Aptidão Física Relacionada à Saúde, Qualidade de Vida e Inclusão Social de Adolescentes Participantes das Vilas Olímpicas da Cidade de Fortaleza, Ceará

Por: Cleilton Holanda Pereira.

60 páginas. 2012 18/09/2012

Send to Kindle


Resumo

Diversos programas sociais que usam a atividade física para promover a saúde, qualidade de vida e inclusão social tem sido estimulados e implantados no Brasil. Apesar da relevância poucos estudos investigaram a relação entre estes temas em um programa social para adolescentes. Objetivo: Analisar a aptidão física relacionada à saúde (AFRS), qualidade de vida e inclusão social dos adolescentes integrantes das Vilas Olímpicas da cidade de Fortaleza, Ceará de acordo com o sexo, faixa etária e tempo de participação nas vilas olímpicas. Métodos: este estudo foi realizado com 344 adolescentes, de ambos os sexos, com idade entre 11 e 16 anos. Foram mensuradas a massa corporal e a estatura para a obtenção do IMC. Para a avaliação da aptidão física, foram medidas a flexibilidade, força/resistência muscular (FRM) e aptidão cardiorrespiratória (ApC) utilizando os pontos de corte estabelecidos pelo PROESP-BR como referência para os níveis desejados de cada variável analisada. A qualidade de vida foi avaliada através do questionário WHOQOL-Bref, composto pela qualidade de vida global (QVG) e pelos domínios físico, psicológico, relações sociais e meio ambiente. A inclusão social foi avaliada através de um questionário composto por uma nota de inclusão social total, e seus componentes: grupos e redes; e acesso a serviços. Para análise dos dados, utilizou-se a estatística descritiva, teste t de student, de Mann- Whitney, ANOVA one-way, de Kruskal-Wallis, regressão logística binária e ordinal e correlação de Pearson. Resultados: boa parte dos adolescentes de ambos os sexos não atingiu os critérios mínimos para as variáveis da AFRS, principalmente para a ApC. Meninas apresentaram maiores chances em alcançar níveis desejados para a flexibilidade e FRM do que os meninos e adolescentes mais velhos apresentaram menores chances para a FRM. Sujeitos que participam há mais tempo possuem uma tendência em atingir níveis desejados para flexibilidade e FRM do os que participam há menos tempo. Estes adolescentes indicaram ter uma boa QVG, com as meninas possuindo menores chances em atingir uma melhor qualidade de vida no domínio físico, e adolescentes mais novos tendo maiores chances de atingir uma melhor qualidade de vida. Os valores indicam níveis regulares de inclusão social, com meninos apresentando maiores níveis que as meninas. Adolescentes que participam a mais de três anos vilas olímpicas também tendem a atingir melhores níveis de inclusão social. Conclusão: pode-se concluir que o sexo e a faixa etária apresentaram relações com AFRS, qualidade de vida e inclusão social, dependendo da variável analisada. Verificou-se que os adolescentes participantes da vila olímpica apresentaram baixos níveis para ApC, bons níveis para a QVG e níveis regulares para a inclusão social.

Endereço: http://repositorio.unb.br/handle/10482/11205

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.