Apontamentos Sobre a História da Educação Física Escolar no Brasil

Por: Cristiano Israel Caetano, Emilia Devantel Hercules, Fernando Renato Cavichiolli, Hallyne Bergamini Silva Caetano e Josemara Neis.

XV Congresso de História do Esporte, Lazer e Educação Física - CHELEF

Send to Kindle


Resumo

No Brasil, a Educação Física atravessou vários momentos ao longo dos anos, denominadas de tendências. Surgindo a primeira no ano de 1889 até meados de 1930 na chamada Educação Física Higienista. Neste período a valorização recaia sobre sujeitos fortes, com saúde, pautada em comportamentos cognitivos e morais para o crescimento do país, (GONÇALVES et. al., 2002). Conforme Castelani Filho et. al. (2009), no século XVIII e início do século XIX a Educação Física nas instituições escolares era realizada por educadores físicos do exército, compreendida como uma ação puramente prática. Consoante Castelani Filho (1988) a Educação Física se conturba em diversos momentos com a biografia dos militares, prova disso, é a presença dos militares na formação dos primeiros sujeitos em Educação Física. Tais interações foram essenciais para a definição da matéria e seus objetivos, apontando seu campo de trabalho e a maneira como deveria ser ensinada, (GUIMARÃES et. al, 2001). No ano de 1945, o modelo Pedagogicista inseriu a Educação Física como uma ação educativa, isto é, matéria comum ao currículo escolar. Ghiraldelli Júnior (1989) salienta que esta conceituação revelou à sociedade a importância de levar a Educação Física, não apenas como uma atividade que fosse capaz de estimular a saúde, mas sim, enxergá-la como uma ação pedagógica. Após o ano de 1964, surge a Educação Física competitivista, que se findava na disputa e na resistência individual onde tinha a padronização do desporto objetivando futuros campeões olímpicos, (GONÇALVES et. al, 2002). Com o término da 2ª Guerra Mundial, a influência do esporte na instituição escolar evoluiu rapidamente. Esta era reconhecida como uma prorrogação do ambiente esportivo, (CASTELANI FILHO et. Al., 2009). A função do professor nessa fase começou a ser de treinador. O profissional era chamado devido à sua capacidade esportiva, isto é, a concepção de sua função como educador não existia, (BRACHT, 1992). Nesta disposição, nota-se que o educador mantinha um pensamento técnico referente as suas aulas. O mesmo estava presente, essencialmente para organizar e identificar novos atletas que tivessem como preservar a nação. Darido (1999) mostra que na metade dos anos 80, a Educação Física passou por uma discussão no âmbito acadêmico, nascendo várias definições, tendo como base comum, a iniciativa em quebrar o modelo mecanicista. Uma nova descendência de professores de Educação Física censurou os fundamentos da Educação Física das décadas de 60 e 70, que estava direcionada ao esporte de alto rendimento (MAGALHÃES, 2005). O Brasil não se tornou uma potência no esporte, como se previa, e no campo acadêmico, este pensamento recebeu ampla crítica (GÓIS JUNIOR et. al., 2012). Nos dias atuais, coabitam na área, diversos pensamentos que são produtos da vinculação de várias teorias psicológicas, e pensamentos sociológicos e filosóficos. Todas elas buscando uma Educação Física estruturada nas diversas dimensões do indivíduo, (BRASIL, 1997). De acordo com Leucas (2012), tanto na Lei de Diretrizes e Bases (LDB) quanto nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) a Educação Física agrega valorização igual aos outros componentes curriculares. Por fim, a LDB, no artigo 26, §3º propõe uma educação física integrada com a proposta pedagógica da escola, em sintonia com as faixas etárias, inobstante ser facultativa nos cursos noturnos, apresentando um novo momento para a Educação Física na escola.

Referências

BRACHT, V. Educação física e aprendizagem social. Porto Alegre, Magister, 1992.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1997.

________.  Ministério da Educação. Lei N. 9394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/Leis/L9394.htm.

________. Ministério de Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Educação Física / Secretaria de Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998a.

CASTELANI FILHO, L. Educação Física no Brasil: A história que não se conta. Campinas, São Paulo: Papirus, 1988.

CASTELANI FILHO, Lino. et al. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 2009.

DARIDO, S.C. Educação Física na Escola; questões e reflexões. Araras: Topázio, 1999.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. Educação Física progressista. São Paulo: Loyola, 1989.

GÓIS JUNIOR, E et al. Estudo histórico sobre a formação profissional na Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (1980-1990). Motriz, Rio Claro, v.18 n.2, p.393-400, abr./jun. 2012.

GONÇALVES, M. C. et al. Aprendendo a Educação Física. Curitiba: Bolsa Nacional do Livro, 2002.

GUIMARÃES, A. A.; PELLINI, F. Da C.; ARAUJO, J. S. R.; MAZZINI, J. Educação Física escolar: atitudes e valores. Motriz, Rio Claro, v.7, n.1, p. 17-22, 2001.

LEUCAS, C. B. de. Educação física e inclusão. Revista Presença Pedagógica. V. 18, n.104. Março/abril.2012

MAGALHÃES, C. H. F. Breve histórico da Educação Física e suas tendências atuais a partir das identificações de algumas tendências de ideias e ideias de tendências. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v.16, n.1, p.91-102, 2005.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.