Aptidão Funcional de Mulheres de Meia-idade e Idosas Ingressantes em Um Programa de Atividades Físicas em Unidades de Saúde

Por: Marcos Roberto Brasil, Timothy Gustavo Cavazzotto e Vinícius Machado de Oliveira.

Revista Brasileira de Qualidade de Vida - v.8 - n.1 - 2016

Send to Kindle


Resumo

OBJETIVO: Comparar a aptidão funcional entre mulheres de meia-idade e idosas ingressantes em um programa de atividades físicas. MÉTODOS: Participaram do estudo 64 mulheres, divididas em dois grupos, sendo Grupo da Meia-Idade (G1: 46,8±9,0 anos) e Grupo Idoso (G2: 66,3±4,3 anos). Os componentes da aptidão funcional foram verificados através da bateria de testes da American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance (AAHPERD), depois analisados estatisticamente e por normatizações propostas na literatura. RESULTADOS: Os resultados demonstraram diferenças significativas em três parâmetros da aptidão funcional, a resistência aeróbia (G1: 525,3±64,3seg; G2: 577,4±91,1seg; p<0,01*), a agilidade (G1: 28,1seg±5,4seg; G2: 31,6±6,1seg; p<0,01*) e a coordenação (G1: 16,8seg±8,4seg; G2: 21,5seg±10,7seg; p<0,01*), os quais se apresentaram melhores no grupo da meia-idade. Entretanto, quando comparados por meio de valores normativos, ambos os grupos foram classificados com aptidão funcional como fraca. CONCLUSÕES: Os dados presentes neste estudo revelam que o comprometimento da aptidão funcional pode ocorrer mais cedo, principalmente em função da insuficiência da atividade física, que pode acelerar o processo de envelhecimento. Os resultados indicam que ambos os grupos são insuficientemente ativos fisicamente.

Endereço: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbqv/article/view/3690

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.