auditiva das adolescentes adolescentes, correlação com a biopsicosocial salud. Rev. Psicol. Deport., 21, 99-106.

Rodríguez Suárez, J. e Agulló, E. (1999). Estilos de vida, cultura, espaço e tempo livre dos estudantes universitários. Psicothema, 11 (2), 247-259.

Ruiz, F., Garcia, ME, & Hernández, AI (2001). Comportamientos de atividade físico-deportivas de tempo libre do aluno almeriense de enseñanza secundaria post obligatoria. Motricidad, 7, 113-144.

Salazar-Torres, IC, Varela-Arévalo, MT, Lema-Soto, LF, Tamayo-Cardona, JA e Duarte-Alarcón, C. (2010). Avaliação das condutas de saúde em universitários. Revista de Salud Pública, 12 (4), 599-611. Disponível em http://revistas.unal.edu.co/index.php/revsaludpublica/article/view/33281

Sánchez, A., Garcia, F., Landabaso, V. e De Nicolás, L. (1998). Participación en actividad física de una universitaria a partir do modelo das fases de cambio no exercício físico: un estudio piloto. Revista de Psicología del Deporte, 7 (2), 233-245. Disponível em http://www.google.es/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwji-9nc7JTUAhUE2BoKHeetAacQFggiMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.rpd-online.com%2Farticle%2Fdownload% 2F101% 2F101 & usg = AFQjCNF0caQhQD85DH0QayrTUzVHFTMCsw & cad = rja

Scanlan, TK, Babkes, ML, e Scanlan, LA (2005). Participação no esporte: um vislumbre do desenvolvimento da emoção. Atividades organizadas como contextos de desenvolvimento: atividades extracurriculares, pós-escola e programas comunitários, 275-309.

Scraton, S. e Flintoff, A. (2002). Feminismo esportivo: A contribuição do pensamento feminista para nossa compreensão de gênero e esporte. Gênero e esporte: um leitor, 30-46.

Warner, S., Bowers, MT, & Dixon, MA (2012). Dinâmica de equipe: uma perspectiva de rede social. Journal of Sport Management, 26 (1), 53-66.

Warner, S., & Dixon, MA (2015). Competição, gênero e experiência esportiva: uma exploração entre atletas universitários. Esporte, Educação e Sociedade, 20 (4), 527-545.

Williams, DM, Raynor, HA e Ciccolo, JT (2008). Uma revisão da visualização de TV e sua associação com resultados de saúde em adultos. American Journal of Lifestyle Medicine, 2 (3), 250-259. DOI: 10.1177 / 1559827608314104.

 

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/230

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.