Aptidão Física Relacionada à Saúde Associada a Fatores Sociodemográficos e Maturação Sexual em Adolescentes Brasileiros de Origem étnica Germânica

Por: Giseli Minatto.

2012 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

A aptidão física é um importante marcador de saúde desde a infância e adolescência. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi verificar o perfil da aptidão física relacionada à saúde (composição corporal, aptidão muscular e aptidão cardiorrespiratória) de acordo com a idade cronológica e biológica (maturação sexual) e estimar a prevalência da baixa aptidão física e sua associação com os indicadores sociodemográficos (idade, zona de domicílio e nível econômico) controlados pela maturação sexual em adolescentes residentes em uma cidade de pequeno porte e de colonização germânica. Estudo epidemiológico seccional, de base escolar realizado com os adolescentes (10 a 17 anos) da rede pública de ensino de São Bonifácio, SC (n=277; 145 rapazes e 132 moças). Utilizou-se a bateria de testes FITNESSGRAM® para a mensuração e avaliação da composição corporal (percentual de gordura), flexibilidade (teste de senta e alcança modificado), força/resistência muscular (teste de abdominal e flexão de braços em suspensão modificado) e aptidão cardiorrespiratória (Vaivém # consumo máximo de oxigênio - VO2max). Sexo, idade cronológica, nível econômico e zona de domicílio foram coletados como variáveis independentes. A maturação sexual foi auto-avaliada por meio das pranchas de desenvolvimento dos pelos púbicos. Aplicaram-se os testes t de Student, ANOVA one-way e two-way, teste post hoc de Bonferroni e os equivalentes não paramétricos, teste U de Mann-Witney e Kruskal-Wallis. Foram estimadas as razões de chances (OR) e seus respectivos intervalos de confiança (IC95%) nos testes de regressão logística binária e multinomial. As freqüências relativas foram testadas por meio do teste de duas proporções. A prevalência de adolescentes com baixa aptidão física em todos os componentes simultaneamente foi de 74,6% para os rapazes e 88,5% para as moças (p=0,01). As moças apresentaram maiores médias de percentual de gordura corporal e de flexibilidade (p<0,01), enquanto os rapazes apresentaram melhor (p<0,01) desempenho nos testes de flexão de braços e vaivém. O percentual de gordura corporal, nos rapazes, diferiu entre os estágios maturacionais, sendo a diferença de 11,4% no estágio P1 (p=0,04) e de 10,2% no P3 (p<0,01) em relação ao estágio P5. Na aptidão muscular, a flexibilidade no estágio P2 foi menor em 5,1cm comparado a P5 (p=0,03) e diferenças foram encontradas no teste de abominais (p=0,02) e para aptidão cardiorrespiratória (p<0,01). Nas moças, médias de VO2max foram mais baixas para as adolescentes nos estágios finais de maturação. Nas associações, as moças de 10-13 anos estiveram menos expostas a combinação do excesso de gordura corporal com a aptidão cardiorrespiratória baixa (OR=0,17; IC95%=0,07-0,46) em relação às de 14-17 anos e a baixos níveis de aptidão física nos três componentes comparadas aquelas com níveis satisfatórios (OR=0,09; IC95%=0,01-0,72). As adolescentes residentes na zona rural apresentaram maiores chances de ter as combinações do excesso de gordura corporal com a aptidão muscular baixa (OR=5,08; IC95%=1,31-19,80) e da aptidão muscular baixa com a aptidão cardiorrespiratória baixa (OR=5,49; IC95%=1,24-24,36) e maior exposição a dois (OR=9,53; IC95%=1,68-54,09) componentes baixos independentemente da combinação. Programas efetivos de intervenção são necessários para a promoção de mudanças no perfil da aptidão física relacionada à saúde dos adolescentes de São Bonifácio, SC, com especial atenção às moças de 14-17 anos e as residentes na zona rural.

Endereço: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/96474

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.