As Alterações no Pico de Torque Ocorrem Sem Modificações em Parâmetros Hematológicos Após Fadiga Muscular

Por: Frank Shiguemitsu Suzuki, Marcelo Martins Kalytczak, Marcos Rodolfo Paunksnis e Rodrigo Augusto Ferreira Palomares.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.23 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Introdução: A fadiga muscular durante as contrações musculares voluntárias é um fenômeno complexo e multifatorial associado a alterações centrais e adaptações do sistema neuromuscular. Objetivo: O objetivo deste estudo é analisar as alterações do pico de torque e dos parâmetros hematológicos em indivíduos saudáveis ativos e inativos depois de realizar um protocolo de fadiga muscular. Métodos: Vinte e um adultos saudáveis do sexo masculino realizaram um protocolo de fadiga muscular (10 séries, 10 repetições de extensão do joelho a 75% do torque isométrico máximo (TIM) a 120ºs-1 e 40 segundos de repouso). Hematócrito (Ht), glóbulos vermelhos (GV) e leucócitos (L) foram analisados antes (A) e depois (D) do teste de fadiga. Resultados: O grupo inativo apresentou deterioração apenas na ação muscular concêntrica (-41 ± 4%) com relação ao grupo ativo (-23 ± 3%). Não foram encontradas diferenças nos parâmetros hematológicos no grupo inativo (Ht, A: 45,00 ± 0,01 vs. D: 47,00 ± 0,01; GV, A: 442 ± 40 vs. D: 487 ± 41; L, A: 7.565 ± 2.878 vs. D: 8.015 ± 4.224) e no grupo ativo (Ht, A: 45,00 ± 0,63 vs. D: 47,00 ± 0,01; GV, A: 477 ± 30 vs. D: 559 ± 37; L, A: 6.418 ± 3.557 vs. D: 6.632 ± 4.460). Conclusão: Foram encontradas diferenças apenas em ações concêntricas entre os grupos. Além disso, não foram encontradas relações quanto aos parâmetros hematológicos entre os grupos.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-86922017000300180&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.