As Contribuições da Dança no Desempenho Motor de Crianças da Educação Infantil

Por: Adilson Domingos Reis Filho, Cilene Lima Antunes Maciel, Cilene Maria Lima Antunes Maciel, Cleonice Terezinha Fernandes e Loredana Patricia Espirito Santo.

Arquivos em Movimento - v.11 - n.2 - 2015

Send to Kindle


Resumo

Pesquisa transversal entre dois grupos - um que pratica dança curricular no ambiente escolar formal (N=24) e outro que não pratica (N = 24), para avaliar a correlação entre as variáveis dança e desempenho motor numa amostra total de 48 crianças entre 04 e 05 anos. Os testes motores são propostos por Rosa Neto (2002) e constam de dinâmica global (imitação de gestos, manuseio de bola); equilíbrio estático e dinâmico (marcha, equilíbrio em um pé só, pular corda, entre outros); organização espacial (direita esquerda, figuras geométricas, etc); esquema corporal (ex: imitação de gestos, movimentos simultâneos com pés e mãos e outros). Os resultados encontrados foram apenas uma correlação estatisticamente significativa para organização temporal na faixa de 4 anos que pratica dança. Os demais fatores mostraram não haver correlação entre as crianças praticantes e não-praticantes de dança curricular para ambas as idades testadas. Conclui-se que para esta amostra, a dança curricular não interferiu no desempenho motor na faixa etária de 4 e 5 anos; no entanto há que se considerar o número reduzido da amostra, bem como o meio diferenciado das crianças que pode interferir na sua performance motora- dada a diferença de affordances.

Referências

ACHCAR, Dalal. Balé uma arte. Rio de Janeiro: Ediouro, 1998.

BERTONI, Íris Gomes. A Dança e a evolução; O ballet em seu contexto teórico; Programação Didática. São Paulo: Tanz do Brasil, 1992

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998: 3 v: il. . Acesso em abril 2015.

DANCEY, Christine e REIDY, John. SPSS – Estatística sem Matemática para Windows. 3 ed. Tradução: Lori Viali. RS: ArtMed, 2006.

FERREIRA, Vanja. Dança escolar: um novo ritmo para a Educação Física. Rio de Janeiro: Sprint, 2005.

FLINCHUN, Betty M. Desenvolvimento motor da criança. Rio de Janeiro: Interamericana, 1981.

FREINET, C. Pedagogia do bom senso. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GALLAHUE, D. L. Educação Física desenvolvimentista para crianças. Dubuque, IA: Brown & Benchmark, 1996.

GARAUDY, Roger. Dançar a vida. 8ºimpressão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p. 8 – 19.1980.

GIRARDI, M. J. Brincar e viver o corpo. PICOLLO, V. L. N. (Org.). Educação

Física Escolar: ser... ou não ter? 3ed. Campinas: Unicamp, p. 73-86. 1995.

GONÇALVES, M.A.S. Sentir, Pensar, Agir: Corporeidade e educação. Campinas: Papirus. 1994.

HIRTZ, P. e HOLTZ, D. Como aperfeiçoar as capacidades coordenativas. Horizonte 17: 166-171. 1987.

KIPHARD, E. J. Insuficiências de movimento y de coordinción en la edad de la escuela primaria. Buenos Aires, Kapelusz, 1976.

KOFES, S. E sobre o corpo, não é o próprio corpo que fala? Ou, o discurso desse corpo sobre o qual se fala. 1994. BRUHNS, H. T. (Org.). Conversando sobre o corpo. 5ed. Campinas: Papirus. p. 45-60.1987.

LAPIERRE, A. A educação psicomotora na escola maternal: uma experiência com os “pequeninos”. Manole, São Paulo, 1989.

LOPES, V. P. MAIA, J. A. SILVA, R. SEABRA, A. MORAIS, F. Estudo do nível de desenvolvimento da coordenação motora da população escolar (6 a 10 anos de idade) da região autônoma dos Açores. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto 3: 47-60.2003.

MARQUES, I.A. Dançando na escola. São Paulo: Cortez, 2003.p.19-32.

MOURÃO-CARVALHAL, M.; COELHO, E.M.C. Obesidade infantil e atividade física. Curitiba: CRV, 2013.

OLIVEIRA, V. M. de. O que é educação física. São Paulo: Brasiliense, 2001.

PISANI. Eliane L. Brinquedos e Brincadeiras – Teoria e prática para o desenvolvimento. Santo André: Esetec Ed: 1. 2008 ISBN: 9788588303884 Crp: 32606 Disponível em: http://elianepisanileite.blogspot.com.br/ Acesso em: 22 de maio de 2012.

RANGEL. Nilda B. C. Dança, Educação, Educação Física: Propostas de ensino da dança e o universo da Educação Física. Jundiaí, SP: Fontoura, 2002.

ROSA NETO, F. Manual de avaliação motora. Porto Alegre: Artmed, 2002.

______________ ALMEIDA, G.M.F., CAON, G., RIBEIRO, J., CARAM, J. A., & PIUCCO, E.C. Desenvolvimento Motor de Crianças com Indicadores de Dificuldades na Aprendizagem Escolar. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília: PUCBrasília, v. 15, n. 1, p. 45-51, 2007.

RODRIGUES, R. Sociedade, corpo e interdição: contribuições do estudo de Marcel Mauss sobre as técnicas do corpo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas, v. 21, n. 2/3. p. 65-70. 2000.

SAMPIERI, Roberto Hernandez; COLLADO, Carlos Fernandez; LUCIO, Pilar Batista. Metodologia da pesquisa. 3.ed. Tradução: Fátima Conceição Murad, Melissa Kassmer, Sheila Clara Dystyler Ladeira. São Paulo: MC GRAW-HILL, 2006.

SHINCA, Marta. Psicomotricidade, ritmo e expressão corporal: exercícios práticos. Trad. Eliane Cristina Alcaide. São Paulo: Manoele Ldta, 1991.

SILVA. Renata M. Dança na escola: Benefícios e contribuições na fase pré-escolar. UniFIL. 2005. CrP 08/07087-3. Disponível em: iacep@inbrapenet.com.br Acesso em: 03 de março de 2013.

SILVEIRA, R. A. da. A criança e os efeitos provenientes do ensino da dança na idade escolar., Revista Digital Buenos Aires: 2009.disponível e: http://www.efdeportes.com

STEINHILBER, J. Dança para acabar com a discussão. Conselho Federal de Educação Física- CONFEF, Rio de Janeiro, n. 5, nov/dez. 2000.

TREVISAN, Priscila Raquel Tedesco da Costa. Influências da dança na Educação das crianças. 2006. Disponível em: http://www.psicopedagogia.com.br Acesso em: 30 de junho 2007.

Endereço: https://revista.eefd.ufrj.br/EEFD/article/view/479

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.