As Brincadeiras Populares: Regastes e Vivências em Inhangapi, PA

Por: Antonielly Oliveira da Silva, Iara Rodrigues dos Santos e Thayara Maize da Silva Tabayara.

XXI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VIII CONICE - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO 

O Ser humano sempre apresentou formas de se expressar e interagir com o que faz parte do universo. Como ação/interação no mundo, são refletidas em suas práticas formas diversas de ver, sentir e pensar. As brincadeiras, os jogos e outras atividades lúdicas também podem ser entendidas como meio das pessoas, em especial a criança, de se comunicar e fortalecer suas práticas culturais. Promover e estimular à prática do brincar e outras ações lúdicas reforçam valores, ampliam a cultura lúdica e possibilitam o conhecimento necessário ao desenvolvimento de cada pessoa. Pois, ao serem vistas como meio de aprendizagem, as manifestações lúdicas surgem como dimensões educativas (KISHIMOTO, 2011). Assim, o presente trabalho torna-se interessante, pois tem por objetivo a socialização da vivência realizada pela turma 2018.2 de Educação Física do Campus de Castanhal/PA, que desenvolveram brincadeiras populares como amarelinha, bandeirinha e outras, praticadas com maior expressividade na primeira metade do século XX, com o intuito de possibilitar as crianças de duas escolas do município de Inhangapí/PA, conhecimento sobre as brincadeiras elaboradas e momentos de diversão, resgatando vivências pouco perceptíveis nas práticas das crianças atuais.

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.