Aprendizagem de Uma Tarefa de Controle Postural de Indivíduos Pós-acidente Vascular Encefálico: Efeitos da Especialização Hemisférica

Por: Giordano Márcio Gatinho Bonuzzi.

2014 11/12/2014

Send to Kindle


Resumo

A literatura científica tem atribuído grande relação entre o hemisfério direito e o controle postural, a partir disto, este trabalho buscou investigar a aprendizagem de uma tarefa de controle postural em indivíduos pós- Acidente Vascular Encefálico (pós-AVE). Participantes: Vinte indivíduos pós-AVE foram selecionados, dez indivíduos com o hemisfério direito lesado (Grupo lesado a direita - LD) e dez indivíduos com o hemisfério esquerdo lesado (Grupo lesado a esquerda - LE). Também foram selecionados vinte indivíduos saudáveis pareados por idade para a condição controle (Grupo controle - GC). Metódo: Como tarefa a ser aprendida foi utilizado o jogo Table Tilt do vídeo game Nintendo Wii, provido do sistema balance board. Os participantes foram posicionados em pé sobre a plataforma, e a partir da movimentação do seu centro de pressão houve a possibilidade de controlar um Avatar para alcançar a meta de mover algumas bolas em direção a trajetos específicos. O delineamento foi constituído de um pré-teste com cinco tentativas, seguido de quatro blocos de prática de trinta minutos, sendo que cada bloco foi praticado em dias consecutivos e, posteriormente, um pós-teste com cinco tentativas. Após uma semana sem prática, houve um teste de retenção com características idênticas aos testes anteriores. As variáveis dependentes foram a pontuação do jogo (representando o nível de complexidade alcançado na tentativa), o número de bolas certas (representando a meta da tarefa), e bolas erradas (representando o erro). Para cada variável dependente foi realizado o teste Anova two way (3 grupos x 3 momentos), seguido do post hoc de Tukey. Além disso, para investigar a relação entre complexidade e erro foi conduzido o teste de correlação de Pearson entre a pontuação do jogo e o número de bolas erradas. Resultados: Para a medida que representou a meta da tarefa (número de bolas certas), houve diferença entre LE e o GC (p=0,0001) e LD e GC (p=0,01), todos os grupos melhoraram seu desempenho entre o pré-teste e o pós-teste (p=0,0001), e igualdade entre o pós-teste e o teste de retenção (p=0,86). Para a medida que representou o nível de complexidade (pontuação), houve diferença intergrupo apenas entre LD e GC (p=0,0005), indicando a dificuldade do LD em desempenhar a tarefa em altos níveis de complexidade. Para a medida que representou o erro (bolas erradas), não houve diferença intergrupo (p=0,66), e todos os grupos aumentaram o erro em função da prática (p=0,00), por causa do aumento de complexidade. Conclusão: O lado da lesão não afetou a aprendizagem de uma tarefa de controle postural em indivíduos pós- AVE. No entanto, a habilidade em desempenhar a tarefa em níveis superiores de complexidade faz com que os pacientes pós-AVE com lesão no hemisfério direito sejam mais impactados se comparados com lesão a esquerda. A complexidade da tarefa mostrou-se um aspecto crucial na aprendizagem de indivíduos pós-AVE, pois determinou o aumento do número de erros, ressaltando a diferença entre indivíduos com lesão a direita e a esquerda em uma tarefa de controle postural

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39132/tde-20022015-102221/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.